PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - AINDA SOBRE A HISTÓRIA DOS EXCLUÍDOS

        

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No mês passado, esteve em São Paulo, lançando mais um livro na Editora da UNESP, o respeitado historiador inglês Peter Burke, um dos expoentes da Nova História Cultural. Burke, filho de pai católico irlandês e de mãe judia polonesa, fez uma conferência muito bonita, sobre a utilização de imagens como documentos históricos, tema do livro que estava lançando. Não leu a conferência, como costumam fazer muitos europeus, mas apresentou-a à moda brasileira, de improviso e sem embaraço. Falou com forte sotaque britânico, mas num português claríssimo e, do ponto de vista gramatical, impecável. Burke é, aliás, casado há muitos anos com uma brasileira e já lecionou na USP e em outras universidades brasileiras. A mediação da conferência foi feita, de modo brilhante, pela Profa. Mary Del Priore, do IHGB.

No artigo anterior, desta coluna semanal, tratamos da chamada “História dos Excluídos”, ou seja, daqueles que fazem História anonimamente, de modo discreto, sem estarem no foco das atenções e dos registros oficiais. O assunto tem tudo a ver com Peter Burke, que comentou, em texto muito conhecido e frequentemente citado, dois relatos da batalha de Waterloo. Uma exposição pormenorizada da batalha foi escrita pelo general que a venceu, o Duque de Wellington. Como ele próprio reconhece, a vitória foi devida à providencial chegada, já no final da tarde de um dia chuvoso, das tropas do general prussiano Blucher. Até aquele momento, a decisão da batalha estava incerta e havia ainda uma possibilidade muito grande de Napoleão sair vencedor. Mas a chegada de Blucher, que vinha em marcha batida e conseguiu chegar a tempo, foi fatal para Napoleão e selou para sempre sua sorte.

Outra descrição, da mesma batalha, foi encontrada no diário de um soldado raso inglês que participou do combate e também registrou suas impressões e sua versão dos acontecimentos. São óticas diversas que permitem, aos historiadores de hoje, uma visão mais completa e abarcativa do grande acontecimento. Tanto o soldado quanto o generalíssimo participaram da batalha. Portanto, o resultado dela deveu-se aos dois. Mas não se pode dizer que se deveu igualmente aos dois. As massas, as multidões, os anônimos, têm sem dúvida seu importante papel na História. Mas querer uma história sempre vista de baixo para cima, parece-me desarrazoado. Pois sempre terá razão Hobsbawm, que diz que, na História, muito pouca coisa se fez de grande, que não fosse obra de elites. Lembre-se, ainda, a famosa frase atribuída a Alexandre: "Eu não temeria um grupo de leões conduzidos por uma ovelha, mas temeria um rebanho de ovelhas conduzidas por um leão."

De qualquer forma, é sempre enriquecedor analisar os acontecimentos históricos nas duas óticas: na oficial, que normalmente provém dos grandes protagonistas, e também a partir de documentação primária de pessoas simples, que estão muito distantes dos centros de decisão do poder.

Adquiri no ano passado, num site de leilões europeu, por uma quantia muito acessível (custou menos do que eu pagaria aqui no Brasil por um livro novo de 800 páginas) um acervo que é um verdadeiro tesouro, nessa linha. Trata-se de um conjunto de 410 cartas trocadas entre um casal francês durante a Segunda Guerra Mundial. Eram jovens, os dois, tinham acabado de casar e ainda estavam na lua-de-mel quando estourou a Guerra. O rapaz foi convocado, serviu no Exército francês durante a fase inicial do conflito e caiu prisioneiro dos alemães durante a “Blitzkrieg” da primavera de 1940. Passou mais de quatro anos num “Stalag", campo de concentração de prisioneiros militares. Não era um campo de extermínio, mas era um campo de concentração privilegiado, digamos assim, com trabalhos forçados, para os não-oficiais, mas no qual os alemães, por força dos acordos de Genebra, eram obrigados a tratar razoavelmente bem os prisioneiros, que até podiam se corresponder com suas famílias.

O resultado é que, nos anos em que esteve prisioneiro, o rapaz e a moça trocaram mais de 400 cartas, que estão, todas, em meu poder. São interessantíssimas. Vê-se que a moça é de nível cultural bem superior ao marido. Pela letra regular e pela fluência da escrita, vê-se que tinha algum estudo. Já ele escrevia com letra tosca e num francês com muitos erros de ortografia. Das 410 cartas, umas 370 são da moça, que escrevia mais, umas 40 são do rapaz. Há troca de fotografias dos dois, durante a guerra. Os assuntos políticos e militares eram vedados nessa correspondência, mas nas entrelinhas podem ser notadas alusões sobre o andamento da Guerra.

Estou aos poucos explorando essa documentação primária, que poderá, mais tarde, render um livro bem interessante, na linha da “História dos Excluídos”. Será sobre a Segunda Guerra vista por um casal apaixonado, separado pela força das circunstâncias.

 

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História

 



publicado por Luso-brasileiro às 15:16
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links