PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - THOMAS EDISON, HOMEM SÍMBOLO DE UMA ÉPOCA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                 

Pessoalmente, gosto muito de considerar as épocas históricas enquanto representadas por modelos humanos de homens símbolos característicos. É impossível falar da Antiguidade Clássica sem lembrar de Péricles ou do trio de grandes filósofos que plasmaram o pensamento grego e até hoje dão forma ao nosso pensamento ocidental: Sócrates, Platão e Aristóteles. É impossível falar do Renascimento sem imediatamente recordarmos as figuras de Maquiavel, de Lourenço de Médici ou de Leonardo da Vinci. Quando o assunto é Revolução Francesa, desde logo outro trio nos vem à mente, bastante sanguinário por sinal; refiro-me às figuras sinistras de Danton, Marat e Robespierre.

A vida de um homem-chave, bem estudada, ajuda a compreender melhor a sociedade e o tempo em que ele viveu. Longamente esteve proscrito, pela “inquisição” acadêmica do século XX, o gênero biográfico, considerado elitista e ultrapassado; privilegiou-se, a partir da famosa “École des Annales”, a história social, econômica, quantitativa. Por influência do marxismo, durante décadas se impôs esse modelo, com pequenas variações. Foi somente depois de entrada em cena da chamada “Terceira geração dos Annales”, que a pesquisa historiográfica se foi libertando das amarras e limitações do reducionismo economicista do marxismo e se abriu para a consideração dos aspectos culturais das sociedades do passado. O processo libertador das amarras do positivismo, iniciado em 1928 com Marc Bloch e Lucien Fèbvre, deu assim mais um passo – pois, queira-se ou não se queira, o marxismo não se distancia muito do velho, fossilizado e ridicularizado positivismo. Ambos surgiram no mesmo contexto histórico e cultural do século XIX e o que têm em comum é muito mais do que os separa. Voltarei a escrever sobre isso, que não constitui o tema central do artigo de hoje.

Falando do gênero biográfico, foram precisamente dois membros da “terceira geração” dos Annales, os medievalistas Jacques Le Goff (1924-2014) e Georges Duby (1919-1996), que relançaram a voga das biografias de grandes vultos históricos. Duby publicou, em 1984, a biografia de William Marshall (com nome afrancesado para Guillaume le Maréchal), cavaleiro inglês que galgou todos os graus da escala da nobreza cavalheiresca do século XII e chegou, mesmo sendo analfabeto, a regente da Inglaterra. E Le Goff deu a lume, em 1996, uma volumosa biografia do rei-cruzado São Luís IX, personagem altamente representativo do século XIII. Depois dessas publicações, o gênero biográfico voltou à “legalidade acadêmica”. Como as roupas, os cortes de cabelo, os automóveis e os produtos de consumo em geral, também os gêneros historiográficos têm seus modismos...

Um homem símbolo de sua época que gostaria de focalizar hoje não é medieval, mas bem mais recente. Falarei de Thomas Alva Edison (1847-1931), o conhecidíssimo inventor da lâmpada elétrica, que corresponde bem precisamente ao modelo humano de um inventor de excepcional talento, capaz de utilizar, em proveito do progresso tecnológico, as mais recentes descobertas nas áreas de diversas ciências. A esse título, foi um homem típico de seu tempo.

Mas não o foi somente a esse título. Também no momento em que a Revolução Industrial dava um verdadeiro “salto qualitativo” para a produção massiva, num ritmo e num estilo novo que se convencionou chamar fordista, Edison foi, ademais de cientista e inventor, um verdadeiro capitão de empresas. Fundou e dirigiu inúmeras delas, erigindo um verdadeiro império econômico que estendeu seus tentáculos por muitos países e constituiu uma das maiores fortunas do mundo. Também a esse título foi, sem dúvida, homem típico de seu tempo.
Edison não foi um “gênio isolado”, um pesquisador colocado numa espécie de torre de marfim, sem contato com seus semelhantes. Pelo contrário, recrutou, organizou e propulsionou uma equipe de trabalho muito grande, fazendo convergir para o mesmo fim os esforços de incontáveis cérebros. Muitos dos auxiliares diretos dele eram inventores que ficaram ofuscados pelo brilho maior de Edison, mas que poderiam por si sós, individualmente, se ter tornado famosos pelo seu talento pessoal.

Edison possuía uma capacidade de trabalho descomunal. É muito repetida, em livros dos mais diversos gêneros, uma frase atribuída a ele: "gênio é um por cento de inspiração e noventa e nove por cento de transpiração".

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História e da Academia Ptracicabana de Letras.

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:11
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links