PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 24 de Setembro de 2012
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PISANDO EM OVOS

 

 

 

 

 

 

 

            Não sei se há alguma explicação para isso, mas sempre me senti atraída por ovos. Gastronomicamente eu também os aprecio e muito, mas nem é disso que escrevo. Na verdade, o que eu gosto, até hoje, diga-se de passagem, é de encontrar, de recolher ovos.

            Quando eu tinha cerca de uns seis anos, ganhei dois periquitos e praticamente todos os dias eu olhava a caixinha que colocáramos para ninho, na esperança de encontrar ovinhos lá. Alguns meses depois, descobri que, sendo dois machos, isso seria meio impossível... Ganhei uma fêmea e a mesma foi levada para o viveiro de um primo, para ver se lá a coisa ia, e, de fato, pouco tempo depois, cinco ovinhos estavam sendo chocados, até que minha prima soltou a periquita, inadvertidamente, deixando órfãos os ovos...

            Mesmo eu tendo implorado, ninguém me deu aqueles ovinhos pequenos, brancos e redondinhos. Os pobrezinhos foram colocados de enfeite no quarto dos meus primos, mas ninguém atendeu o meu pleito, justo, por sinal. Talvez tenha sido esse o primeiro passo para eu me tornar advogada, a verificação de que meu direito havia sido desrespeitado...

            Na casa das minhas avós sempre houve galinhas e não havia um só dia em que, se lá eu estivesse, não pegasse emprestado o chapéu do meu avô materno ou usasse minha blusa, que fazia dobrar para cima, em um tempo que expor a barriga era algo sem muitos riscos (rs), para lá colocar todos os ovos que conseguisse recolher. Adorava encontra-los nos locais mais improváveis, desvendando os ninhos das pobres galinhas. Se eu percebe que haviam vindo para o mundo recentemente, se estavam quentes ainda, eu os colocava no rosto, para melhor sentir o calor. O bom de ser criança é que elas não se detêm sobre de onde os ovos saem...

            Ninhos de passarinhos, ocultos pelas folhas e galhos também me encantavam. Eu jamais mexi nos ovinhos, pequenas pérolas vivas, sementinhas de futuras fadinhas aladas. Eu dava um jeito de subir na árvore e ficar o mais próxima possível, só para admira-los, contá-los. Seguia nas minhas observações até que os filhotinhos dessem as caras, ou melhor dizendo, os bicos. Nunca deixei de me admirar essa mágica de ver ovos transformados em avezinhas.

            Até ovos de lagartixa eu gostava de encontrar. Na casa da minha avó paterna havia um armário velho no qual sempre eu podia “garimpar” ovinhos dos mini jacarés domésticos. Eu os reunia em uma caixinha forrada com algodão, a qual deixava fechada até que fosse a hora de fazer a conferência diária. Pouca coisa se compara ao susto que tomei quando, ao abrir, um belo dia, a tal caixinha, vi de lá pular meio milhão de pequenas lagartixas, loucas para conhecer o mundo e suas paredes.

            Ovos de pombas, ovos de pato, ovos de codorna estão entre os que colhi, cuidei ou coloquei para chocar. Mesmo na feira, quando vou comprar os mais simples, para consumo, não consigo deixar de pensar que faz falta o chapéu do meu avô, o quintal da minha avó e os misteriosos e encantados ovos que jamais voltei a recolher....

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.



publicado por Luso-brasileiro às 10:59
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links