PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2015
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - A REVOLTA DA CHIBATA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quem assistiu ao clássico do cinema soviético “O Couraçado Potemkin” pode fazer uma ideia do que foi a Revolta da Chibata e das repercussões que ela produziu no Brasil de 1910.

A revolta dos marinheiros do Potemkin, que mais tarde foi idealizada e instrumentalizada pela propaganda comunista, deu-se em 1905, na fase final do regime tzarista, 12 anos antes de os bolchevistas subirem ao poder na Rússia. Ela repercutiu em todo o mundo, onde se notava uma fermentação revolucionária que, em surdina, minava profundamente a ordem e a estabilidade aparentes da chamada “Belle Époque”.

No Brasil, no final de 1910, estava assumindo a Presidência da República o Marechal Hermes da Fonseca, filho de outro General Hermes (que comandava as tropas do Império na Bahia, quando do 15 de Novembro) e sobrinho de Deodoro da Fonseca. O Presidente Hermes teve um governo sui generis, inaugurando uma política nova em relação aos monarquistas que, até então, tinham estado alijados completamente da vida pública e colocados à margem da representação política, bordejando a ilegalidade. Hermes, julgando a República consolidada, deixou de praticar uma política de inspiração positivista e jacobina; atraiu para seu governo os apoios de líderes monarquistas que, mesmo fora da política, conservavam grande influência social e capacidade de trabalho; convidou, por exemplo, o Cons. João Alfredo Corrêa de Oliveira, antigo presidente do Conselho de Ministros do Império, para assumir a direção do Banco do Brasil; restituiu ao “Instituto Nacional de Educação Secundária” seu tradicional nome de Colégio Pedro II, que tinha sido mudado pelos republicanos da primeira hora; readmitiu antigos professores desse Colégio, concursados ainda no Império, que tinham sido despedidos sumariamente pelo Governo Provisório de 1889, como foi o caso de Carlos de Laet, o qual não apenas retomou seu cargo como professor, mas foi convidado pelo Presidente a assumir a direção do Colégio Pedro II. E, fato simbólico muito expressivo, Hermes deslocou-se até Petrópolis, para homenagear a memória de D. Pedro II, inaugurando uma estátua a ele dedicada.

Tudo isso mostrava o caráter conservador do novo governo, embalado numa situação econômica que parecia bastante promissora, com o café, o principal produto brasileiro, gozando de ótima cotação no mercado internacional. Os sucessos que nossa diplomacia tinha obtido nos anos anteriores, graças aos esforços inteligentes do Barão do Rio Branco, contribuíam poderosamente para dar, ao conjunto da vida pública brasileira, um ar de solidez, estabilidade e poderio invejáveis.

Foi nesse contexto que a ordem social foi profundamente abalada pela Revolta da Chibata.

Ainda não está inteiramente publicada a documentação a respeito, mas segundo parece, ela foi longamente tramada e preparada nas entranhas da nossa Armada, por meio de sociedades secretas existentes entre os marinheiros e praças. Era uma luta de caráter social, revestindo-se de um espírito de insubordinação e revolta contra a oficialidade. O pretexto cômodo para a revolta foi a exigência da abolição dos castigos corporais, que eram previstos e praticados pelas Forças Armadas de todo o mundo desde, pelo menos, os famosos regimentos do Conde de Lippe, no século XVIII.

Considerando nossa cultura atual e a mentalidade que hoje prevalece no Ocidente, a prática de castigos corporais parece-nos algo profundamente degradante, aviltante e atentatório da dignidade humana. Mas não era bem assim que a cultura da época a considerava, já que até em colégios da aristocracia britânica, como aquele em que estudou, por exemplo, o jovem Winston Churchill, surrar alunos era prática usual e até corriqueira. Fazia parte da pedagogia aceita e praticada no tempo. Tempora mutantur...

De qualquer forma, o uso e, sobretudo, o abuso da chibata deu pretexto cômodo para o movimento revolucionário, que eclodiu em vários navios da Armada ancorados na Baía de Guanabara, na noite de 22/11/1910, prolongando-se por 5 dias. O chefe aparente dos aproximadamente 2400 marinheiros revoltados foi João Cândido Felisberto, líder que, segundo consta, de longa data tramava o levante. A reação de alguns oficiais provocou suas mortes e deu, desde logo, ao movimento um caráter de violência que, ao que parece, não estava na intenção inicial dos seus organizadores. Também muitos marinheiros, de diversos navios de guerra, se recusaram a aderir ao movimento, que acabou reduzido a 5 ou 6 navios de guerra, que ameaçaram desde logo bombardear a capital, caso não fosse imediatamente abolida a chibata e não fossem anistiados todos os atos revoltosos.

Seguiram-se 5 dias de muita tensão e nervosismo. O Governo federal cedeu aos revoltosos, aceitando suas exigências, mas exigindo que fossem desarmados. Na confusão, houve os resistentes, o que deu pretexto cômodo, ao Governo, para revogar a anistia que tinha dado a contragosto e proceder com extremo rigor, até mesmo com brutalidade excessiva, em relação aos revoltosos. É muito difícil, à distância e sem conhecer toda a documentação da época, formular juízos de valor no caso. A tentação para carimbar os circunstantes como “mocinhos” ou “bandidos”, de acordo com nossas preferências e simpatias ideológicas, é muito grande. Mas, ensina-nos a História, julgamentos desses nem sempre são possíveis, e quando o são somente devem ser formulados, de acordo com a fórmula latina, “sine ira ac studeo” (sem rancor e com muito cuidado).

Houve um número elevado de revoltosos, talvez uns 200, mortos. Cerca de 2000 marinheiros foram expulsos da Marinha. João Cândido foi preso, como louco e indigente, mas mais tarde foi absolvido em corte marcial. Quase 100 anos depois, foi reintegrado com honras, post mortem, à Marinha.

 

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.



publicado por Luso-brasileiro às 11:25
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links