PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 24 de Novembro de 2018
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - POUPAR EM PATACÕES: POR QUE NÃO ?

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

                  

 

Leio no noticiário de hoje que a infeliz Venezuela, vitimada pelo socialismo bolivariano, cortou mais 5 zeros de sua moeda, que passa a ser denominada “bolívar soberano”, para diferenciar do “bolivar forte”, que por sua vez desde 2008 possuía 3 zeros a menos que o velho “bolivar”.

Qualquer brasileiro de pouco mais de 60 anos de idade já conviveu, neste Brasil republicano, pelo menos com sete padrões monetários oficiais, sem falar nos paralelos: o velho cruzeiro, até 1965 (ainda chamado informalmente, pelos mais antigos, de “mil-réis”, de onde derivou a corruptela “merreca”, ainda em uso hoje); em seguida, o provisório cruzeiro novo, com 3 zeros a menos; depois, de novo o cruzeiro "tout court", até 1986, quando Sarney o podou em outros três zeros e o transformou no cruzado; este, por sua vez, seria novamente podado e rebatizado como cruzado novo em 1989; já no ano seguinte, 1990, por um novo avatar, o cruzado novo de novo se metamorfoseou no cruzeiro, que em 1993 se transformaria, com 3 zeros a menos, no “cruzeiro real”. Em 1994, com a dolarização da economia, entrou em cena a URV, que vigorou por alguns meses e se transmutou, ainda em 1994, no real, que começou valendo mais do que o dólar e hoje, vinte e quatro anos depois, vale menos que 30% da moeda norte-americana (apesar de esta também ter perdido valor, em termos efetivos, no mesmo período).

O que foi a inflação maluca do Brasil é algo difícil de conceber. No início do Plano Real, quando se sepultou a velha moeda republicana, o economista João Sayad celebrou: “Aqui jaz a moeda que acumulou, de julho de 1965 a junho de 1994, uma inflação de 1,1 quatrilhão por cento. Sim, inflação de 16 dígitos, em três décadas. Ou precisamente, um IGP-DI de 1.142.332.741.811.850%. Dá para decorar? Perdemos a noção disso porque realizamos quatro reformas monetárias no período e em cada uma delas deletamos três dígitos da moeda nacional. Um descarte de 12 dígitos no período. Caso único no mundo, desde a hiperinflação alemã dos anos 1920.” (Observações sobre o Plano Real. Est. Econ. São Paulo. Vol. 25, p. 7-24, 1995-96)

Desvalorizado ou não, fato é que o atual real já está durando há 24 anos... Para uma moeda da república brasileira, é um prodígio de longevidade. O preço que está custando essa longevidade é alto, é mesmo altíssimo para o contribuinte brasileiro. Recessão, desemprego, falências e concordatas em série, altíssimas taxas de juros...

Desde a década de 1960, incontáveis notas de formatos, cores e caras diferentes circularam por este Brasil. Apareciam, circulavam um pouco e iam perdendo rapidamente valor, corroídas pelo câncer implacável da inflação. Poucos anos ou poucos meses depois de lançadas, já estavam esquecidas, já eram desprezadas por todos, até mesmo pelos colecionadores, porque já eram velhas para serem usadas, mas ainda não eram antigas para serem guardadas.

Para os brasileiros da minha geração, acostumados a essa mutabilidade monetária, causa não pequena estranheza saber que a Áustria cunha ainda hoje moedas que há mais de 250 anos circulam ininterruptamente em muitos países do mundo.

De 1740 a 1780 reinou no Sacro Império a grande Maria Teresa, aquela que, por sua força moral, foi aclamada pela Dieta húngara não como Rainha, mas como Rei da Hungria. "Moriamur  pro  Rege  nostro  Maria  Theresia!" (morramos por nosso Rei Maria Teresa!) - bradaram os magiares na Dieta, quando Maria Teresa, atacada pelo rei Frederico II, da Prússia, foi conclamar os húngaros à defesa do Império ameaçado.

Em 1751, mandou ela cunhar um thaler, moeda com 23,4 gramas de prata, tendo numa face a efígie da soberana, e as armas dos Habsburgos na outra. Essa moeda, que inspiraria a criação do dólar norte-americano, estava destinada a ser a mais prestigiosa, difundida e durável das moedas. Entre os árabes e os povos da África, logo se tornou cotadíssima, passando a servir como espécie de moeda universal, por todos aceita e na qual todos confiavam. A tal ponto o prestígio da grande Imperatriz perdurou nos incontáveis thalers que circularam pelas areias do Saara, às margens do Mediterrâneo ou ao longo do Nilo, que ainda em meados do século XX prosseguia em circulação o velho thaler - ou pelo menos contrafações fiéis dele, com a Imperatriz, a águia bicéfala, os dísticos latinos e tudo mais...

Mussolini foi um dos mais notáveis falsificadores de thalers austríacos, mandando cunhar grande número deles "made in Italy" quando da invasão da Abissínia, em 1936. Na Abissínia, aliás, durante todo o reinado de Hailé Salassié, que se estendeu de 1930 até 1974, o thaler austríaco era quase moeda oficial. Os ingleses, durante a II Guerra Mundial, também precisaram cunhar a moeda teresiana para poderem comerciar com certas tribos africanas que não aceitavam libras esterlinas...

Ainda em nossos dias, tal continua sendo a procura do thaler, que a República austríaca decidiu, em 1989, voltar a cunhar thalers do Sacro Império! No ano de 1989, cerca de 3 milhões de thalers foram oficialmente cunhados pela Casa da Moeda da Áustria.

Não seria uma boa ideia o governo brasileiro cunhar e pôr em circulação os velhos e saudosos patacões de 2 mil réis, com a efígie de D. Pedro II, mas de prata autêntica? Por que não se experimenta?

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História e da Academia Ptracicabana de Letras.

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:28
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links