PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 27 de Junho de 2013
HUMBERTO PINHO DA SILVA - QUEM NÃO TRABUCA NÃO MANDUCA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nem sempre o anexim é exacto, quantas vezes, por muito trabucar, é que nunca se passa, como diz o povo: da cepa torta.

 

Convivi, nos meus tempos liceais, com filho de modesto lavrador, que em menino, todos os dias - fizesse sol ou chuva, - acompanhava os irmãos, nas tarefas campestres.

 

Enquanto rasgavam sucos na terra parda, para a água irrigar a viçosa horta, o preguiçoso, permanecia, cantarolando, de papo para o ar, apanhando sol ou jogando pedrinhas.

 

Bem lhe ralhava, o pai, ameaçando-o com severos castigos, e não poucas vezes, pedia auxilio à sibata e ao cinto de celeiro, na esperança que fossem milagreiros.

 

Desesperado, após confidenciar com a mulher, assentou enviá-lo para a cidade, como marçano, na lojinha do primo.

 

Poucos dias decorreram, quando recebeu carta, dizendo que o mocinho era desobediente e nada queria fazer.

 

Lembraram-se, a conselho do Sr. Abade, matricula-lo no liceu. Ao interrogá-lo, respondeu: que sim, se não houvesse a palmatória, que tanto trabalhara na “primária”.

 

Preguiçando, estudando em cima dos exames, copiando e colando aqui e ali, completou o curso.

 

Tornou-se abastado advogado, enquanto os irmãos, por serem trabalhadores, terminaram a velhice a labutar a terra, com modestíssimos rendimentos.

 

Outro assunto; o mesmo tema:

 

Nos anos cinquenta, meu pai, conheceu religiosa, muito risonha, de olhinhos vivos e gaiatos, que, cavaqueando, confidenciou-lhe:

 

- “ Fui mulher de limpeza num hospital dirigido pelas Irmãs Hospitaleiras. Diziam-me: “ Altina, limpe aqui! Altina, precisa de ter mais cuidado!" Os médicos eram mais duros: “ Altina, parece que tem ovos debaixo dos braços! Altina, quer que me queixe à madre superiora!?" Agora, que sou freira, tratam-me carinhosamente por irmã, e até o Sr. director, beija-me respeitosamente, a mão!”

 

Outra história, não menos curiosa:

 

Décadas a traz, havia em terras transmontanas, freira que passava as férias na aldeia natal. Ao perguntarem-lhe se gostava da vida religiosa, prontamente respondia, muito espevitada:

 

- “Aqui na aldeia tinha que levantar-me de madrugada para apanhar azeitona, em pleno Inverno. Mondava até quebrar a espinha e ceifava até o suor cair em bica. Agora tenho criadas para os serviços pesados…”

 

Mais outra, não menos interessante:

 

Com a chegada da democracia, a Portugal, chegaram pastores evangélicos, com mulher e filhos.

 

Quase todos levavam vida folgada. Os crentes murmuravam, em surdina, que auferiam salários principescos.

 

Jovens, constatando que era menos penoso ser pastor do que padre, tiveram súbitas “ conversões” e “vocações”, na esperança de vida melhor, do que lavrar terra e trabalhar na oficina.

 

Pobre diabo – salvo seja! - de S. Mamede Infestas, que percorreu seis denominações e terminara em pequeníssima garagem, com meia dúzia de fieis, lamentava-se, com pontinha de inveja, que cozinheiro afortunado, tornou-se pastor e ganhava seis contos mensais! - e com largo gesto desanimador, rematava: limpinhos! …limpinhos! …

 

Com isto termino, dizendo, embora pareça paradoxo, que quem muito se afadiga, nem sempre tem sorte, já que este permeia, quantas vezes, quem não gosta de trabucar.

 

Bem diz o nosso povo: ninguém chega a rico, trabalhando...

 

 

 

 

 

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal



publicado por Luso-brasileiro às 10:37
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links