PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 25 de Julho de 2010
HUMBERTO PINHO DA SILVA - OS PORTUGUESES NO BRASIL NO ÚLTIMO QUARTEL DO SÉC. XlX

                     

 

 

Nas últimas décadas do século XIX, o escritor Silva Pinto fez uma viagem ao Rio de Janeiro. De tudo que viu, ouviu e sentiu, narrou numa obra que intitulou: “ No Brasil”.

Este curioso livro, hoje raríssimo, é precioso documento histórico, imprescindível para se avaliar o que foi a vida da maioria dos emigrantes portugueses, no final do século XIX, em terras brasileiras.

Sem mais preambulo, translado trechos, que julgo serem bastantes, para se ajuizar as afrontas que sofreram os que partiram em busca de melhor vida:

 

“Rio de Janeiro”; no cais. Um catroeiro português, algarvio, ofereceu-me o seu bote. Perdeu a vivacidade, a alegria dos filhos da sua província. Interrogo-o. Partiu há doze anos de Portugal em busca de fortuna; encontrou a moléstia, a carestia da alimentação, os maus-tratos, o ódio furioso do brasileiro. - “Tenho na terra mulher e três filhos…devo tê-los: não lhes escrevo, nem eles a mim; para voltar à pátria mais pobre do que vim, quero antes não a tornar a vê-la”. Conduz-me a bordo do paquete. - “O senhor é feliz vai ver os seus, vai ver Portugal. Conte aos desgraçados da minha classe o que por cá viu…” 

 

“ Excursão ao Bota-fogo. O condutor do bond (carro americano) olha-me com fixidez. Interrogo-o. É filho de Lisboa; reconhecera um patrício; veio de Portugal há seis anos para o comércio; inteligente e activo, notou breve que o primeiro de tais predicados era um título ao desfavor do patrão. Viu-se preterido, governado, insultado por um analfabeto, selvagem que vive em relações singulares com o dono do estabelecimento: uma espécie de Gonymedes que tem no Brasil rebentos de espécies várias. Saiu do comércio para os carros americanos; uma parte do salário é-lhe descontada em multas arbitrárias. Tem dias de profunda miséria. Não voltará a Portugal: envergonha-o a sua desventura.”

 

“ Justiniano Nobre de Faria, um dos nossos actores dramáticos mais dignos de apreço, mercê de um carácter honesto a sobredourar-lhe os méritos artísticos – partiu há poucos anos para o Brasil; lidou com energia, mas pelo caminho recto, na conquista de uma situação feliz: gradualmente, de par com o desdém alheio e com o desespero próprio, desceu na escala social do Brasil ao mister de carregador. Foi ali que um patrício nosso o descobriu avergado ao peso do entulho nas obras de um salteador condecorado.”

 

“À perto de um ano, um nosso compatriota – o professor Franco - leva ao Brasil o método de leitura de João de Deus. Foram dois os portadores, cremos: ele e o Dr. Zeferino Cândido. Da sorte deste último não sabemos. Franco, homem trabalhador, honrado e inteligente, dedicado ao seu nobilíssimo intuito civilizador, só pedia aos cafres, em troca da luz que lhes levava, o pão de cada dia. Isso obteve: façamos justiça inteira ao hospitaleiro torrão. Franco faleceu no Rio, no passado mês de Março, legando aos seus um nome honrado – e duzentos reis brasileiros.”

 

A muito mais se refere o escritor Serpa Pinto: as declarações de Rafael Bordalo Pinheiro; os artigos de Gomes Percheiro, que narram acontecimentos ignominiosos no Pará e “ a propaganda feroz da imprensa daquela província, contra os nossos compatriotas”.

Por certo, muitos descendentes desses humildes emigrantes – alguns bem instalados e senhores de grossas fortunas, – desconhecem as viles torpezas que sofreram seus avós.

O que se disse da colónia portuguesa, por certo, poder-se-ia dizer da italiana. Felizmente tudo isso é passado.

 

HUMBERTO PINHO DA SILVA   -   Porto, Portugal

 



publicado por Luso-brasileiro às 17:42
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
arquivos

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links