PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 20 de Novembro de 2016
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - AINDA A RESPEITO DE MONTAIGNE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tratei criticamente, em meu último artigo, do Renascimento, período em que ocorreu progresso de vários pontos de vista, mas que teve o grave inconveniente de trazer consigo vírus e germes nefastos, que produziriam maus efeitos em série, nos séculos seguintes.

Gostaria de focalizar agora a figura de um filósofo francês que viveu num tempo em que o entusiasmo humanístico e antropocêntrico que caracterizou o Renascimento já havia decrescido muito. Já me referi a ele em artigos anteriores, nesta coluna. Trata-se de Michel de Montaigne (1533-1592), que é considerado o primeiro dos filósofos cepticistas, que questionaram o arcabouço ideológico erigido pelos entusiastas iniciais do Renascimento, mostrando uma inquietação intelectual e um desejo de sistematização que não deixava de ter certa analogia com o período final dos sofistas gregos, quando a desorientação geral dos espíritos por assim dizer tornou necessária a sistematização que seria proposta por Sócrates, Platão e Aristóteles e geralmente aceita.

Assim se exprime o Pe. Leonel Franca, em “Noções de Historia da Philosophia”( 2ª. ed., Rio, 1921, p. 99): “Anunciando a bancarrota da filosofia da Renascença, veio o cepticismo pôr termo a este período turbulento de transição. Como consequência das contradições de sistemas vacilantes e inconsistentes e prelúdio de uma nova era já o encontramos nos sofistas do primeiro período da filosofia grega. Os que na aurora dos tempos modernos mais refletem este estado mental de dúvida e ansiedade são: Miguel de Montaigne (...)”.

Na sua monumental “História de la Filosofía”, o Cardeal espanhol Zeferino González também apresenta Montaigne como o primeiro dos cépticos, e tece críticas a sua ética, que ele, naturalmente na perspectiva da Teologia Moral católica, considera imoral: “Com o pretexto de refutar todos os sistemas, para orientar-se unicamente pela razão na busca da verdade, Montaigne abalava as bases de toda a certeza e de toda a ciência; mais ainda, em casos de conflito entre a razão e as faculdades sensíveis, propende para o sensualismo. Seu cepticismo, que merece o nome de cepticismo sensualista, reúne ao mesmo tempo a dúvida no campo filosófico e o germe do indiferentismo no campo da moral” (op. cit., Paris: 1891, t. III, p. 140).

Montaigne, na verdade, era um agitador cultural, um discutidor, um questionador sistemático de tudo até então tido e havido como certo, no ambiente já cansado de Renascentismo em que vivia, no qual se havia usado e abusado da Razão humana sem que nada de novo e sólido se conseguisse alcançar. Confesso que não sei até que ponto ele, pessoalmente, concordava com tudo quanto escrevia. Eu me pergunto se ele não utilizava o estilo de chocar o leitor pelo inusitado de suas formulações e pelo enfrentamento do mais elementar senso comum, apenas para nele despertar reflexões críticas. O gênero literário que utilizou, em tom declamatório e atribuindo a personagens fictícios discursos ideológicos não necessariamente compartilhados pelo narrador, é muito frequente. O uso de formulações ou estilos ousados apenas para chocar e produzir determinado efeito também não é raro, nos últimos séculos. Usaram-no filósofos como Rousseau, Nietzsche e, em nossos dias, Foucault. E também artistas, como os primeiros que lançaram a Arte Moderna, provocantemente chocante, em contraposição aos excessos do estilo academicista anterior, e literatos modernos, que se opunham ao rebuscamento da forma, praticado pelos parnasianos e afins.

É nesse sentido de provocação cultural que sou tendente a interpretar a posição de Montaigne, quando contestou o alcance da razão humana e afirmou textualmente que “a ciência, da qual o homem tanto se orgulha, não propicia um conhecimento certo, pois seu instrumento principal, a razão abstrata, não tem maior valor que a imaginação”.

Igualmente era chocante, num século em que se endeusava a razão e em que os heróis de Plutarco eram inculcados, a todos os meninos, como modelos ideais a serem emulados e imitados, usar a análise dos predicados morais desses heróis justamente como meio de criticar a razão humana, apontando-os como fruto da vaidade do homem, que somente por possuir razão se julga superior aos animais... Hoje em dia, muitas das opiniões de Montaigne podem até afinar com o “politicamente correto” de hoje, mas naquele tempo eram por certo extremamente chocantes.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 



publicado por Luso-brasileiro às 19:30
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links