PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 28 de Dezembro de 2014
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - RESISTÊNCIAS À NAVEGAÇÃO A VAPOR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Data de meados do século XVIII a invenção do motor a vapor, pelo escocês James Watt (1736-1819), mas somente em 1803 esse sistema foi aplicado com sucesso para mover embarcações. Deve-se ao norte-americano Robert Fulton (1765-1815) a invenção do primeiro barco a vapor, que navegou no rio Sena, na presença de cientistas membros do prestigioso “Institut de France”, os quais atestaram, assim, a paternidade e a veracidade do invento. Quatro anos depois, em 1807, o barco a vapor foi pela primeira vez utilizado comercialmente, pelo mesmo Fulton: seu barco Clermont inaugurou a primeira linha comercial regular de navegação a vapor, unindo as cidades de Nova York e Albany, pelo rio Hudson.

O sistema de Fulton, que foi usado durante muito tempo, consistia em mover, com a força do vapor, um conjunto de pás, dispostas numa roda, as quais giravam em torno de um eixo e, em contato com a água, propeliam a embarcação para adiante. O princípio de propulsão, em essência, não diferia muito dos antigos remos, apenas variando a força utilizada, que não mais era dos braços humanos, mas passava a ser a do vapor.

Fulton chegou a projetar um submarino e um navio de guerra. Seu sistema parecia muito prático, pois possibilitaria que os barcos se movessem por si mesmos, sem ficar na dependência dos ventos.

No entanto, não foi fácil a aceitação do novo sistema. Os maiores opositores da navegação a vapor foram os ingleses. Ao longo de boa parte do século XIX, conviveram e disputaram a supremacia dos mares os dois sistemas de navegação, o dos tradicionais veleiros, e o novo, dos vapores. Somente no final do século os vapores assumiriam a hegemonia dos mares, e os veleiros cada vez mais passariam a se tornar raros.

De início, foram as dificuldades decorrentes das limitações tecnológicas (e também logísticas) que dificultaram a adoção do vapor como meio de propulsão das Marinhas do mundo inteiro. Ainda eram precárias e pouco confiáveis as primeiras embarcações movidas a vapor. O reabastecimento delas não era fácil, pois não se dispunha de muitos locais adequados para tal, nos mares do mundo todo. O combustível pesava e ocupava espaço, diminuindo a capacidade de estocar água, mantimentos e munições, de modo que a autonomia das embarcações ficava diminuída. Parecia muito mais prático e confiável fazer o que sempre se fizera desde a Antiguidade, ou seja, confiar no vento, o mais barato, leve e eficiente dos “combustíveis”.

No caso da Inglaterra, havia ainda uma dificuldade de caráter político. A marinha britânica (tanto a de guerra, quanto a mercante) era a primeira do mundo, e sempre fora movida a velas. Era uma posição hegemônica, arduamente conquistada, desde o século XVI, era incontestada e parecia inabalável. Nem o grande Napoleão conseguira sequer ameaçá-la seriamente... Por que, então, comprometer essa tão segura posição de hegemonia mundial, em busca de uma mudança no sistema de propulsão, com resultados incertos? Do ponto de vista político, isso parecia uma loucura.

Foi só pouco a pouco que o novo sistema se impôs. Franceses e norte-americanos saíram à frente, obtendo melhoramentos técnicos que corrigiram as limitações dos primeiros vapores. Os ingleses não podiam ficar para trás. Pragmáticos e acima de tudo práticos, adaptaram-se. Conseguiram modificar seu poderio naval, e mantiveram nos mares sua supremacia, no espírito do hino “Rule, Britannia”.

Foi assim durante algumas gerações... até que os norte-americanos lhes passaram à dianteira!

 

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por Luso-brasileiro às 22:01
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links