PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - IRONIAS DA HISTÓRIA

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Escrevo no dia 16, ainda sob o choque da notícia do terrível incêndio ocorrido ontem na Catedral de Notre-Dame. Sinto-me um pouquinho aliviado pelo fato de a destruição não ter sido total, como aconteceu há sete meses no Rio de Janeiro com o Palácio da Quinta da Boa Vista - onde em tempos melhores de nossa história habitaram os Imperadores D. Pedro I e D. Pedro II, e onde mais recentemente, a partir do considerável patrimônio arqueológico trazido de Nápoles pela Imperatriz D. Teresa Cristina, se instalara o Museu Nacional.

Graças à intervenção imediata e intensiva dos bombeiros parisienses, foi preservada a estrutura de pedra da catedral e (pormenor de grande alcance simbólico) foi preservada a lindíssima imagem de Nossa Senhora de Paris - verdadeira obra de arte que, independente do edifício, já por si valia uma ida à França somente para conhecê-la e venerá-la.

A comoção foi imensa, não só na França e na Europa, mas no mundo inteiro. Em poucas horas, contribuições que somam quase meio bilhão de euros foram ofertadas por pessoas ou entidades de muitos países, dispostas a colaborar para a reconstrução da catedral. Confesso que não me impressionaram as propaladas doações de grandes grupos econômicos, como o da grife Gucci, que ofereceu 100 milhões de euros, e o do seu rival Louis Vuiton, que não quis ficar atrás e logo declarou dar o dobro. O que me impressionaram foram as doações menores, de grande significado, verdadeiros “óbolos da viúva”. Por exemplo, o da cidade húngara de Szeged, que teve o lindo gesto de oferecer 10 mil euros, recordando, com gratidão, que no passado também fora beneficiada pela cidade de Paris: "Paris forneceu ajuda para reconstruir Szeged depois de sua grande inundação; agora Szeged ajuda Paris", informou comunicado oficial da municipalidade. Essa inundação ocorreu no dia 12 de março de 1879, quando o rio Tisza transbordou e, com a violência das suas águas, praticamente arrasou Szeged, destruindo a maior parte de suas casas e matando mais de 150 pessoas. Na ocasião, Paris, Viena e Londres coletaram fundos e enviaram ajuda para a cidade ser reconstruída. Agora, 140 anos depois, o gesto é retribuído com igual nobreza.

Não foi a primeira vez que a catedral parisiense, edificada em pleno Medievo há mais de 800 anos, esteve ameaçada de destruição.  Creio já ter comentado nesta coluna que, no final do Ancien Régime, a Idade Média estava tão desprestigiada que no conselho do Rei Luís XVI chegou a ser decidida a destruição da Catedral de Notre Dame, para no seu lugar ser erigido um novo templo, em estilo grego.

A magnífica catedral medieval envergonhava os franceses de fins do século XVIII, porque significava uma recordação dos tempos supostamente bárbaros, pouco cultos e tenebrosos da Idade Média. Se não tivesse ocorrido a Revolução Francesa, provavelmente não teria sido conservada, bem no coração de Paris, a catedral maravilhosa que até anteontem atraía turistas do mundo inteiro, mas teríamos, em seu lugar, uma postiça ampliação do Parthenon, uma extemporânea Madeleine aumentada em tamanho.

No início do século XIX, já na atmosfera do Romantismo, retornou o gosto pelo passado medieval. A Idade Média voltou a estar “na moda”. Começaram a proliferar romances como os de Walter Scott (Ivanhoe é o mais famoso deles), Victor Hugo (Notre Dame de Paris) e, um pouco mais tarde, Alexandre Herculano (Eurico o Presbítero, O Bobo, O Monge de Cister. Lendas e Narrativas). As óperas do século XIX deram, também, enorme realce a temas medievais. Na Arquitetura, revalorizou-se o gótico. Notre Dame não somente foi poupada, mas foi até concluída no século XIX, por Viollet-le-Duc, construtor de sua famosa agulha que antes não tinha chegado a ser completada. Precisamente a agulha que ontem todos vimos, em vídeo, ruir fragorosamente.

O presidente Emmanuel Macron declarou que é ponto de honra para a França de hoje restaurar do modo mais rápido possível a Catedral, e prometeu não poupar esforços e recursos para atingir esse objetivo.

Se realmente cumprir sua promessa, paradoxalmente terá sido salva pela república laica de hoje, herdeira e continuadora dos sanguinários revolucionários de 1789, a relíquia magnífica da França cristianíssima e monárquica de outrora, que se orgulhava de ser “a filha primogênita da Igreja” e igualmente se ufanava da longa série de reis “qui ont fait la France”. Ironias da História...

     

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras e professor da Unisul. Também é Membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.



publicado por Luso-brasileiro às 12:14
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links