PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 20 de Maio de 2017
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - PROSA SESQUIPEDAL, TROPOS SAFADOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carlos Maximiliano Pimenta de Laet, o jornalista e polemista católico e monárquico, meu patrono no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, era terrível... Seus adversários o temiam porque era mestre na arte de esgrimir argumentos. Desde a primeira polêmica que travou, sendo ainda bem jovem, com o já consagrado Camilo Castelo Branco, até a última, em que terçou armas com Jackson de Figueiredo, nunca resistiu à tentação de se meter numa boa polêmica. Argumentava com vigor e tinha um especial talento para colocar seus adversários em posição ridícula, atraindo para si as simpatias dos incontáveis leitores que gostavam de rir.

Laet não é nome francês e não se pronuncia à moda francesa, como geralmente se pensa, mas é nome holandês e deve ser pronunciado mais ou menos como La-â-te – segundo me explicou, certa ocasião, um erudito conhecedor desse idioma. De fato, Laet descendia remotamente de holandeses. Nasceu no Rio de Janeiro, em 1847, falecendo na mesma cidade, no ano de 1927. Fez seus estudos no Colégio Pedro II, onde se bacharelou em Letras, e depois cursou a Escola Central (atual Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro), nela se graduando como engenheiro.

Preferiu, entretanto, dedicar-se ao jornalismo e ao magistério. Desde 1873 lecionou no Colégio Pedro II, como Professor Catedrático de Português, Geografia e Aritmética. É curioso que três disciplinas tão díspares estivessem, na época, reunidas sob a alçada de um único docente.

No jornalismo, deixou milhares de artigos dispersos por jornais cariocas, muitos deles escritos sob pseudônimos variados. Publicou relativamente poucos livros em vida, mas sua obra, se reunida, encheria dezenas de volumes. Infelizmente a imensa maioria da produção intelectual de Laet ficou dispersa pela imprensa. Algumas coletâneas se fizeram, mas incompletas e insuficientes. Na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, pude compulsar a mais completa das coleções de artigos de Laet existente, resultado, segundo me informaram, da junção de três coleções privadas laboriosamente constituídas, as do Pe. Leopoldo Aires, de Mons. Deusdedit de Araújo e do Prof. Alexandre Correia.

Foi eleito deputado à Assembleia Geral, nas últimas eleições realizadas no Império, pelo Partido Liberal, mas não chegou a tomar posse. Já na República, foi demitido da condição de professor catedrático do Colégio Pedro II, por haver protestado contra a mudança do nome dessa escola. O Governo Provisório, pelo Decreto n° 9, de 21-11-1889, pretendeu denominá-lo "Instituto Nacional de Educação Secundária".

Laet era catedrático do Pedro II desde 1873, tendo prestado duas vezes concurso para essa função, e em ambas obtido o primeiro lugar. Mas somente em 1915, por decreto do Presidente Venceslau Brás, pôde retornar à atividade docente no Pedro II ─ que já então havia retomado o nome tradicional que conserva até hoje ─ e a partir de 1917 assumiu o cargo de Diretor do Colégio, até 1925, quando se aposentou. Era membro-fundador da Academia Brasileira de Letras e recebeu do Papa São Pio X, em 1913, o título de Conde, por seus méritos como ativo líder católico e Presidente do Círculo Católico da Mocidade.

Até morrer, em 1927, com 80 anos de idade, manteve-se fiel aos mesmos princípios religiosos e políticos, sendo muito temido pelos adversários do trono e do altar por sua polêmica cerrada e por seu fino humorismo. É precisamente o cunho humorístico dos seus escritos que pretendo focalizar neste artigo.

 

Laet, sendo adversário implacável dos modernismos literários, opôs-se desde o primeiro momento aos poetas futuristas. Certa ocasião, zombando de Graça Aranha, publicou o seguinte soneto em estilo modernista:

“Noite. Calor. Concerto nos telhados. / Cubos esferoidais. Gatas e gatos. / Vênus. Graças. Aranhas. Carrapatos. / Melindrosas. Poetas assanhados. /            Rabanetes azuis. Sóis encarnados. / Comida no alguidar. Cuspo nos pratos. / Três rondas a cavalo. Mil boatos. / Prosa sesquipedal. Tropos safados. / Avenida deserta. Bondes. Grama. / Chopes Fidalga. Leite. Pão-de-ló. / Carros de irrigação. Salpicos. Lama. /          Vacas magras. Esfinge. Triste. Só. / Tumor mole. São Paulo. Telegrama. / Dois secretas. Cubismo. Xilindró.”

O saboroso desse soneto está não só em ter imitado o estilo “futurista” de Graça Aranha, mas na alusão a um episódio ridículo que então todo o público conhecia: Graça Aranha, que estava envolvido numa conspiração contra o governo, passara a um seu correligionário, de São Paulo, um telegrama em termos cifrados, anunciando que rebentaria naquela noite um levante. Assim rezava o telegrama: "Tumor mole rebentará esta noite". A polícia, que rastreava a correspondência dos adversários do governo, não teve qualquer dificuldade para decifrar a mensagem e “dois secretas” trancafiaram a tempo, num “xilindró”, o malogrado conspirador político. O impagável Laet comentou:

─ Esse Aranha publicou um livro simbolista, “Canaã”, e ninguém compreendeu nada... Agora, envia um telegrama secreto, e todo mundo entendeu tudo... Que estilista fantástico!

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS, é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 



publicado por Luso-brasileiro às 18:39
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links