PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 21 de Março de 2019
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - A CURIOSA SOCIOLOGIA DOS NOMES PRÓPRIOS

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Segundo matéria divulgada pelo Jornal de Piracicaba, no último dia 30/12, no ano de 2018 os nomes mais frequentes usados nos registros de nascimento em todo o Estado de São Paulo foram Miguel, com 4718 registros, Arthur, com 4312, e Maria Eduarda, com 3779.

Concretamente em Piracicaba, em ordem decrescente, os nomes masculinos mais adotados foram: Miguel (73), Arthur (58), Gabriel (43), Heitor (42), Davi (40), Theo (35), Pedro (31), Lorenzo (28), Henrique (26) e Matheus (24); para o sexo feminino, os nomes mais usados foram: Helena (72), Alice (60), Laura (39), Valentina (35), Lívia (34), Sophia (32), Maria Clara (32), Lorena (32), Manuela (27) e Antonella (26).

A utilização de nomes compostos por dois elementos continua sendo muito comum. No Brasil inteiro, 28,3% dos registros (quase um terço) preferiram essa modalidade tradicional de dar nome aos filhos. Ainda no Brasil inteiro, registraram-se 3.027 variações para Maria, 2320 para Pedro, 1564 para Ana, 1488 para Enzo e 1260 para João.

Parece, a julgar por essas amostras, que de um modo geral voltaram a estar na moda nomes tradicionais luso-brasileiros, como também os bíblicos e os provenientes do classicismo greco-romano, com minoritária, mas significativa preferência por nomes italianos (Lorenzo, Antonella, Enzo) e uma também curiosa atração pelas belezas da ortografia etimológica clássica (Arthur, Theo, Sophia), em detrimento da  ortografia fonética oficializada para esses nomes.

Notei falta de Antônios e Antônias, Josés e Josefas (ou Josefinas), Luíses e Luísas, Carlos e Carlas (ou Carolinas), Paulos e Paulas, e tantos outros nomes... Os Rodrigos, de sonoridade medieval, que Érico Veríssimo relançou e que durante décadas estiveram no topo das preferências, igualmente parecem estar esquecidos. Armandos... sempre foram e continuarão sendo raros, muito raros... Em toda a minha vida, que me lembre não topei com mais do que seis ou sete xarás. A forma feminina Armanda, nunca a vi usada no Brasil ou em Portugal, talvez pelo fato de uma comédia de Molière ter ridicularizado para todo o sempre Armande, uma das pretensiosas “femmes savantes”, pedante e inimiga feroz do casamento. Curiosamente, também se chamava Armande e foi grande atriz a segunda esposa do próprio Molière...

Parecem estar em baixa, felizmente, nomes estrambóticos, como o de um famoso político que se chamava Onaireves (Severiano ao contrário), ou nomes claramente decorrentes de erros devidos a falta de cultura (Dêivide, Oílsson, Máiquel, Níquisson, Uóxington, Daiana, Lêidi etc.)

Do ponto de vista sociológico, reveste-se de grande interesse o estudo das preferências em matéria de onomástica. Em 1959, Gilberto Freyre publicou “Ordem e Progresso”, livro em que estuda a permanência do modelo patriarcal e agrário nas primeiras décadas do século XX, num Brasil que se tornava cada vez mais urbano e industrializado. O curioso da obra é a documentação primária que seu autor utilizou. Por volta de 1930, Freyre tinha mandado uma circular a perto de 1000 brasileiros nascidos entre 1850 e 1900, de todas as classes e condições (desde grandes políticos, intelectuais e fazendeiros, até pessoas pobres e modestas), fazendo uma série de perguntas sobre as duas ou três primeiras décadas que se sucederam à proclamação da república. Eram perguntas muito diversificadas, sobre ideologia, economia, política, costumes, religiosidade, costumes, sexualidade, visão dos problemas internacionais e nacionais, dicotomia monarquiaXrepública, visão de grandes homens (D. Pedro II, Santos-Dumont, Ruy Barbosa) etc. etc.

Freyre recebeu 183 respostas. Algumas eram sucintas e pontuais. Outras eram mais extensas, e algumas extensíssimas, pois seus autores, levados pelo dinamismo das recordações passadas por escrito, produziram verdadeiros livros de memórias extremamente ricos e interessantes.

Freyre guardou essa documentação preciosa durante quase três décadas, propositadamente, de modo que somente a utilizou em público quando a imensa maioria dos depoentes já havia falecido.

Gostaria de destacar, dessa obra, algo que é muito interessante do ponto de vista cultural: a escolha dos nomes para os filhos. Numerosas influências e não poucos modismos interferem nessa escolha tão importante e fundamental. Passo a transcrever o próprio Gilberto Freyre, a falar do “brasileiro médio” ou “brasileiro-síntese” do tempo focalizado em sua pesquisa:

"Era um ser que nascia em casa; e quase sempre sem que a mãe recebesse, ao pari-lo no lar patriarcal, outro socorro senão o da parteira ou o da 'curiosa', que se tornava comadre do casal. Já não estava muito em moda dar ao brasileirinho nome pomposamente clássico - Ulisses, Homero, Cícero, Horácio, Sólon, Aristóteles - mas romântico, de herói de novela ou mesmo de romancista ou de poeta atual ou exótico: Ceci, Peri, Graziela, Eurico, Milton, Victor Hugo, Paulo, Virgínia, Romeu, Julieta, Elvira, Evangelista, Edgar, Alfredo, Lamartine; ou, ainda, político ou cívico: Pedro de Alcântara, Garibaldi, Danton, Francisca, Washington, Lincoln, Franklin, Jefferson, Gladstone, Teresa Cristina, Isabel, Amélia, Gastão, Deodoro, Benjamin Constant, Ruy; ou piedoso, tomado a novas santas ou inspirado em nova devoções: Teresa, Luís Gonzaga, Vicente de Paulo, Maria de Lourdes, Maria do Carmo, Maria da Penha, Inocêncio, Pio. Havia, porém, rebeldes a essas convenções: pais talvez nietzschianos que davam aos filhos nomes rebarbativos: Nero, Napoleão, Júlio César, Átila. Um desses nietzschianos deu, no começo do século XX, a um dos filhos o nome de Lutero. Protestantes começaram a dar aos filhos nomes bíblicos ou de reformadores: inclusive Calvino. Os Positivistas, estes se esmeraram em dar aos filhos nomes inspirados na história 'científica' da Humanidade ou particular, da sua seita: Clotilde, Galileu, Paulo, Augusto, Newton" (op. cit., 3a. ed., José Olympio, Rio, 1974, 1º tomo, p. CLIV-CLV).

Recomendo vivamente a leitura dessa obra clássica, indispensável para a compreensão da evolução histórica do Brasil. Como recomendo também outra obra de grande importância, que é o “Dicionário Etimológico de Nomes e Sobrenomes”, do filólogo paranaense Rosário Farâni Mansur Guérios (5ª. ed., Artpress, São Paulo, 2004). É um trabalho único no seu gênero, profundíssimo e bem documentado, precedido de um pequeno ensaio sobre Onomástica, realmente notável.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS   -   Licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, da Academia Portuguesa da História e da Academia Piracicabana de Letra.

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:31
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links