PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 26 de Maio de 2022
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - AINDA SOBRE O MESOPOTÂMICO " REI DE JUSTIÇA"

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

Como vimos no artigo anterior, o direito babilônico antigo denotava clara preocupação no sentido de ser defendido o direito dos fracos e desprotegidos. Entendia-se como função do monarca ser o “rei de justiça”, o garantidor da manutenção do equilíbrio social quando ameaçado pelo maior poder econômico de uma das partes.

O famoso Código de Hamurabi incentivava que recorressem ao rei todos os desprotegidos, carentes de apoio seguro em suas necessidades: “Que o homem oprimido, que está implicado em um processo, venha diante de minha estátua de rei da justiça e leia atentamente minha estela escrita e ouça minhas palavras preciosas. Que minha estela resolva a sua questão, ele veja o seu direito, o seu coração se dilate!”

Competia ao monarca, como representante dos deuses e protetor do povo, zelar pela conservação dos campos, mantendo-os férteis e seguros, e igualmente irrigados de modo conveniente para serem garantidas boas e abundantes colheitas, sendo por isso responsável pela construção e preservação dos indispensáveis canais. Segundo o Prof. Marcelo Rede, da USP e da Universidade Federal Fluminense, o rei era “um fator de equilíbrio cósmico, atuando nas dimensões humanas e divinas da existência”. Ainda segundo ele, a atuação do monarca, para a preservação desse equilíbrio, dava-se, concretamente, por meio de seu decreto de mîsharum, “palavra que pode ser traduzida por justiça, mas que implica uma ação mais dirigida por parte do soberano, uma interferência ativa na vida social através de um decreto. É esse vocábulo que se encontra na origem de um epíteto real frequente: shar mîsharim, isto é, rei de justiça.”

Assim agindo, o monarca não promovia uma revolução social, nem alterava a ordenação social do reino. Tratava tão-só de corrigir pontualmente excessos geradores de perigosos desequilíbrios, com vistas à manutenção da ordem social e econômica vigente. Rede destaca que esses atos de reis babilônicos “não correspondiam a nenhum programa de reforma social profunda”, mas, muito pelo contrário, eles se revestiam de “um caráter conservador, de retorno à ordem estabelecida, momentaneamente conturbada, e de retomada dos parâmetros estáveis e seguros do passado”. E, muito acertadamente, aponta para o anacronismo de se quererem aplicar a uma realidade completamente diferente da nossa, os critérios da modernidade atual: “A noção de justiça social vinculada à monarquia mesopotâmica deve ser entendida em seus próprios termos históricos, e não a partir dos parâmetros modernos, que lhe seriam certamente anacrônicos.”

Rede estudou pormenorizadamente os numerosos decretos de mîsharum emitidos ao longo de séculos pelos monarcas da Babilônia, mas do mesmo modo estudou uma outra realidade mesopotâmica complementar. Os reis de Larsa, cidade-estado próxima e de situação socioeconômica muito parecida com a da Babilônia, também emitiam decretos periódicos do gênero da mîsharum; disso há notícia certa, embora não se tenham encontrado até hoje os textos de nenhum desses decretos; de Larsa, entretanto, foi preservada outra fonte documental preciosa, constituída por um grande conjunto de arquivos comerciais privados. Rede utilizou, como fonte primária básica para sua tese de doutorado, defendida na Sorbonne, em 2004, o arquivo privado de quatro gerações de membros da família Sanum, proprietários poderosos de Larsa que compravam terras de pessoas empobrecidas e conservaram seus registros.

 Numerosos outros estudos de Rede, sobre a Mesopotâmia, traçam um quadro comparativo entre os reinos de Larsa e da Babilônia, trabalhando com a analogia de situações. Por exemplo, em “Les vendeurs et la vente de biens immeubles en Babylonie Ancienne” (2010), o autor estuda detalhadamente numerosos casos de compra e vende de bens imóveis urbanos na antiga Babilônia, com enfoques estatísticos sobre os tipos de vendedores e compradores. E em “Decreto do Rei: por uma nova interpretação da ingerência do Palácio na economia babilônica antiga” (2006), focaliza mais as operações econômicas em si - o objeto das operações de compra e venda, os tipos das operações realizadas (distinguindo as motivadas por necessidade das decorrentes de meras atividades comerciais), as consequências dos decretos reais sobre cada um desses tipos de operações, os valores envolvidos etc. Neste último trabalho, Rede levanta a possibilidade de a mîsharum não constituir uma inovação babilônica, mas ser algo já aplicado em outros reinos da região.

É provável que, com o avanço dos estudos sobre a antiga Mesopotâmia, novos documentos sejam revelados e novas luzes se façam sobre o curiosíssimo instituto jurídico da mîsharum.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  -  é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História



publicado por Luso-brasileiro às 15:36
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links