PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2012
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PROPAGANDA ELEITORAL

 

 

 

 

 

 

            Não sei se sou somente eu que já não consigo mais acreditar ou se, de algum modo, meu pensar reflete o sentir de mais pessoas. O fato é que simplesmente não consigo mais dar crédito às promessas políticas em tempo de campanha eleitoral. Aliás, como se diz por aí, de promessas o inferno está cheio. Todos os anos é a mesma lenga-lenga, a mesma história, os mesmos salvadores da pátria...

            O fato é que, entra ano e sai ano e muito pouco muda de efetivo. Alguma coisa deve estar errada, não é possível. Do alto da minha ignorância, fico imaginando por que razão uma pessoa que já ocupou “n” cargos políticos de destaque, garante que dessa vez vai fazer tudo o que o País, o Estado ou o município precisam, quando, em tantos outros anos, pouco fez disso tudo.

            São sempre as mesmas caras a dizer sempre a mesma coisa. Prometem, prometem, mas pouco cumprem. Parece-me que a palavra e o comprometimento se perdem em meio a outros interesses pessoais. Isso sem contar as recorrentes denúncias de fraudes, simulações, apropriações indevidas e mais uma escória de práticas deploráveis. É claro que não estou dizendo e nem poderia sem conhecimento profundo de causa, que não há exceções, que não há quem faça ou que seja honesto e sério, mas que a imagem política não anda das melhores, isso não anda.

            O que me cansa é ouvir plataformas popularescas, muitas destituídas de fundamento, eis que o candidato promete uma coisa que não está nem remotamente dentre as competências do cargo que almeja. Mas mesmo assim, promete. Sempre haverá a ignorância crédula para servir a tais propósitos. E o pior, são promessas já feitas que beiram o nível da “paz mundial”...

            Outra coisa que me faz refletir é que, via de regra, as promessas parecem apenas se voltar a uma parte da população. Serão doze milhões de creches, haverá o programa mamãezinha brasileira, leve isso, tome aquilo, além de infinitas vagas para o trabalhador. Ninguém fala da classe média, aquela que paga muito imposto, não manda dinheiro para paraísos fiscais, não tem casa no exterior para passar as férias, mas que também carrega sua parcela de Brasil nas costas.

            Antes que me queiram linchar, já adianto que não sou contra o assistencialismo. Só acho que dá forma como é implementado nesse país, serve muito mais para produzir massa de manobra política e social do que qualquer outra coisa. Não é necessário ser um cientista político para saber que apenas dar coisas, sem educação de qualidade, sem dar opções para uma vida nova, sem qualificar as pessoas, não resolve os problemas sociais que vivenciamos. Essas medidas paliativas, eleitoreiras, popularescas, cansam e desanimam as poucas pessoas que ainda tem esperanças de viver para verem um país melhor, digno e expurgado da bandidagem, de baixo e alto escalão.

            O pior é que, ainda que as campanhas, sobretudo  se voltem à parcela mais carente, não são esses os finais beneficiários. Quando se descobre, não foi o pobre povo, ludibriado, que embolsou milhões e quintuplicou patrimônio. Uma vez mais, as pessoas continuam sem ter escola decente para seus filhos, caso não possam pagar uma particular; uma vez mais ficam sem trabalho, sem opção, sem esperanças.

            Pena, tão somente, termos memória política fraca e curta. Das duas uma: ou somos muito crédulos, ou muito levianos. Não sei, de fato. Só sei que, de minha parte, reservo-me o direito a dizer que não acredito mais em conversa mole, em candidatos que sequer se lembram de que a classe média existe e que está insatisfeita com os rumos que esse país vem tomando...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA -Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo



publicado por Luso-brasileiro às 11:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links