PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 18 de Junho de 2010
MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE - DESCENDÊNCIA DE DEUS

                      

 

 

Deus abriu a vida, para descendência, na família humana da qual faço parte, em junho de 2007. Concedeu uma linhagem que não passou pelo sangue, mas veio através do coração dEle. Creio demais nisso! A descendência que o Senhor nos ofereceu, e que poderia ser ou não aceita pela minha cunhada e pelo meu irmão, nasceu da inspiração do Criador na alma dos dois.

Essa é uma história que se entrelaça com a minha e me emociona, pois os filhos de meu irmão são meus sobrinhos. Os rebentos de meu irmão e minha cunhada, unidos a mim por laços próximos, um é filho da exclusão e a outra, quando dava os primeiros passos, teve seus direitos desrespeitados e se tornou excluída. Não julgo os pais de nenhum deles, lamento, porém, por não conviverem com os filhos que geraram por situação de pobreza material, moral, emocional ou espiritual. E quantos pais se fazem somente fantasmas na vida de seus filhos, acompanhando-os como espectros. E quantos pais, de poder aquisitivo maior ou menor, fazem de sua maternidade e paternidade pantomima. Sabemos pouco sobre como nossas crianças foram concebidas. Do primeiro, disseram que a mãe era migrante em busca da realização da esperança em São Paulo. Dias melhores para ela e para os filhos que devem ter ficado com parentes próximos. Não deu certo. Respeitou, contudo, a vida do pequenino que a acompanhara em suas entranhas na viagem ou se fizera presença em território estranho. Deu-lhe um nome, nome de apóstolo. Esteve com ele poucos dias e o deixou no hospital para ser embalado em outros colos. Deve ser de resistente nos sofrimentos, mas tenho certeza de que chorou interiormente. O menino que confiou a Deus e Ele à minha cunhada e meu irmão, como também ao nosso coração, é de contentamento e sentimentos bons. Um dia desses, minha amiga Miralice Maria Moreira comentou, quando lhe falava sobre a felicidade que o menino demonstra ter, que, por certo, a mãe não o rejeitou e pôs, no coração dele, a alegria de viver. Achei tão bonito o que ela concluiu e penso que seja exatamente assim. A menina chegou faz menos de um mês. Três meses apenas de diferença de idade do nosso menino. Percebe-se que ela carrega, ainda, dos desencontros da família natural, que lhe marcaram o corpo com hematomas, e do estado de transição no abrigo, onde deve ter ficado por uns dois anos, algumas dores que o amor curará.

Essa história, que Deus faz conosco, por razões que não compreendemos, mas que sem dúvida são para o nosso bem, pois pertencem à Sabedoria dEle, fazem-me recordar a esterilidade de Sara, de Isabel de Zacarias, até que lhes chegou, através do Anjo, a boa notícia. Deduzo que nenhuma pessoa é infecunda se abrir os ouvidos para o anúncio dos enviados de Deus. Somos todos capazes, pela misericórdia do Senhor, de uma geração iluminada e mais numerosa que as estrelas do céu.

Não foi possível ao nosso menino e à nossa menina um berço do próprio sangue, por isso os acalentamos, por um desígnio amoroso do Pai, no côncavo de nossa alma.

 

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE É coordenadora diocesana da Pastoral da Mulher e autora de “Nos Varais do Mundo/ Submundo” –Edições Loyola



publicado por Luso-brasileiro às 12:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links