PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - IMPROVISAÇÃO E PROCRASTINAÇÃO: DOIS VÍCIOS NACIONAIS

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

Uma das características do povo brasileiro é sua capacidade extremamente desenvolvida de improvisar, de encontrar rapidamente soluções hábeis para os problemas mais inesperados. É o famoso “jeitinho”, indissociável do modo de ser brasileiro. Acho que essa é, sem dúvida, uma qualidade positiva do nosso povo, se bem que tenha, também, uma contrapartida menos boa.

Precisamente porque consegue improvisar soluções para os problemas, o brasileiro não gosta de planejamentos e tem preguiça de fazê-los. Acha-os, ademais, supérfluos. Perder tempo  prevendo problemas lhe parece ocioso e contraproducente. Afinal, não é melhor poupar as energias para resolver o problema na “hora H”? O resultado é que, muitas vezes, não conseguimos evitar problemas que, com um pouquinho de previsão, poderiam ter sido evitados. A tragédia de Brumadinho, por exemplo, poderia não ter enlutado tantas famílias mineiras.

Quando um papa está começando a ficar velho e doente, os grandes jornais já costumam preparar as matérias que figurarão no seu obituário. Já de longa data estão elas prontas. Não só isso, também já têm preparadas as biografias completas dos principais “papáveis”, ou seja, dos cardeais mais cotados para suceder ao Pontífice reinante. Também as grandes editoras já encomendam, sigilosamente, a jornalistas ou escritores especialmente dedicados ao estudo dos assuntos eclesiásticos, livros com biografias dos principais “papáveis”. A editora arca com os custos da redação de livros que nunca serão editados… mas o lucro obtido com as vendas da biografia completa do novo papa, lançada logo na mesma semana da sua eleição, compensa largamente os gastos.

Grandes grupos econômicos europeus, quando se aproximam eleições particularmente decisivas para os rumos nacionais e de resultado incerto, já contratam equipes especializadas que, de modo sigiloso, fazem projeções econômicas na previsão das várias hipóteses de resultados das urnas, e já propõem medidas a serem adotadas em qualquer delas. Nunca deixam para resolver esses assuntos depois de apurados os votos.

Conta-se que em certa madrugada de julho de 1870, o Marechal von Moltke, comandante do exército prussiano, foi acordado por um oficial assistente, que lhe informou ter sido o território da Prússia invadido pelas tropas de Napoleão III, imperador dos franceses. O velho militar, imperturbável, recomendou ao assistente que fosse até seu gabinete e executasse imediatamente as medidas emergenciais que já estavam prontas para essa eventualidade. Estavam numa das gavetas de sua escrivaninha, em um envelope especial. Em seguida, despediu o assistente, virou-se para o outro lado e continuou calmamente a dormir. A Prússia, como se sabe, ganhou essa guerra.

Em 1940, quando as tropas nazistas invadiram o território francês por uma região onde jamais se esperaria um ataque, e em poucas semanas tomaram a cidade de Paris, o plano militar seguido pelos invasores tinha sido elaborado nos seus mínimos detalhes quase 100 anos antes, por um aluno da academia militar prussiana. Era um plano velho, mas, analisado pelo alto comando alemão, foi julgado perfeitamente atualizado e adequado. Deu certo, infelizmente. O mais incrível era que o alto comando alemão possuía dezenas de planos similares, muitos deles feitos por jovens alunos de academias militares, todos perfeitamente conservados e catalogados. Apenas foi preciso escolher um.

Esses planejamentos de longo prazo são desagradáveis ao espírito brasileiro, que prefere resolver na última hora, valendo-se da sua incrível criatividade improvisadora. Mas são indispensáveis para um trabalho sério.

Outro problema é o da procrastinação. Nós, brasileiros gostamos de deixar tudo para a última hora, Trata-se de defeito herdado de nossos maiores portugueses, pelo menos a julgar por Eça de Queiroz, que criticava sempre esse mau hábito dos seus compatriotas. “Procrastinare lusitanum est”, escreveu ele em “A ilustre casa de Ramires”, para explicar o porquê de Gonçalo Mendes Ramires, que havia prometido ao Castanheiro, seu antigo colega na Universidade de Coimbra, uma novela histórica sobre as glórias dos passados Ramires, sempre empurrava para mais adiante o início do trabalho.

A procrastinação, no fundo, é uma forma de preguiça. Os alemães, que por temperamento e hábito normalmente são o contrário disso, têm uns versinhos muito expressivos: “Morgen, morgen, nur nicht heute, / sagen alle faulen Leute”  (amanhã, amanhã, desde que não seja hoje, dizem todos os preguiçosos).

           Os ingleses, como os alemães, também têm muitos defeitos, mas geralmente não são  procrastinadores contumazes como nós. Traduziram, também em versinhos rimados, o mesmo pensamento: “Later, later, not today, / all the lazy people say” (mais tarde, mais tarde, mas não agora, dizem todas as pessoas preguiçosas).

No Brasil, temos um dito muito sábio, que contém a mesma filosofia de vida: “Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”. O espírito brincalhão do nosso povo logo fez uma adaptação a esse sábio conselho. Ficou assim: “Não deixes para amanhã o que podes fazer depois de amanhã”.

Faço em tempo, para evitar más interpretações, uma importante ressalva: quando, neste artigo, aponto qualidades ou defeitos de brasileiros, portugueses, alemães ou ingleses, falo das tendências gerais desses povos, não afirmo que não haja exceções... Também há alemães e ingleses procrastinadores e imprevidentes, como também há portugueses e brasileiros que não possuem esses defeitos e até são exemplo das virtudes opostas.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS   -    É licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.



publicado por Luso-brasileiro às 12:50
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links