PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Setembro de 2019
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - O AMBIENTE PSICOLÓGICO- CULTURAL DE 1929

 

 

 

 

 

 

 

 

Armando Alexandre dos Santos.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Tratei, no último artigo, da escola historiográfica metódica ou positiva, que se propunha como objetivo produzir uma história objetiva e exata, com a exatidão de uma ciência exata, como se tal fosse possível. Essa escola, como expliquei, imaginava que uma história escrita somente (ou quase somente) em documentos escritos de fonte oficial exprimiria a realidade objetiva dos fatos e, assim sendo, seria objetiva e confiável. Ledo engano! Por mais absurda que parece, na nossa perspectiva atual, essa ideia, ela esteve “na moda” na Europa e nas Américas desde meados do século XIX até as primeiras décadas do século XX. Foi somente a partir de 1929, com o surgimento daquilo que mais tarde foi designado como “Escola dos Annales”, que essa ideia cerebrina começou a ser questionada.

Realmente, Marc Bloch e Lucien Febvre, figuras exponenciais da primeira geração da Escola dos Annales, seguidos por Fernand Braudel (1902-1985) e outros, na segunda geração, e por Philippe Ariès (1914-1984), Georges Duby (1918-1996), Jacques Le Goff (1924-1914), Michel de Certeau (1925-1986), Emmanuel Le Roy Ladurie (1929-), Pierre Nora (1931-) e outros mais, na terceira, revolucionaram - no bom sentido do termo - os estudos históricos.

Para se entender o abalo profundo causado por esses inovadores, há que ter em conta como eram e como pensavam as pessoas formadas (ou deformadas, melhor se diria) nos moldes do positivismo. Nos primeiros anos do século XX, numa sala de aula de prestigiosa universidade suíça, certo grande mestre, tido na época como o maior físico da Europa, dirigindo-se aos estudantes do alto da sua cátedra, disse-lhe:

– Os Srs. escolheram uma bela ciência para estudar, a Física. Cumprimento-os pelo bom gosto, mas devo dizer-lhes que não fizeram uma boa escolha. Se quisessem ter futuro, deveriam ter escolhido alguma outra ciência que ainda oferecesse possibilidades de progresso. Isso não acontece, infelizmente, com a nossa Física, em que tudo o que podia ser descoberto já o foi.

Um dos estudantes que o ouviam era um jovem de nome Albert Einstein. Enquanto ouvia essa tolice proferida solene e pomposamente do alto de uma cátedra, devia estar ruminando suas ideias, porque já em 1905, ano da conclusão de seu curso, aos 26 anos de idade, publicou os célebres cinco artigos nos quais expôs suas teorias que revolucionariam o ensino da Física.

O mesmo Einstein, anos depois, mais amadurecido e experimentado nas lutas da vida, resumiu em uma frase o seu desencanto com a mentalidade errônea de quem pensa que já sabe tudo, de quem acha que nada mais há para aprender: "É mais fácil quebrar um átomo do que romper uma ideia preconcebida".

O professor de Física que julgava já ter abarcado todo o campo abarcável por sua ciência era, por certo, formado na escola e com a mentalidade do positivismo, que tanto marcou o século XIX e cuja influência se prolongou nas primeiras décadas do século XX.

De fato, os homens do século XIX eram em geral dogmáticos, acreditavam sinceramente estar na posse da verdade em qualquer campo. Eles, que muitas vezes negavam os dogmas religiosos, acreditavam nos dogmas da Ciência, erigida quase ao nível de uma inquestionável e intolerante religião nova. Eram positivos, metódicos, maduros, "espíritos fortes" sem feminilidades ou infantilidades.

Nasci na metade do século XX, mais precisamente em 1954, mas convivi, na minha infância, com muitas pessoas da geração de meus avós ou tios-avós, nascidos ainda no século XIX ou no comecinho do século XX. Todos, homens e mulheres, eram afirmativos em excesso, até nas coisas mais simples. Pareciam viver só de certezas, de nada tinham dúvidas ou hesitações. Tudo para eles era branco ou preto, bom ou mau, certo ou errado, não entendiam os matizes, os meios-tons, os aspectos fugidios ou camaleônicos da realidade.

Eram pessoas que acreditavam piamente no mito do progresso irrefreável da Humanidade, imaginando que, tão logo a Medicina resolvesse o problema do câncer (que na época era o grande espantalho que aterrorizava as mentes, já que um diagnóstico "daquela doença", cujo nome muitos nem ousavam pronunciar, equivalia a uma sentença de morte) a expectativa de vida subiria para 120 ou 130 anos. Foram pessoas dessa geração que pagaram custosos procedimentos para serem congeladas, na esperança de, mais tarde, serem reanimadas e curadas de seus males, por avanços imaginários da futura Medicina. Os Estados Unidos estão cheios de "clínicas" dessas, com cadáveres congelados há 50, 60 ou mais anos. 

Desculpem-me os leitores essa longa divagação acerca de pessoas que conheci na minha infância. Se a faço, é porque ela me parece conveniente para que possam imaginar o clima psicológico prevalente em 1929, quando Bloch e Febvre começaram a publicar a Revue des Annales, que se tornaria famosa e haveria de revolucionar os estudos da História no mundo inteiro. Voltaremos ao assunto.

 

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é licenciado em História e em Filosofia, doutor na área de Filosofia e Letras e professor da Unisul. Também é Membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Academia Portuguesa da História.

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:29
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links