PAZ - Blogue luso-brasileiro
Terça-feira, 28 de Outubro de 2014
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - SOBRE A ILUSÃO (AUTO)BIOGRÁFICA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sobre o verdadeiro alcance a as limitações das biografias, Pierre Bourdieu escreveu um texto que se tornou clássico, intitulado “A ilusão biográfica”. Quanto a autobiografias e livros de memórias, por mais sinceros e completos que procurem ser, sempre terão algo de suspeito. Eles exprimem com veracidade os indivíduos que os escreveram, ou exprimem, mais bem, a imagem que esses indivíduos formaram de si e que pode não corresponder à realidade, mesmo admitindo que eles sejam absolutamente sinceros e honestos na seleção e exposição das suas reminiscências?

Pessoas que escrevem memórias com a intenção de deixar um monumento de suas vidas – seja por razões políticas, seja por razões familiares, seja por sentirem tão-somente a necessidade de extravasarem os sentimentos e deixarem consignadas, por escrito, suas experiências pessoais – até que ponto tais pessoas não exprimem, nas memórias, uma imagem auto-idealizada, que desejam fixar no papel e deixar para os pósteros?

Até que ponto uma “biografia-autorizada”, como tantos políticos, artistas e empresários hoje em dia gostam de patrocinar, é biografia no sentido pleno e corrente do termo? Não será ela uma ficção, uma projeção mais consciente ou menos, do personagem que a autoriza?

Em última análise, todas essas questões se relacionam com o problema da memória. O mecanismo da memória, no espírito humano, é sinuoso, é muitas vezes inexplicado e inexplicável para a própria pessoa que procura recordar seu passado. É um exercício que mexe muito a fundo com as paixões, com as emoções. Normalmente, nós nos lembramos bem daquilo que despertou em nós uma paixão muito profunda, favorável ou desfavorável. É difícil esquecer algo que nos agradou profundamente, como também não é fácil esquecer algo que nos magoou, que nos feriu, que nos fez sofrer muito.

Esquecemos facilmente, isso sim, as coisas indiferentes. As coisas que não nos marcaram emocionalmente vão sendo varridas da memória e lançadas à vala comum do esquecimento. Dir-se-ia – para recordar a velha e querida Antiguidade clássica – que todos nós tomamos, a respeito das coisas indiferentes, aquela água misteriosa do rio Lethes, o rio que separava o mundo presente do inferno mitológico. As almas dos mortos atravessavam esse rio, na barca de Caronte, e sentiam muita sede. Bebiam, então, para se aliviar, a água do próprio rio, e com isso se esqueciam do seu passado. Os mortos que bebiam água do Lethes ficavam, de acordo com a mitologia grega, vazios, seres sem memória. Seriam como HDs de nossos modernos computadores, que tivessem todo o seu conteúdo deletado e fossem, ademais, reformatados... Tornavam-se aptos a, pela metempsicose, reencarnarem em animais.

Pois bem, nossas vidas são cheias de fatos maiores ou menores que esquecemos... porque nos foram indiferentes. As águas seletivas do imaginário Lethes as varreram. Para nós, individual e subjetivamente, é como se nunca tivessem existido, é como se não fizessem parte da verdade.

Verdade... Essa é uma palavra que usamos a todo momento. Mas, que significa ela? “Quid est veritas?” Que é a verdade? Foi essa a pergunta que Pilatos fez a Jesus Cristo (Jo 18,38). Para os cristãos, Deus é a Verdade, Jesus Cristo é a Verdade. “Ego sum via, veritas et vita” – Eu sou o caminho, a verdade e a vida (Jo, 14,6).

Para os gregos antigos, verdade era outra coisa. Em grego, verdade era aletheia, ou seja, não-esquecimento, era o que não tinha sido apagado pela água do Lethes.

No trabalho de seleção subconsciente do que deve e não deve ser lembrado, do que deve e não deve ser esquecido, cada um de nós é senhor de si, sem dúvida, mas somente até certo ponto. Se fôssemos senhores absolutos da nossa seleção, jamais esqueceríamos algo que nos interessasse, todos os estudantes tirariam nota 10 em todas as provas e exames... E, bem ainda maior, conseguiríamos esquecer completamente fatos que nos traumatizaram, nos feriram, nos magoaram. Só lembraríamos das coisas boas, agradáveis e úteis, sem nos preocuparmos com más recordações, com as que nos fazem sofrer e condicionam nossa felicidade.

A realidade concreta é que cada um de nós se lembra de muita coisa boa e, também, de coisas menos boas, que sinceramente, no mais íntimo de nosso ser, preferiríamos esquecer. A seleção do que ficou, nós mesmos fazemos, ao longo da vida, no plano consciente e, mais ainda, no subconsciente.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  -   é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por Luso-brasileiro às 11:24
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links