PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - TERRITÓRIOS PSICOLÓGICOS EM SALAS DE AULA

                  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Existe uma tendência natural para que os grupos humanos - e até mesmo as pessoas individuais - assentem seu domínio sobre uma área física. Pode ser território nacional, um Estado propriamente dito, como também pode ser um clube, um sítio de fim de semana, uma casa, um escritório, um “espaço gourmet”, até mesmo um mero “cantinho” dentro de casa... Mas é sempre um lugar, físico, concreto, que constitui um “território” psicológico do grupo ou da pessoa, conferindo uma agradável sensação de soberania, de plenitude de liberdade, de autossuficiência e segurança.

Lembro de ter lido, na obra clássica “A cidade antiga”, de Fustel de Coulanges, que quando um grego saía de sua terra natal e embarcava rumo a qualquer outro ponto da bacia do Mediterrâneo, para fundar novas colônias da “Magna Grécia”, costumava levar um vasinho com terra do seu local de origem, para enterrá-lo nos fundamentos da nova cidade que iria edificar alhures. Simbolicamente, a terra do local de origem continha as cinzas dos seus antepassados; levar um pouco daquela terra significava estender até o novo lar a mesma continuidade com seu passado ancestral.

Sou de família portuguesa, muito tradicional e observante dos nossos costumes ancestrais em tudo, até mesmo na alimentação. Éramos camponeses do Norte de Portugal transplantados para São Paulo... Nossa casa era, psicologicamente falando, “território português”. Cheguei a conhecer a aldeia em que meu pai nasceu em 1913, há mais de um século. Cheguei a conversar com uma velhinha que, quando menina, meu pai carregou no colo... Tenho em casa uma miniatura, feita de barro, da casinha de pedra em que, durante mais de 300 anos, morou nossa família. Foi-me enviada por uma prima que ainda tem casa ao lado da nossa aldeia. Coloquei essa miniatura dentro de uma armação de vidro, no meu apartamento. Dentro da miniatura, instalei um vasinho com um pouco de terra que trouxe da aldeia. Fiz exatamente o mesmo que faziam os gregos da Antiguidade. Minhas duas irmãs têm, em seus apartamentos, miniaturas iguais, também mandadas pela nossa prima. Algo do nosso “território psicológico” está simbolizado e marca presença nesses objetos.

Convivi muito, desde a infância, com realidades culturais diferentes de colegas e amigos que tinham, igualmente, seus “territórios”, com costumes próprios que faziam lei e todos, nas respectivas comunidades, observavam. Convivi com famílias italianas, de regiões diferentes da Itália. Os “baresi”, provenientes de Bari, no extremo Sul da Itália (com os quais se aparenta meu bom amigo e colega João Umberto Nassif), eram completamente diferentes dos napolitanos, dos romanos ou dos vênetos, na comida, nos costumes, na fala, até mesmo na filosofia de vida. Convivi muito com um tio por afinidade, florentino, da região Centro-Norte da Itália, completamente diferente de todos os demais italianos.

Tive colegas sírios e frequentei muito suas casas, seus ambientes e seus clubes. Entrei dentro de sua cultura, de seu modo de ser, e cheguei a sentir profundas afinidades com eles, que viviam em um ambiente tão diferente do meu. Até hoje, a comida árabe é uma das minhas prediletas. Também os sírio-libaneses tinham seus “territórios” e exigiam respeito. Igualmente convivi com judeus, com japoneses, com gregos e com alemães. Todos com os seus costumes, suas regras de conduta, seus “territórios”.

Compreender e saber respeitar essa legítima variedade é indispensável para um professor. Cada aluno, numa sala de aula, traz consigo uma bagagem cultural que, ainda que subconscientemente, constitui seu “território” próprio. Constitui gravíssima ofensa ultrapassar os limites da individualidade. Isso é regra básica do convívio social e, para um professor, é obrigação sacratíssima, tanto mais que, pela diferença de condições e de idades, o aluno se sente como “parte mais fraca” nesse relacionamento. Se não tiver muito senso, facilmente o docente pode fazer, em relação ao discente, uma violência terrível, sem se dar conta disso.

Já tenho visto professores zombarem abusivamente e sem qualquer direito, das crenças religiosas de alunos. Isso é inadmissível. Pode-se não concordar, mas é preciso respeitar. O mundo das crenças faz parte do “território” soberano e inviolável do outro.

Para um professor, é muito importante tentar entender cada aluno, nas suas peculiaridades, nas suas idiossincrasias, nas suas crenças, nos seus critérios valorativos. É preciso intuir - no sentido etimológico do termo, ou seja, entrar dentro de - o interior de cada um, com respeito, com real vontade de compreender e ajudar. Muitas vezes, isso é difícil, mas quando um docente consegue adquirir o costume de proceder assim, tesouros surpreendentes se revelam a cada momento. É por isso que sempre digo que numa sala de aula os bons professores aprendem muito mais do que ensinam.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.



publicado por Luso-brasileiro às 17:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links