PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 27 de Janeiro de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - " GENUS IRRITABILE VATUM "

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                     

Segundo o velho dito popular, a vaidade é um vício feminino. Nada mais injusto! Na realidade, os homens são tão vaidosos quanto as mulheres; e às vezes, até mais do que elas. A vaidade masculina costuma se revestir de formas diferentes das femininas, mas o vício é o mesmo, sem tirar nem pôr.

De modo especial são propensos à vaidade os escritores e poetas, que facilmente se irritam diante das críticas, até mesmo daquelas bem intencionadas e construtivas. Talvez por isso é que os clássicos cunharam a expressão "genus irritabile vatum" (o gênio irritadiço dos poetas). Conheci quando ainda era jovem, há quase 40 anos, um poetastro muito medíocre, muito sem inspiração, que compunha quadrinhas de pé quebrado. Seu apelido era "Batatinha", porque línguas maldosas diziam que ele havia conquistado o amor de sua futura esposa com uma serenata, no meio da qual declamou o seguinte "poema" de sua lavra: “Batatinha quando nasce / Esparrama pelo chão / Quando estou pensando em você, querida / Bate forte meu coração"... Era um homem extremamente amável e atencioso com as pessoas, educadíssimo em tudo... salvo quando alguém ousava criticar algum dos seus "poemas". Aí virava uma fera!

Numa célebre passagem em que comentou Pôncio Pilatos, o Padre Antônio Vieira aludiu à vaidade dos homens de letras: Pilatos sabia que Jesus Cristo era inocente, mas consentiu na sua condenação apenas porque não teve coragem de resistir às pressões dos que exigiam a morte do Nazareno. O caráter fraco de Pilatos fica muito patente nos Evangelhos. Era medroso, inseguro e influenciável. No entanto, quando mandou colocar no alto da Cruz a tabuleta com a inscrição "I.N.R.I." (Jesus Nazareno, Rei dos Judeus) e alguns judeus protestaram, pedindo que fosse substituída por outra que significasse "Jesus Nazareno, que se diz Rei dos Judeus", Pilatos não se dobrou. Com energia surpreendente, exclamou: "O que escrevi está escrito!". E a tabuleta ficou como estava.

Por que um homem tão pusilânime conseguiu de repente tomar uma atitude tão firme? Essa a pergunta que faz o Padre Vieira, e logo em seguida responde espirituosamente: porque Pilatos era vaidoso como os homens de letras, e não podia tolerar que alguém ousasse corrigir o que escrevera.

A vaidade dos escritores obriga os críticos a fazer, por vezes, verdadeiros prodígios de diplomacia para não ferirem as susceptibilidades dos escrevinhadores, especialmente quanto altamente colocados.

Conta–se que Luís XIV teve certa vez a fraqueza de "perpetrar" alguns versinhos, e foi mostrá–los a Boileau, perguntando o que achava deles. A resposta do implacável crítico ficou célebre:

– Sire, nada é impossível para Vossa Majestade. Quis fazer maus versos e, como em tudo o que se digna fazer, foi muito bem sucedido.

Aqui no Brasil, também se contava que o Imperador D. Pedro II escreveu uns versos e foi mostrá-los a Carlos de Laet:

- Que acha dos meus versos, "seu" Laet?

- Bons, muito bons... Mas Vossa Majestade poderia fazer coisa melhor!

Mais galante - mas igualmente cruel - foi a resposta de Monteiro Lobato a uma jovenzinha que lhe declamava seus versos:

– Até versos ruins ficam bonitos quando você os declama!

Outro crítico, menos contundente que Boileau ou Laet, não encontrava o que elogiar no manuscrito que um pretensioso candidato à imortalidade lhe exibia, sôfrego por receber um elogio. Só encontrou uma saída:

– Que bonita letra é a sua!

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:05
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links