PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012
FRANCISCO VIANNA - FOTOS DO CONFLITO EM GAZA PROVOCAM ACUSAÇÕES DE MÍDIA TENDENCIOSA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
FRANCISCO VIANNA (da mídia internacional)

Sexta feira, 23 de novembro de 2012

 

 

 

 

 

            Em meio ao conflito armado, cada foto conta uma história. Não apenas o que se poderia pensar delas. Durante oito dias de hostilidades entre Israel e militantes palestinos na Faixa de Gaza, uma discussão teve começo sobre o uso das imagens que documentam a luta. Partidários de cada lado vêm injustiça na forma como os eventos foram retratados pelas lentes das câmeras da mídia jornalística, que tentam estimular o lado emocional dos que as veem e que, nem sempre reflete a verdade dos fatos. Aparentemente, mesmo o quadro universal do sofrimento humano está cheio de controvérsias.  

 

            Uma foto da Associated Press de um homem palestino com intensa expressão de sofrimento, segurando o que parece ser o corpo de um bebê supostamente morto pelo fogo israelense, está entre as mais chocantes. A foto, foi publicada na primeira página do jornal americano The Washington Post, em 15 de novembro e em outros jornais e sites, mostra um homem, um jornalista da BBC árabe chamado “Jihad Misharawi” – atente para o nome – embalando o corpo envolto de seu bebê morto. A angústia é evidente em seus olhos e na inclinação de sua cabeça para o céu como suplicando ajuda divina. Ele está no meio de um semicírculo de homens, um dos quais parece consolá-lo.

 

            A foto postada na Internet foi motivo de dezenas de reclamações, segundo o diretor de fotografia da AP, Mary Anne Golon. Um dos reclamantes acusou o jornal americano de ser “tendenciosamente favorável aos palestinos”, parte do padrão geral da alegada tendência antissionista de grande parte da mídia estadunidense. Outros objetam o destaque dado à foto pelo jornal, ocupando o espaço de quatro colunas na página. 

 

            Outras fotos controversas que se seguiram — e um vídeo — que foi publicado na terça feira, quando a AP, a Reuters e a CNN apresentaram o show macabro e chocante de palestinos não identificados arrastando o corpo sem vida de um de seus compatriotas pelas ruas de Gaza sendo puxado por uma corda amarrada aos seus pés e atada numa motocicleta. Todas as três agências de notícias disseram que o homem foi sumariamente assassinado, sem julgamento, pela simples suspeita de ser um colaborador de Israel. Essa é, de fato, uma cena que jamais será vista em Israel...    

                                

            Queixas de que a tendenciosidade na imprensa em cada lance dessa luta se multiplica e aumenta, não dá, no entanto, a nenhum dos lados em conflito a certeza de que têm a capacidade de influenciar a mídia e fazê-la “puxar a brasa para a sua sardinha” (“a desonestidade é bem uma desgraça de padrão realmente em voga”, como dizem alguns), muito embora se acredite que os israelenses levam vantagem perante o público americano graças as suas “afinidades culturais” com os jornalistas ocidentais, ou seja, todos falam inglês, ao passo que pouquíssimos falam árabe. 

 

 

Além disso, o conflito é extremamente assimétrico e coloca as modernas e bem equipadas forças armadas de Israel contra guerrilheiros irregulares e fanáticos — convencidos a se imolarem estupidamente pelo Islã, algo que, diferentemente da religião muçulmana, é mais uma doutrina política que quer o extermínio daqueles que não a seguem. Com isso, há muita gente pelo mundo a fora que critica, e com boa dose de razão, a maneira como muitas vezes a mídia americana retrata as ações israelenses.

 

O sistema de defesa antimíssil de Israel, chamada Pilar da Defesa, e seus abrigos limitam extraordinariamente o número de baixas causadas pelos mísseis palestino de fabricação iraniana, e daí há poças fotos de Israel sentindo a dor das perdas de guerra, o que ocasiona uma espécie de “desequilíbrio emocional” naqueles que leem os jornais carregados de fotos de morte, ferimentos e destruição do lado palestino e muitas vezes, tais leitores não se dão conta de que o lado agressor é exatamente o lado palestino que vem sendo, covardemente, utilizado pelas nações antissionistas como bucha de canhão numa guerra que esses mesmos estados não ousariam deflagrar contra Israel. Ao mesmo tempo, o moderno armamento de Israel produz uma desproporção “telegênica” que alimenta a falsa impressão de quem vê Israel como o elemento agressor. Uma grande bola de fogo resultante de um ataque de um caça F-16 a uma mesquita, por exemplo, é uma imagem bem mais chocante do que os restos de mísseis destruídos em pleno voo e esparramados pelo lado israelense.

 

Os que apoiam Israel geralmente rejeitam qualquer retrato ou narrativa que tente mostrar a nação judia como agressora, e seus militares como uma força que mata indiscriminadamente civis de modo impune — uma narrativa que acreditam ser promovida pelas facções árabes.

 

Dizem que as imagens que mostram palestinos sofrendo não se ajustam a um contexto mais amplo: o de que os militares israelenses apenas agem em defesa própria de seus cidadãos, que têm sido deliberadamente alvejados pelos terroristas da Faixa de Gaza com seus mísseis fornecidos por países interessados em “riscar Israel do mapa” e propositalmente lançados de áreas densamente povoadas da Cidade de Gaza, de modo a causar, propositadamente, o maior número de mortes entre civis, mulheres e crianças, por trás de quem se esconde a covardia e a pusilanimidade dos “líderes” palestinos, para quem a vida de seus irmãos não vale nada.

 

 

 

FRANCISCO VIANNA   -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 19:05
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links