PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 19 de Julho de 2019
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - FRAQUEZAS E QUEDAS MORAIS DO REI LEÃO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A obra de Raimundo Lúlio (1232-1316), estrela de primeiríssima grandeza da cultura e da língua catalã, venerado como Beato na Catalunha e também nas casas mantidas por religiosos franciscanos de todo o mundo. é muito extensa e diversificada. Escreveu mais de 250 obras, em latim, catalão ou árabe, em prosa e em verso, sobre Filosofia, Teologia, Ciências e Literatura. Sua cultura era verdadeiramente universal e enciclopédica.

Lúlio conhecia bem a vida de corte, porque frequentou a de Jaime I, rei de Aragão, e foi preceptor de um dos seus filhos. Uma curiosa alegoria da vida cortesã foi feita no opúsculo que escreveu, sob o título Llibre de les Bèsties. (RAIMUNDO LÚLIO. Livro das Bestas. Tradução de Ricardo da Costa e Grupo de Pesquisas Medievais da UFES I. São Paulo: Escala, 2006). Trata-se de uma curiosíssima alegoria em que descreve a corte do rei Leão, cercado de animais que representam e simbolizam os vários tipos de áulicos que gravitam nas cortes em torno dos soberanos. Os usos e abusos, os costumes e os vícios, até mesmo as fórmulas de tratamento e cortesia dos palácios reais são graciosamente atribuídos aos personagens figurantes. Nem a pessoa do soberano, com suas fraquezas e quedas morais (por exemplo, o adultério com a bela Dona Leoparda, a mulher do seu leal servidor Leopardo) é poupada. Todos têm seus vícios, suas fraquezas e suas idiossincrasias expostas de modo vivo, em um texto de leitura muito agradável.

A inveja, que tão assiduamente marca presença nas cortes dos grandes da terra, é claro que não podia estar ausente. O elefante conta, a certa altura, a Dona Raposa, uma história acontecida na sociedade dos humanos, de um monarca que tinha dois pajens, um dos quais invejava o outro e foi, por isso, castigado exemplarmente. Um deles, certo dia notou que no manto real, confeccionado com alvíssima seda, ousara pousar uma pulga; aproximou-se com respeito do monarca e, depois de ter pedido sua licença, livrou-o da incômoda companhia do inseto. O rei achou graça no episódio e recompensou o pajem com cem moedas. O outro pajem, com inveja do primeiro, quis repetir o feito e, de propósito, colocou sobre o manto real um enorme piolho, na esperança de que, sendo o piolho bem maior do que a pulga, a recompensa que receberia seria proporcionalmente maior. Mas o tiro lhe saiu pela culatra, pois quando mostrou ao rei o enorme piolho que estava sobre sua vestimenta, o rei se indignou por ele, pajem, ter sido tão desleixado a ponto de não ter antes tirado aquele bicho. E mandou dar-lhe cem chibatadas.

No mesmo opúsculo, são ainda narradas as consequências da inveja da Onça em relação ao Leopardo. Foram ambos os nobres felinos despachados como embaixadores, para visitar o rei dos homens. Levavam, como presentes do rei dos animais para o seu colega humano, o Cão e o Gato, dois animais que os homens muito apreciam. Na corte humana, depois de longa espera, afinal conseguiram os mensageiros ser admitidos à presença do rei, que os recebeu de modo desigual: “Quando os mensageiros estiveram diante do rei, ele honrou mais o Leopardo que a Onça, dirigindo-lhe um olhar mais prazeroso e fazendo-o sentar mais próximo de si que a Onça. A Onça teve inveja disso e ficou irada com o rei, porque acreditava que ele a devia honrar tanto ou mais que o Leopardo.” (op. cit, p. 70).

As consequências dessa inveja são expostas ao longo de vários capítulos. Enquanto estavam ausentes os dois embaixadores, Dona Raposa, que não gostava do Leopardo, insinuara-se junto ao rei Leão e lhe facilitara o acesso a Dona Leoparda. Encantado com a beleza da felina, o rei a tomou como amante, coisa que logo se espalhou nos mexericos da corte e acabou por chegar aos ouvidos do marido traído. Este, quando tomou conhecimento da traição que lhe fazia o soberano ao qual sempre servira com lealdade, indignou-se, acusou-o de traição e o desafiou para um duelo. Um rei, entretanto, somente poderia aceitar combate singular com outro rei, de modo que foi preciso que outro animal o representasse no duelo. Apresentou-se a Onça, movida pela inveja que desde o episódio da audiência com o rei dos homens a atormentava. Fez-se o combate, o Leopardo matou a Onça, mas ficou extenuado com o esforço da luta. Ao final, o rei, traiçoeiramente atacou o Leopardo, que já não teve forças para resistir e morreu. O Leão, porém, também se viu castigado pela vilania que cometera, pois perdeu a sabedoria e a sutileza de espírito, atributos próprios dos monarcas: “Depois de o Leão ter pecado e matado o Leopardo, não teve mais tanta sutileza nem engenho como tivera antes...” (p. 78).

Todos esses acontecimentos, narrados no mundo da alegoria, não podiam deixar de ser aplicados, no tempo em que foram escritos, a personagens reais, no duplo sentido do termo: reais porque realmente existentes e reais porque se referiam a reis de verdade.

A obra pode ter tido caráter pedagógico, como realça o texto introdutório da edição aqui utilizada, assinado por Esteve Jaulent: “Talvez a intenção inicial de Lúlio fosse escrever um manual para os príncipes, que resumisse as qualidades que o governante deve possuir, e as precauções que deve tomar, para exercer com sucesso o seu poder. As palavras com que o livro termina permitem esta suposição: Assim acaba o Livro das Bestas, que Félix levou ao Rei. A crítica concorda em que este Rei é Felipe IV da França, para que ele, olhando o que fazem os animais, visse como deve reinar e como pode guardar-se dos maus conselhos e dos homens falsos.” (op. cit., p. 12-13).

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS   -    É licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:20
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links