PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 26 de Junho de 2020
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - COMO DECAEM AS GRANDES MARCAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Pertenci no velho e já quase pré-histórico Orkut a um grupo de aficionados por máquinas fotográficas da tradicional empresa alemã Carl Zeiss. Para os fotógrafos exigentes (e estes são, infelizmente, cada vez mais uma minoria, se bem que ainda se encontrem com alguma facilidade), uma câmera Zeiss é um patamar de excelência, sobretudo pela alta qualidade da sua ótica.

 Desde meados do século XIX, a fábrica Carl Zeiss, de Iena, na Alemanha, produzia os melhores microscópios de precisão do mundo. Herr Zeiss, o fundador da empresa, costumava levar à cintura um martelo, e quando um microscópio produzido na fábrica não passava por seu severíssimo controle de qualidade, não o consertava nem corrigia o defeito, por mais insignificante que este fosse. Mas, por uma questão de princípio, esmigalhava o aparelho a marteladas, na frente de todos os empregados, para que todos aprendessem que só coisas perfeitas poderiam ser colocadas no mercado com a marca Carl Zeiss. Esse martelo se tornou legendário, símbolo da altíssima qualidade dos produtos da empresa.

 Mais tarde, ela se lançou no mercado de máquinas fotográficas e se tornou uma das maiores produtoras mundiais. Suas câmeras, as Zeiss Ikon, sempre de mecânica avançadíssima para a época e de ótica perfeita, durante quase um século competiram com as produzidas pela sua grande rival, a Leitz, fabricante da famosíssima e glamurosa Leica.

 Na década de 1930, o físico holandês Dr. Fritz Zernike (1888-1966), durante um estágio que fez na Zeiss, propôs a fabricação de um novo tipo de microscópio de contraste de fase, mas os técnicos da empresa rejeitaram o projeto, dizendo que, se fosse prático, já teriam pensado nele antes e a empresa já o estaria realizando. Zernike prosseguiu, sem ajuda da Zeiss, o desenvolvimento do seu projeto, e graças a ele conquistou, em 1953, o Prêmio Nobel da Física.

 Quanto à Zeiss, foi pouco a pouco decaindo, por não saber se adaptar aos tempos novos. Continuou a fabricar máquinas fotográficas de altíssima qualidade até 1972, quando parou de fabricá-las por não poder concorrer com as japonesas, muito mais baratas e acessíveis a um público menos exigente. A Leitz continuou, e ainda hoje continua a produzir as melhores câmeras do mundo, a preços muito mais elevados do que os das japonesas, para um público fiel menor, muito exigente e que não discute preços. Nesse nível, as Leica são imbatíveis.

 Esse público especial, a Zeiss teria podido disputar com a Leitz em igualdade de condições, mas não quis fazê-lo. Preferiu continuar teimando em produzir câmeras muito superiores e mais caras do que as japonesas, mas disputando o mesmo público de nível médio das japonesas - um público que não tinha condições de compreender nem de pagar o produto superior. Acabou tendo que fechar melancolicamente as portas de sua fábrica de máquinas. Ainda existe a empresa, produzindo lentes e vendendo-as aos japoneses da Sony, mas não dá nem uma pálida ideia do que foi no passado. Por quê? Porque seu apego às rotinas consagradas a impediu de se adaptar às necessidades dos novos tempos.

Possuo uma das últimas câmeras Contaflex-S produzidas pela Zeiss, no ano mesmo em que cerrou suas portas, ou seja, 1972. Possuo também um velho binóculo da mesma fábrica, produzido há perto de 100 anos. Está impecável, funcionando perfeitamente. Sua ótica é admirável, com uma nitidez e uma fidelidade de imagem espantosas.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS  -  é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 

 

 

Carl Zeiss – Wikipédia, a enciclopédia livre

         Carl Zeiss



publicado por Luso-brasileiro às 13:21
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links