Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 4 de Maio de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - DIFICULDADES DE RÓNAI COM A LÍNGUA PORTUGUESA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

− “Às vezes me perguntam como aprendi o português. Respondo geralmente que não o aprendi e provavelmente nunca hei de aprendê-lo” − assim começa Paulo Rónai, modestamente, o seu ensaio, rendendo homenagem à riqueza excepcional e à extrema sutileza de nosso idioma. Em seguida, conta que, ainda jovem, lecionava Latim e Italiano numa escola secundária da capital magiar e frequentava um café onde se reuniam seus amigos linguistas, todos dedicados a línguas exóticas. Um estudava um dialeto de uma tribo perdida da Ásia, outro o de uma etnia da África, outro se dedicava a uma língua morta absolutamente desconhecida e assim por diante... Só ele, envergonhado, confessava saber Latim e se interessar por línguas neolatinas, conhecidas e nada exóticas.

Depois de remoer a humilhação, resolveu, por fim, procurar algo mais exótico, mais raro, que, naquele pequeno cenáculo de especialistas, lhe rendesse um pouco de prestígio. Desejava algum idioma extinto ou, pelo menos, falado por muito pouca gente, de preferência por uma meia-dúzia de pescadores analfabetos, em alguma ilha remota.

Procurou, procurou e nada achou. Começou, afinal, a estudar o português, mas como era língua viva e, ademais, falado por muita gente, confessa que teve vergonha de contar aos amigos. Foi quase secretamente que conseguiu um velho dicionário Português-Alemão e, auxiliado pelo Latim, pelo Italiano e pelo Francês que já dominava, foi adentrando a “última flor do Lácio, inculta e bela”.

Revela que, de início, a língua lhe pareceu demasiadamente fácil, tudo muito claro e sem obscuridades. Foi só ao aprofundar os estudos que as leves inclinações de terreno se revelaram serras escarpadas, que uma gramática aparentemente simples se complicou com numerosas exceções e tudo ficou difícil. Mas aí ele já estava apaixonado por nossa língua, e nada mais poderia impedir o romance e o verdadeiro casamento com ela, que realmente ocorreu.

As dificuldades eram numerosas. A letra x, por exemplo, correspondente a quatro ou cinco sons diferentes, era algo que não conseguia entender. Simplesmente inexistia, no húngaro, tal letra misteriosa. O excesso de vogais, que para nós, luso-brasileiros, é tão natural, era algo que o chocava. Sentia falta daquelas palavras para nós estranhas, com dez ou doze consoantes e apenas duas vogais perdidas pelo meio, como no húngaro ou nos idiomas eslavos. Procurava, mentalmente, explicar-se como a palavra lua pode ter vindo do latim luna, como pessoa pode provir de persona, como vetera pode ter confluído na nossa velha. Os sons anasalados do idioma português também constituíam barreira aparentemente intransponível para seus ouvidos e suas cordas vocais.

Os gêneros eram outro problema. Por que criança era palavra feminina, se designa indistintamente meninos e meninas? Qual a razão lógica dessa opção? Também a naturalidade com que nossa língua incorpora vocábulos de origem árabe, como por exemplo alfaiate, o surpreendia. Não seria mais normal que um alfaiate costurasse túnicas ou albornozes mouriscos, deixando para algum profissional que usasse uma designação mais próxima do sartor (costureiro, em latim), o corte de casacas e calças europeias?

Já palavras feias para nós, brasileiros, como horrendo e nefando, para o jovem Rónai sorriam amigavelmente e pareciam simpáticas, porque fiéis às suas raízes latinas. Também o infinitivo pessoal − que normalmente causa muita dificuldade aos estrangeiros que aprendem nossa língua − lhe pareceu familiar, porque o húngaro tem a rara peculiaridade de possuí-los, como nós.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOSé historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 21:05
link do post | comentar | favorito

Europa
mais sobre mim
Brasil
arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
Foz Coa
links