PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 25 de Setembro de 2013
FRANCISCO VIANNA - MADURO SOB PRESSÃO DA CRISE, DAS DÚVIDAS, E DA DÍVIDA.
 
 
 

 

 

 

 

 

 

 

Apesar de contar ainda com uma significativa renda petroleira e com o controle quase absoluto dos poderes do estado venezuelano, a liderança de Nicolás Maduro não consegue impedir que a chamada “Revolução Bolivariana” comece a fazer água, com níveis de impopularidade que superam os 60 por cento, além dos atritos internos que ameaçam a integridade estrutural do regime imposto à população por via do aproveitamento político das fraquezas institucionais da antes florescente democracia na Venezuela.

 

 

 

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, discursa num ato em Caracas em 11 de setembro último. MIGUEL GUTIERREZ / EFE

 

Dizem os entendidos que o ex-motorista de ônibus e pelego sindical Maduro perdeu o ‘capital político’ acumulado pelo falecido presidente Hugo Chávez de forma impressionante, numa hora em que a crise econômica e sua escassez cada vez mais aguda de produtos básicos de consumo é grave e acentua a hostilidade venezuelana fortemente convencida de que ele está no poder de forma ilegal por haver fraudado o resultados das eleições e, mesmo assim, ter vencido Capriles por uma diferença desprezível de 300 mil votos e por não admitir uma auditoria externa na contagem desses votos.

 

Tudo isso faz com que o regime seja suspeito de se caminhar para uma ditadura – que, na prática já é – declarada pelas dúvidas que suscita entre os diferentes setores do chavezismo sobre a sua capacidade de manter em progressão o projeto bolivariano.

 

Um professor de Relações Internacionais da Universidade de Boston, Carlos Blanco, afirmou que “a deterioração do apoio político a Maduro é realmente impressionante, e ele não tem conseguido conservar a liderança que Chávez, embora fragilizado pela doença nos últimos tempos a mantinha incólume. Trata-se de algo evidente inclusive dentro das próprias hostes chavezistas, que atuam sabendo que já têm seus dias contados”, enfatizou o professor latino. “Já estão funcionando com perspectivas de muito curto prazo, numa espécie de ‘operação de sobrevivência’. O barco bolivariano está fazendo água por todos os lados”, assinalou.

 

A queda de popularidade do atual governante venezuelano está sendo mostrada pela quase totalidade das enquetes, inclusive as conduzidas pelos institutos controlados pelo governo que apresentam resultados muito parecidos com os independentes, chamados pelo regime como sendo “de oposição”.

A mais recente delas, elaborada pela firma “Alfredo Keller y Asociados”, mostrou que a oposição continua a se consolidar na maior parte do país, com níveis de aceitação de 42 por cento, ao passo que o chavezismo continua a se deteriorar, situando-se em 34 por cento de aprovação.

Tal pesquisa mostra, do mesmo modo, que o pessimismo dos venezuelanos quanto ao futuro do país, aumentou de 53 para 61 por cento, considerando-se que a situação em geral vai de mal a pior e que apenas 39 por cento considera que o país vai bem ou está melhorando. De qualquer modo, a Venezuela continua a ser um país amplamente dividido, mas que apresenta um franco deslocamento do ponto de divisão em favor da oposição.

 

Quando Hugo Chávez ainda estava vivo, no ano passado, essa tendência era inversa, com o otimismo superando o pessimismo em mais de 15 pontos percentuais. Hoje a coisa virou numa guinada de mais de 180 graus, com um índice de rejeição à Maduro e ao bolivarianismo que se situa em 54 a 43 por cento, com uma tendência de aumentar essa diferença de modo marcante a continuar as medidas autoritárias de Caracas, principalmente as econômicas e a persistir a imensa falta de segurança pública e violência criminal tratada com condescendência e ineficiência pelo poder.

 

Há enquetes que situam a desaprovação a Maduro e ao regime em mais de 60 por cento, enquanto os entendidos dizem que Maduro e seu regime muito próximo a uma ditadura semelhante à de Cuba estão sendo atingidos de forma dura pela crise econômica que arrasa o país, a qual, no entanto, foi causada pelas decisões socialistas de Chávez, e que Maduro, agora, ao continuar a adotar medidas na linha chavezista, está pagando o preço do custo político dos desacertos de ambos. Tudo isso agravado agora pelo fato de Maduro não ter um décimo da liderança populista e o carisma demagogo que seu antecessor possuía perante as massas ignaras.

 

As pessoas hoje responsabilizam Maduro pela ‘gestão desastrosa’, o que não ocorria com Chávez, que tinha a habilidade dos caudilhos de despejar um monte de mentiras bem articuladas sobre uma população mal politizada e de baixíssima escolaridade, que se mostrava “hipnotizada” por seu mandatário. Com Chávez a estória sempre foi a de jogar a culpa dos maus resultados em seus ministros e colaboradores, a quem os substituía situando-os em cargos que, na maioria das vezes, era mais uma promoção do que uma punição. Já viu esse filme, aqui no Brasil?

 

“Pois é, mas, agora, quem está sendo imputado é o próprio Maduro”, comentou o assessor político governista Orlando Viera Blanco.

 

 

 Segunda feira, 23 de setembro de 2013

 (da agência de notícias espanhola EFE)


 

FRANCISCO VIANNA  -   Médico, comentador político e jornalista  - Jacarei, Brasil



publicado por Luso-brasileiro às 09:57
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links