PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 23 de Julho de 2013
FRANCISCO VIANNA - A VENEZUELA, O BRASIL, E A CHINA COM SEU CAPITALISMO DE ESTADO

 

 

 

 

 

 

Os analistas econômicos que se debruçam sobre a situação atual da Venezuela, dizem que os investimentos externos no país, especialmente os chineses, caíram de forma impressionante e estão por um fio de serem completamente interrompidos, em função da crise asfixiante de liquidez que o país sulamericano atravessa.

O governo de Nicolás Maduro, cuja autenticidade ainda é motivo de discussões internas e externas no Tribunal Internacional de Justiça da ONU, em Genebra, tenta desesperadamente convencer Pequim a manter abertas as linhas de crédito e investimento do país asiático na Venezuela.

Por sua vez, a China tem dado sinais de que está difícil fazer isso, em função do fato de que Caracas não vem honrando os compromissos assumidos bilateralmente e a percepção de um risco maior e crescente de se investir no país sulamericano, risco esse que já vinha aumentando antes da morte de Hugo Chávez e que só tem se agravado atualmente.

“A verdade é que os chineses se desencantaram com a corrupção rampante do governo venezuelano, que enriquece os membros do “politiburo comunista de Caracas” enquanto empobrece de maneira acentuada a população do país, cujo PIB está em queda livre, com a fuga da mão de obra especializada e dos capitais privados da Venezuela”, disse Antonio De La Cruz, diretor executivo da empresa de assessoria “Inter American Trends”.

 

 

 

 

As escoras externas que ainda impedem a Venezuela de afundar de vez na miséria socialista.

 

“A decepção chinesa com o regime ‘bolivariano’ reside no fato de os fundos que ingressam na conta do BANDES (o BNDES venezuelano) quase sempre nunca chegam a ser aplicados nos seus respectivos projetos e o mesmo ocorre com investimentos brasileiros – a maioria com dinheiro público governamental de Dilma Roussef – sendo desviados para contas particulares de membros da cúpula ‘bolivariana’”, conforme explicou Evan Ellis, professor de Estudos de Segurança Nacional da Universidade Estatal de Defesa Nacional. “Os chineses reclamam que a Venezuela se tornou um ‘poço sem fundo’ para o dinheiro lá investido e que as recomendações de Pequim estão sendo solenemente ignoradas por Caracas”, acrescentou Ellis.

A pesar de o Brasil também ter diminuído os empréstimos a Caracas e suspendido alguns projetos bilaterais, como uma refinaria de petróleo em Pernambuco, tudo isso, por motivos ideológicos, vem sendo feito em silêncio corroborado pela mídia brasileira subserviente ao governo de Brasília.

Tais frustrações e preocupações quanto a estabilidade do regime após a morte de Chávez têm sido os principais obstáculos aos esforços de Caracas de continuar a drenar recursos chineses para o país, recursos esses que já ultrapassam os 4 bilhões de dólares em empréstimos ‘renováveis’ que Venezuela se propõe pagar com envios de petróleo para a China e Brasil.

Ninguém, do governo de Maduro, se dispõe a falar sobre o assunto para a mídia internacional e, muito menos, para a local. Tais problemas ficaram mais evidentes com a visita do chanceler Elías Jaua a Pequim, em fevereiro último, pouco antes de o regime anunciar o falecimento de Hugo Chávez. Jaua fora a Pequim numa tentativa de destravar o fluxo de dinheiro chinês, mas, “na ocasião os chineses simplesmente lhe disseram um redondo ‘não’ e de uma forma inusitadamente pública lhe expressaram sua frustração pela maneira como Caracas dispõe dos referidos recursos”, acrescentou ainda Ellis.

Ao que parece, os chineses foram com muita sede ao pote na Venezuela e, quando agora percebem o tamanho do calote que surge no horizonte, passam a reconsiderar o tema a pisar fortemente no freio. Todo esse imbroglio ganhou importância e evidência durante os meses de agitação social que se seguiram à morte do caudilho Hugo Chávez.

Qualquer um, que examine a situação da Venezuela hoje, tem a impressão de que o país já representa um risco demasiado alto para qualquer investimento externo, tanto público como, principalmente, privado.

O Banco de Desenvolvimento da China foi claro e enfático ao declarar que o dinheiro enviado por Pequim e outros países, como o Brasil, não está sendo usado corretamente nos projetos a que, teoricamente, se destinam e que, ao invés disso, “acaba indo para o bolso de certas pessoas” do politiburo bolivariano.

Como a PDVSA, a Petrobrás deles lá na Venezuela, vem diminuindo rapidamente a sua produção de petróleo – seja por dificuldades de mão de obra de manutenção de suas instalações que se encontram em adiantado estado de deterioração, seja por incúria e incompetência de seus governantes – o fato é que os chineses começam a ter a certeza sinistra de que a Venezuela não tem uma produção de petróleo suficiente para garantir os compromissos internacionais assumidos com a China, a Rússia (armamentos) e o Irã. Tal certeza se consolida também pelo fato de que a estatal petroleira da Venezuela vem, desde 2011, alterando os termos do acordo firmado com a estatal chinesa e, com a desculpa do preço mais alto do petróleo, enviar cada vez menos volumes para Pequim, ignorando, assim os termos do acordo de que todo o excedente ocasionado pela variação de preços da mercadoria teria que ser depositado, por um ou pelo outro, num fundo especial chinês criado para usá-lo em futuros empréstimos a Caracas.

Até que houve, como no Brasil, uma “reação do governo” local empreendida pelo presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, contra a corrupção, mas que, também como no Brasil, levou apenas à prisão de “peixes miúdos”, com os principais tubarões ainda incólumes e a desfrutar o grosso do dinheiro desviado. Essa, aliás, é uma praga comum na política e na economia sulamericana e, quanto mais o país é estatizado, com mais intensidade ela incide. No caso da Venezuela, os “bois de piranha” presos foram responsabilizados pelo desfalque de apenas 84 milhões de dólares – menos de um quinto do total – do fundo Chinês-Venezuelano e do BANDES.

A busca pelo dinheiro chinês acontece numa hora em que a Venezuela atravessa uma dentre as priores faltas de moeda e de liquidez de sua história, a ponto de se sentir o país ameaçado de ter sua economia totalmente paralisada pela hiperinflação que bate às portas de Caracas e que cresce a taxas às mais altas do planeta.

A impressão que se tem é a de que a Venezuela só não entrou ainda em colapso total graças a esse reduzido fluxo externo de divisas estatais provenientes, principalmente, de China e Brasil, sem os quais a vaca venezuelana, que já foi para o brejo, já teria atolado totalmente.

A história recente da Venezuela conta com ricos detalhes como o socialismo não passa de um mero golpe conduzido por um grupo de pessoas dentro do país, não habituadas ao trabalho duro, honesto, e constante que, uma vez reunidas e organizadas, após tomarem o poder, agem apenas na gerência de negócios espúrios para enriquecimento próprio de sua reduzidíssima burguesia governamental. Nada, na Venezuela, parece se encaminhar de modo diferente do que ocorre com os poucos países que ainda insistem no socialismo. Com a exceção, talvez, da própria China que desenvolve uma forma extremamente imperialista de capitalismo: o capitalismo de estado, sem concorrência interna e agindo de forma insidiosa no exterior.

 

Segunda feira, 22 de julho de 2013


 

 

FRANCISCO VIANNA  -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil.



publicado por Luso-brasileiro às 10:13
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links