PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - TRADUTORI, TRADITORI...

 

 

 

 

 

 

 

Costuma-se repetir, nas mais diversas circunstâncias, o famoso dito italiano “tradutori, traditori”, que significa que os tradutores são traidores. De fato, o exercício da tradução fiel é algo extremamente difícil. Com muita facilidade o pensamento original do autor é traído, inadvertidamente ou de caso pensado, por quem o traduz para outro idioma.

 

Tive ainda recentemente um exemplo de uma traição dessas, comparando dois textos – o original francês com a tradução brasileira – das memórias da Condessa de Paris, a neta mais velha da Princesa Isabel.

 

Leiamos primeiramente o texto brasileiro, na tradução de Vera Mourão, falando da Princesa Isabel e de seu esposo, o Conde d´Eu: “Sempre vi meus avós juntos, mas jamais os vi conversar ou discutir: moravam no mesmo apartamento, aparentavam ser bons amigos, mas na realidade quase não se sorriam”. (De todo Coração, Francisco Alves, 1983, p. 36)

 

Vejamos agora o texto da Condessa de Paris, no original: “J´ai toujours vu mes grands-parents ensemble, mais je ne les ai jamais entendus parler ou discuter entre eux; ils habitaient le même appartement, avaint l´air de deux bons amis mais ils ne riaiaient vraiment pas souvent” (Tout m´est bonheur, Robbert Laffont, Paris, 1978, p. 53)

 

Não pretendo julgar as intenções da tradutora, claro. Mas não posso deixar de afirmar que sua tradução é muito infiel, pois altera bastante o sentido do original, dando a errônea impressão de que a Princesa Isabel e o Conde d´Eu assumiam uma atitude externa (“aparentavam”, que não é bem exatamente o mesmo que “avaient l´air”, já que no português corrente o verbo aparentar tem uma conotação de fingimento) pública de amizade, mas a realidade é que só muito raramente trocavam sorrisos entre si. A leitura do texto traduzido induz o leitor a interpretar que o velho casal mantinha uma rotina, no seu matrimônio, um tanto sofrida. De público, os dois passavam a ideia de que estava tudo normal, mas na vida privada apenas se suportavam, tão desgastado estava o seu relacionamento, a ponto de quase nem sorrirem um para o outro...

 

Entretanto, qualquer pessoa que saiba um pouco de francês facilmente se dá conta de que a Condessa de Paris afirmou que seus avós riam pouco, não disse que eles, entre si, quase não se sorriam, como escreveu a tradutora brasileira.

 

Por outro lado, Vera Mourão traduziu “pas souvent” por raramente. Parece-me que ela foi um pouco além, na escolha desse advérbio, do significado de “pas souvent”. “Pas souvent” significa não frequentemente, significa que eles não tinham o hábito de rir muito. Não significa necessariamente que só raramente riam.

 

Também me chamou a atenção o advérbio “vraiment”, usado pela Condessa de Paris. Parece-me que esse advérbio pode ser interpretado de dois modos: 1) na verdade, eles não riam com com frequência. 2) eles não riam de verdade (ou seja, não riam de um riso franco e solto, quase gargalhando) com frequência.

 

Entendo que essas duas interpretações são possíveis, não saberia qual delas deve corresponder à intenção da Condessa, ao redigir seu texto. Lembro, por fim, que existe uma diferença muito grande entre rir e sorrir. O texto francês fala em rire, não fala em sourire, como entendeu a tradutora brasileira. Uma pessoa que nunca sorria é uma aberração da natureza humana... Mas uma pessoa que não tenha o hábito de rir, conforme as circunstâncias, conforme o contexto histórico, conforme a cultura prevalente na época e no ambiente, pode ser muito mais explicável. A Rainha da Inglaterra nunca foi fotografada rindo abertamente em público, mas seu sorriso é permanente, em todas as fotos. Os Papas, normalmente não riam em público, porque se entendia que era essa uma atitude não muito condizente com a dignidade papal. Isso não impediu que dois papas do mesmo século (Pio X e João XXIII, por coincidência ambos antigos Patriarcas de Veneza), houvessem por bem romper essa norma e dessem frequentes mostras de bom humor, mesmo em público. O bom humor espontâneo e contagiante até se tornou como que “marca registrada” dos dois.

 

Aqui ficam estas considerações, à maneira de exemplificação de como são, facilmente, traidores... até mesmo os melhores tradutores.

 

 

 

 

RMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS    -   é historiador, jornalista profissional e ex-diretor da Revista da Academia Piracicabana de Letras.

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:33
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links