PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 24 de Junho de 2012
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - À PROVA DE TUDO

 

 

 

 

 

 

 

                Nascida em uma família de professores, nem causou espanto quando acabei, eu mesma, advogada, entrando para o rol desses profissionais.  No fundo, creio, eu sempre imaginei que enveredaria pela vida acadêmica. Treze anos depois, não posso dizer, nem de longe, que tenha me arrependido. Ao contrário, encontrei na docência jurídica algo que me instiga, uma atividade que me impele à inovação, a melhorar sempre.

                Por óbvio que sempre há novos desafios, geralmente acompanhados por novas turmas, por alunos novos, por alterações legislativos, por estudos que se fazem necessários, por tantas variáveis que nunca deixam que se torne (e nem poderia) uma atividade de mera repetição. Igualmente evidente que não dá para agradar sempre e eu jamais tive essa pretensão, ainda que eu procure ser agradável, o que são coisas diferentes.

                De tudo, vejo uma profissão belíssima, mas de extrema importância e responsabilidade. Aquele que ensina não o faz somente no que tange a conteúdos, mas também ao que acompanha esses conteúdos, em valores como ética, por exemplo. Confesso que, assim como qualquer trabalho, às vezes fico cansada, às vezes não tenho a paciência que precisaria ter e, não raramente me policio e me cobro nesse sentido.  O que realmente me tira do sério, entretanto, não é a atividade docente em si, não é o cansaço, não são as provas a corrigir, nada disso...

                O que de fato me exaure é a choradeira. Refiro-me ao chororô que acontece após o resultado das provas, com a publicação das notas. Acho engraçado que alunos que praticamente mais faltaram do que apareceram, mais conversaram ou ficaram ocupados mandando mensagens via celular durante as aulas, são os que aparecem com as histórias mais trágicas e tristes sobre as inúmeras razões pelas quais não podem, não devem e/ou não querem ficar reprovados.

                Há casos em que eu até gostaria de ajudar, casos nos quais eu percebo que houve algo imprevisto, algo sério e, nessas situações, analisando a performance do aluno durante todo o semestre ou todo o ano, sou obrigada a admitir que faço o possível para ajudar, para tentar, de alguma forma, nos limites do legal e do permitido, amenizar o que puder. Acredito em dar chances, acredito em recuperação, acredito nas pessoas, ainda.

                Por outro lado, há casos que me tiram do sério, que me deixam a um milímetro de perguntar se me acham com cara de ingênua ou coisa pior, como quando alunos me procuram para dizer que, “por minha causa” não irão conseguir aquele emprego, aquela promoção, aquelas merecidas férias... Acho isso, além de desrespeitoso, no mínimo curioso. A pessoa não assiste aula, não estuda, não tira nota e a culpa é minha??? Realmente, a cada dia, as pessoas assumem menos os próprios erros, as próprias responsabilidades...

                Minha culpa seria se eu não tivesse dado a aula, se não tivesse me disposto a ajudar quem não estivesse me entendendo, se eu não indicasse onde e como estudar, se eu não cumprisse meu papel de professora.  Agora, depois do próprio fracasso, atribuí-lo a terceiros, seja a mim ou a outrem, isso já é algo que não admito, que não apoio e que não me comove. Assim, sinto muito e doa a quem doer, mas o processo de aprendizagem é uma via de mão dupla e precisa ser levado a sério, não só pelos governantes, pelos professores, mas também pelos alunos. A cada qual, o pedaço, os louros e as dores...

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 18:10
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links