PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - CRISTIANISMO E ANTROPOLOGIA

 

 

 

 

 

 

 

 

Gostaria de chamar a atenção dos leitores para o eminente papel que teve a Igreja Católica na compreensão da pessoa humana e, portanto, no embasamento teórico do que deve ser uma verdadeira ciência antropológica.

 

Entre os filósofos da Antiguidade, era comum a crença dualista de que, no ser humano, se digladiavam irremediavelmente dois princípios opostos, o corpo material e a alma espiritual.

 

Os primeiros teólogos e pensadores cristãos conheciam bem e tomaram em consideração o pensamento grego clássico, mas souberam rejeitar a dualidade corpoXespírito presente naquele pensamento. Já Santo Agostinho, rejeitando decididamente o dualismo dos maniqueus, o fez de modo muito claro, e em sua esteira seguiu a totalidade dos Padres da Igreja e dos autores cristãos em geral.

 

Mais tarde, São Tomás de Aquino, ao recuperar o que havia de melhor no ensinamento de Aristóteles, teve o cuidado de expurgá-lo de numerosos erros criteriológicos, entre os quais o dualismo.

 

Corpo e alma não se opõem, mas, juntos, integram um só ser, que é o homem, plenamente considerado. Corpo e alma só se separam - mórbida e transitoriamente - pela morte, que é um estado anormal, devido ao pecado. É uma separação mórbida, porque engendra a corrupção: sem estar informado (no sentido filosófico) pela alma, o corpo, pura matéria, rapidamente se desintegra e se faz pó. E é transitória, porque, de acordo com o dogma da Ressurreição da carne, no fim dos tempos corpos e almas voltarão a se reunir, para jamais se separarem por toda a eternidade. Depois do Juízo, tanto os justos, no Paraíso, quanto os pecadores, na Geena, terão para todo o sempre os corpos e as almas indissociavelmente unidos.

 

Isso é o que se depreende da famosa Teoria Hilemórfica (que trata de matéria e forma), a qual, juntamente com a noção de Ato e Potência, constitui a base da metafísica aristotélico-tomista.

 

Além de ter contribuído para a Antropologia pela rejeição categórica do dualismo e pela compreensão da integridade da pessoa humana, também a um outro título, de grande importância, a Igreja Católica assentou as bases para a intelecção da verdadeira Antropologia.

 

Na realidade, o Cristianismo foi a primeira religião de cunho mundial, que desde o seu início pretendeu atingir e conquistar toda a humanidade e, assim, inaugurou a ideia de que o gênero humano (entendido no sentido mais amplo, no espaço e no tempo) tem uma relação fraternal. É em Jesus Cristo que, pela primeira vez, a Humanidade pôde adquirir a noção de que constitui, toda ela, uma imensa fraternidade.

 

Até o aparecimento do Cristianismo, todas as religiões e todos os deuses eram nacionais. Mesmo entre os hebreus, a religião mosaica era entendida como algo nacional, e isso se consolidou de tal maneira que, entre os Apóstolos e os primeiros discípulos de Jesus Cristo, houve grande resistência psicológica à ideia de uma pregação aberta a todo o gênero humano, fora dos limites do Povo Eleito. Essa dificuldade, tema central subjacente aos debates ocorridos no Concílio de Jerusalém (ano 50 d.C.), fica bem patente pela leitura dos Atos dos Apóstolos.

 

Não havia, no passado, conflito religioso propriamente dito. Todos adoravam os deuses de sua nação e compreendiam que os outros adorassem os seus. Daí o caráter muitas vezes fragmentário, nacionalista e, também, relativista da religiosidade dos povos antigos. Daí, também, a dificuldade de os romanos entenderem os cristãos, não compreendendo porque estes teimavam em adorar a um Deus único e exclusivista, em vez de colocarem, como faziam todos, uma imagem da sua divindade no Panteão Romano, junto com todos os demais e, assim, se adequarem ao “stablishment” político-religioso do Império.

 

A noção de fraternidade universal (como decorrência de serem todos os homens filhos de um mesmo Deus e, assim de certa forma se irmanarem a Jesus Cristo, o Filho Unigênito de Deus) é fundamental para a compreensão da altíssima dignidade da pessoa humana.

 

Transcrevo a seguir um breve trecho do beneditino francês D. Próspero Guéranger (séc. XIX), no qual ele destaca um ponto muito importante para nós, historiadores: até mesmo a compreensão de uma história universal, no sentido maior, no sentido mais abrangente, somente se tornou possível a partir da ótica cristã. Antes disso, era fragmentária e, necessariamente, incompleta. Passo a transcrever:

 

"Os historiadores pagãos não tinham uma visão de conjunto dos acontecimentos humanos. Para eles, a ideia de pátria era tudo, de tal forma que, até no tom de narrar os fatos, nunca se nota que o narrador se sentisse tomado, ainda que de leve, pelo sentimento de afeto pela espécie humana em si mesma considerada. De fato, a história somente principiou a ser tratada em sentido abrangente e de síntese a partir do cristianismo. Por remeter continuamente o nosso pensamento para o destino sobrenatural do gênero humano, o cristianismo habituou o nosso espírito à visão universal das coisas, muito além de um nacionalismo egoístico. Foi em Jesus Cristo que a fraternidade humana se revelou; e foi a partir de Jesus Cristo que a história da humanidade, como um todo, passou a ser objeto de estudo" (Le sens chrétien de l' Histoire, Éditions d´Histoire et d´Art, Paris, 1945, pgs. 17-18).

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS   -   é historiador e jornalista, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por Luso-brasileiro às 10:42
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links