PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 30 de Julho de 2012
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - ARY FOSSEN, O SER HUMANO

               

                     

 

 

Quando uma pessoa vai embora e, de alguma forma, faz parte de nosso mundo, fica um vazio que as lembranças ocupam, mas ninguém consegue preencher. Com o passar do tempo, esses vazios se multiplicam e a terra que habitamos se torna, em grande parte, molhada de saudade. Sei disso há tempo. Meu pai se casou com 48 anos e nasci aos 55 dele. A ascendência paterna disse adeus muito cedo.

Reflito sobre  a partida do Sr. Ary Fossen como ser humano e aquilo que faltará dele na história que escrevemos neste tempo e neste lugar. A Família bonita que ele construiu, juntamente com a Marialice, terá sempre muito mais a dizer. Marialice do sim nas alegrias e na cruz. Marialice que, embora a dor a comprima, permaneceu e permanece em pé. Ao falar da Família, as palavras do Sr. Ary eram como favos de mel. Seu orgulho maior. Sentimento que cresceu com a chegada do genro, noras e netos.

Tínhamos alguns lugares em comum como o SESI, até um pouco depois da virada do século; a Catedral Nossa Senhora do Desterro em diversas celebrações e o Jardim Novo Horizonte a partir de 2005. Alguns amigos, que tocaram ou tocam o coração, eram os mesmos.  Dentre eles Dom Gabriel Paulino Bueno Couto. Sr. Ary jamais se esquecia de seus ensinamentos. O encanto pela grandeza e a sensibilidade do Inos Corradin e sua obra, que eleva o espírito através da arte, nos era similar.

Muitos destacaram, nos testemunhos e nas reportagens, sua trajetória política. Escolho escrever sobre o que vivia em seu coração, além da Família, nas conversas informais: o amor e a presença de Deus no seu dia a dia; os eventos religiosos de que participava, bendizendo ao Senhor por tudo o que lhe dera; os livros e os autores que lhe chamavam a atenção; a alegria ao poder colaborar com sonhos dos empobrecidos e fortalecê-los; as recordações de pessoas, fatos e paisagens. Emocional em determinados acontecimentos, ao se indispor com uma pessoa, tinha a humildade de buscar a reconciliação. O poder, em diferentes cargos que ocupou, não o fez arrogante.

O menino, de emprego simples na adolescência, pelo empenho, inteligência e preparo, assumiu funções de destaque e, por se abrir ao divino, chegou por certo ao Céu, atraído, como sempre demonstrou, pela luz sobrenatural da fé, pela fragrância da ressurreição.

A primeira Leitura da Missa do dia de sua partida, do Profeta Isaías (26, 7-9.12.16-19) proclama: “Quando vem a noite, anseia por ti a minha alma e com a força do espírito te procuro no meu íntimo. (...) Senhor, hás de dar-nos a paz, como nos deste a mão em nossos trabalhos. (...) Reviverão os teus mortos e se levantarão também os meus mortos. Despertai, cantai louvores, vós que jazeis no pó! Senhor, é orvalho de luz o teu orvalho, e a terra trará à luz os falecidos”.

Deus nos amou tanto que nos fez para a Eternidade. No vazio deixado pelo Sr. Ary, além das lembranças, o anúncio do Ressuscitado, que vence a morte, e a certeza de que a vida vale a pena quando é serviço para o bem.

 

 

 

 

 

 

 

Maria Cristina Castilho de Andrade

Coordenadora da Pastoral da Mulher – Santa Maria Madalena/ Magdala, Jundiaí



publicado por Luso-brasileiro às 14:03
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links