PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 16 de Julho de 2013
JOÃO BOSCO LEAL - AOS OLHOS DO AMOR

 

 

 

 

 

 

Comum entre os seres humanos, as paixões começam a ser sentidas ainda na infância, mas o amor verdadeiro só – e se – se sente em raríssimas ocasiões durante toda a vida.

 

Surge inesperadamente, vindo não se sabe de onde, é sentido na pele, coração e pulmão, depositado na mente, perpetuado na alma e nem quem o já sentiu consegue explicar.

 

Almejado por todos, mesmo os que já maduros ainda não o encontraram, continuam buscando, mas muitos viveram ou viverão sem senti-lo e quem o sente não consegue defini-lo com clareza e objetividade.

 

Sentir o cheiro de mato em pleno centro urbano, ver muito mais cores que as do arco íris e provar mais sabores que todos os já experimentados pelo homem, são sensações comumente relatadas entre os que verdadeiramente amam.

 

Sem medida de espaço ou tempo, pode ser alegre ou triste, discreto ou escandaloso, fechado ou escancarado, mas sempre provoca sensações de alegria inimagináveis aos que nunca amaram e machuca quando nasce onde não é nutrido, regado e flores não surjam quando menos se espera.

São infinitas as facetas e possibilidades desse amor: pelos pais, filhos e netos, por pessoas do mesmo sexo ou do oposto, pelo próprio corpo, por animais, pela profissão ou pelo dinheiro, mas os que amam não sabem como, quando, onde e porque esse sentimento começou nem possuem qualquer controle sobre por quem ou pelo que o sentirá.

 

Porém, sem conhecer seu próprio interior, ambições e desejos, ninguém conseguirá amar outra pessoa, pois o autoconhecimento é que lhe dará as informações necessárias sobre suas virtudes e defeitos, que o orientarão sobre o que buscar no outro, para que se completem.

 

Nas pessoas que se atraem mutuamente, gera autoconfiança e as refresca como a água do rio. Como um vulcão em erupção – que jorra lavas para todos os lados -, os que amam são felizes, transmitem alegria, bondade, carinho, delicadeza e possuem brilho no olhar.

 

Quando é unilateral, gera medo, insegurança e queima como o fogo das lavas. Como os vulcões adormecidos – que permanecem na escuridão das profundezas da terra -, os não correspondidos são infelizes, transmitem mágoa, solidão, tristeza e perdem o brilho dos olhos.

 

Em busca desse amor nos deparamos com diversas barreiras, que provocam a desistência de muitos, mas quem ama possui forças desconhecidas, saídas de suas entranhas, que lhe permite caminhar com bastante facilidade, contra a inveja e o egoísmo de quem nunca amou ou não quer ver a felicidade do outro.

 

Daí a ansiedade e insistência daqueles que já sentiram o amor – e por algum motivo o perderam -, em recuperá-lo ou encontrar outro que reacenda aquela chama em seu coração e lhes devolva a alegria de viver, pois com seu amadurecimento e o reconhecimento dos erros cometidos, certamente o sentirá de modo ainda mais intenso.

 

Quem ama sente, fala e escreve com a alma, o coração, sem nenhum controle mental, e por isso expressa o que muitos, que não amam, não conseguem sentir, entender ou enxergar.

 

Só quem ama vê o invisível e entende o ininteligível, coisas impossíveis aos olhos e mentes dos que não amam.

 

 

 

 

 

JOÃO BOSCO LEAL, é articulista político, produtor rural e palestrante sobre assuntos ligados ao agronegócio e conflitos agrários. Campo Grande, Brasil



publicado por Luso-brasileiro às 12:16
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links