PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 17 de Março de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - PENSAMENTOS POLITICAMENTE INCORRECTOS e MAIS ALGUNS PENSAMENTOS POLITICAMENTE INCORRETOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            

 

 

Encontrei no meu computador um velho arquivo, no qual há muito não mexia. Trata-se de uma coleção de reflexões humorísticas politicamente incorretas, que fui elaborando e anotando ao longo dos anos, à medida que me vinham ideias à cabeça. Nem tudo é publicável, obviamente... Mas aqui vão algumas amostras:

* As formas de governo são três, monarquia, aristocracia e demagogia barata. Esta última, de barata só tem o nome, porque normalmente é a que sai mais cara para os contribuintes.

* Democracia é o regime em que a metade mais um tem o direito de livremente oprimir a metade menos um durante um tempo pré-determinado que quase sempre se consegue um jeitinho de espichar.

* A falsa democracia é a mais cruel forma de ditadura: é a ditadura do número sobre a qualidade.

* É preciso respeitar todas as culturas? Tudo bem, mas também as faltas de cultura?

* O pior da ditadura não é o fato de oprimir o povo inteiro, mas é oprimir a pequeníssima minoria dos que realmente pensam e, portanto, são de fato livres. Só esses sofrem com a opressão. O resto nem sente.

* Em igualdade de condições homens e mulheres são completamente diferentes. Ainda bem!

* Segundo influentes políticos de várias regiões do Brasil, a grande injustiça da seca do Nordeste é que só os políticos nordestinos podem se beneficiar dela.

* Escola pública é o local em que os analfabetos funcionais são produzidos em série pelos funcionários do analfabetismo.

* As escolas públicas só funcionarão bem quando todos os funcionários públicos (desde o presidente da república até o mais modesto dos servidores municipais) forem forçados, por lei, a só matricular em escolas públicas seus filhos, netos, bisnetos e tataranetos, legítimos e ilegítimos, reconhecidos ou não... mas sem poder escolher “ilhas de excelência” do ensino público. Deveria ser obrigatório estudar na escola pública mais próxima da respectiva residência, seja ela qual for.

* O SUS só funcionará quando todos os governantes, desde o presidente da república até o mais modesto, assim como os seus parentes ascendentes, descendentes e colaterais, até à 99a. geração, forem obrigados a se tratar pelo SUS, ficando terminantemente proibida a utilização de quaisquer outros planos de saúde e a contratação de médicos, hospitais ou clínicas particulares sob pena de imediata e inapelável cassação de mandato e prisão perpétua com trabalhos forçados, bola de ferro no pé etc. etc. etc.

* O mal das medidas provisórias é que elas quase sempre se eternizam. E o mal das medidas excepcionais é que elas tendem a se tornar regra geral.

* A forma mais democrática de eleição é por sorteio. Se todos são iguais e ninguém é melhor do que ninguém, por que não sortear, entre todos os brasileiros, um presidente da república? A grande vantagem é que, de repente, seria sorteado alguém honesto.

* O voto não deveria ser secreto, mas apenas secreto pela metade. Deveria haver um jeito de cada eleitor poder comprovar em quem votou. E a escolha eleitoral deveria deixar de ser uma procuração irrevogável vigente por quatro anos. Deveria passar a ser revogável. Se um eleitor se desiludisse com seu candidato, por achar que não cumpriu suas promessas, poderia a qualquer momento poder anular o seu voto. O governante ou o parlamentar que, durante os quatro anos de seu mandato, perdesse eleitores desiludidos deveria, conforme o caso, ser deposto e dar lugar ao seguinte, na ordem da votação. Será que funcionaria?

* Num país monárquico, o poder é vitalício. Pela lógica, numa república decente ele não poderia se prolongar. Assim sendo, deveriam ser proibidas reeleições de qualquer espécie (nem de presidente, nem de governador, nem de prefeito, nem de senador, nem de deputado, nem de vereador, nem de síndico de prédio, nem de sogra). Qualquer cargo público, uma vez exercido num período de quatro anos, deveria incapacitar o seu titular para exercer qualquer outro cargo. O ex-qualquer-coisa deveria voltar, sem apelação, para o batente, para o trabalho duro. No máximo poderia incluir, no seu currículo, o cargo ou posto que exerceu, e nada mais.

* Proposta de alteração na lei de proteção ao consumidor: a cada vez que um fornecedor de qualquer natureza responda (por qualquer meio que seja) a uma queixa ou reclamação escrita com resposta padronizada genérica, sem entrar na análise dos pormenores e especificidades expostos pelo queixoso, entende-se a omissão como confissão de que tudo quanto foi afirmado na queixa e não contestado objetivamente na resposta é verdade. E ficam dobradas todas as penas, indenizações e multas cabíveis.

* Os bancos deveriam ser obrigados a pagar aos clientes, pelo saldo positivo de suas contas bancárias, um mínimo de 50% dos juros que cobram deles quando entram no cheque especial. Nada mais justo e equitativo, não é mesmo?

 

 

 

Mais alguns pensamentos politicamente incorretos

 

 

 

Prossigo o artigo anterior, transcrevendo mais alguns trechos do meu projeto de livro humorístico impublicável, com pensamentos politicamente bem incorretos:

* FHC declarou ser louco por uma boa buchada de bode. Compreende-se. Depois de tantos anos comendo em Paris o amargo caviar do exílio, devia estar mesmo querendo variar o menu...

* Deveria ser proibido arredondar preços de qualquer produto comercial para cima. Se alguém quer anunciar um produto por R$ 9,99, deve providenciar estoque suficiente de moedinhas de um centavo. Ou então arredondar para menos. Qualquer violação a essa lei deveria ser punida com extrema severidade. Deveria ser também proibido o troco com balinhas ou chicletes.

* Por que ninguém fala de instituir quotas para gordos(as) e feios(as), como artistas principais em filmes e telenovelas? Já não está na hora de acabar com as discriminações injustas de que são vítimas esses excluídos da moda?

* Por que os aviões cobram mais para os altos, que precisam de mais espaço entre as cadeiras? E por que não colocam cadeiras mais largas para os gordinhos e as suas congêneres femininas?

* Seria preciso ampliar urgentemente o vocabulário politicamente correto. Se anões são "prejudicados verticalmente" e cegos são "deficientes visuais", os gordos deveriam ser "beneficiados latitudinalmente" e os feios poderiam ser chamados "modelos de beleza atípica" ou "modelos esteticamente alternativos", os gagos poderiam ser chamados de “reiterativos silabares”, os paralíticos de “hiperestáveis”, os burros de “portadores de inteligência não espandida” etc. Aceitam-se sugestões para um futuro dicionário.

* Em monarquias, o poder é hereditário. Nas repúblicas coerentes, isso devia ser proibido. Por isso, filhos, netos e sobrinhos de eleitos deveriam ser inelegíveis. Alcançaríamos assim a autenticidade democrático-republicana, evitaríamos a praga dos políticos profissionais e, de quebra, liquidaríamos o nepotismo.

* O grande problema dos igualitários é que eles se julgam mais iguais que os outros e querem privilégios desiguais.

* Os governos existem, em princípio, para prestarem serviços ao povo. Se é assim, por que não aplicar ao governo a Lei de Proteção ao Consumidor, que vigora para todos os prestadores de serviço do país (menos governantes, funcionários públicos e banqueiros)? O ônus da prova não deveria caber sempre ao cidadão, mas ao órgão público. Isso em todos os níveis, desde a Receita Federal até o azulzinho que multa o motorista. A "otoridade" é que teria que provar que o particular andou mal, em vez de o cidadão honesto ser obrigado a provar que andou bem. Por que sempre se parte do princípio de que o Estado tem razão e o particular é suspeito? Não devia ser exatamente o contrário? A presunção não deveria ser em favor do particular, ao invés de ser em favor do Estado?

* Toda constituição tem cláusulas pétreas, "imexíveis", de pontos dogmáticos que não podem ser alterados. No caso das constituições republicanas, a cláusula pétrea antimonarquista só caiu na constituição atual, de 1988. Antes disso, institucionalmente era crime ser monarquista.
Na atual constituição, há clausulas pétreas, por exemplo, o famoso artigo 5, sobre os direitos fundamentais do homem. Ele pode ser aumentado, mas não pode ser objeto de nenhuma emenda restritiva. Isso é cláusula pétrea. Que tal uma cláusula pétrea constitucional proibindo qualquer mandatário político, em qualquer nível, de obter qualquer tratamento preferencial ou privilégio em função desse cargo? Por exemplo, todos os deputados seriam obrigados a usar serviços públicos de saúde, a matricularem seus filhos em escolas públicas, renunciariam, como condição para ser eleitos, a foros privilegiados, a prisões especiais, a esquemas de segurança pagos pelos cofres públicos etc. etc. Será que se houvesse uma cláusula pétrea dessas a Política não atrairia gente honesta e idealista?

* No regime monárquico havia uma classe privilegiada (a nobreza) da qual se exigiam responsabilidades especiais, como contrapartida pelo seu privilégio de não pagar impostos. Eram obrigados ao "imposto do sangue” (somente os nobres podiam ser recrutados para a guerra), não podiam exercer atividades comerciais (privilégio exclusivo da burguesia plebeia, que, em contrapartida, tinha que pagar impostos). Enfim, era um sistema desigual, mas equilibrado de direitos e deveres. Hoje, os políticos teoricamente são iguais a todos nós, mas na realidade são privilegiados que só têm direitos e prerrogativas, não têm deveres de espécie alguma. Antes os nobres tinham o dever moral de dar bom exemplo à sociedade. Nem sempre davam, mas quando não davam tinham vergonha de sua atitude. Hoje os políticos parece que têm o dever moral de dar mau exemplo e têm vergonha quando não conseguem exibir, em seus currículos, algumas fichas bem sujas...

 

 

 

 ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 17:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links