PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 30 de Março de 2015
ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS - O IMPACTO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL SOBRE AS ARTES

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Revolução Industrial, ademais de consequências econômicas e sociais muito profundas, também abalou em profundidade os referenciais culturais e estéticos das sociedades europeias e, por extensão, do mundo inteiro.

É muito difícil, para nós, avaliarmos o profundo impacto que causou, na geração de nossos bisavós, o aparecimento e a divulgação da fotografia. Aparelho misterioso aquele que, graças à concentração dos raios de luz através de uma objetiva de cristal, marcava uma chapa inicialmente de vidro, depois de celulose, e esta, depois de quimicamente processada, permitia que se fizesse o procedimento inverso, ou seja, novamente passava por ela a luz, filtrada por uma objetiva, e impregnava uma folha de papel, a qual, quimicamente processada, revelava com nitidez espantosa a realidade primeiramente captada pelo misterioso aparelho!

É verdade que tudo isso se fazia em preto e branco. Não se fazia em cores. A fotografia colorida, então, pareceria algo impossível, ou pelo menos uma realidade apenas muito remotamente “futurível”. Mas logo surgiram pintores hábeis que se dedicaram a colorir, com aquarela, fotografias, produzindo efeitos surpreendentes, de grande beleza. Não tinham, claro, o realismo obtido hoje em dia, com nossas câmeras fotográficas, mas para os homens do tempo, pareciam prodigiosas réplicas da realidade que viam diante de seus olhos. Ainda hoje, são muito numerosos os colecionadores de cartões postais antigos, muitos dos quais coloridos manualmente por artistas. O colecionador João Emílio Girodetti – meu amigo e confrade no Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo – publicou uma série de livros, nos quais reproduziu e comentou belos postais sobre a cidade de São Paulo, sobre o litoral paulista, sobre cidades do interior de nosso Estado etc.

A fotografia, assim, passou a focalizar imagens da realidade... com tanto realismo, que pôs em cheque as melhores produções acadêmicas. Houve até quem imaginasse que a pintura, enquanto arte, estava com seus dias contados e tenderia a desaparecer. Não foi o que aconteceu, como sabemos, mas Isso teve um duplo efeito. De um lado, propiciou que, por via de comparação, a pintura acadêmica fosse assimilada à literatura romântica, idealizadora e até certo ponto distorcedora da realidade, sendo, por isso mesmo, objeto de crítica e de contestação. E, por outro lado, as várias artes tenderam a imitar o realismo fotográfico, buscando reproduzir a realidade a exemplo da fotografia.

A uma época em que as certezas absolutas da ciência eram erigidas à altura dos antigos dogmas religiosos, tudo parecia muito simples e redutível a sistemas e fórmulas. Foi nessa época que, em matéria de História, surgiu a escola positiva ou metódica, que pretendia sistematizar a História de modo a alcançar uma verdade histórica objetiva, com a mesma certeza e confiabilidade de um cálculo matemático. Durante algum tempo, esse dislate foi apregoado e aceito como a última palavra da modernidade, da verdadeira Ciência...

Surgiu, então, o impressionismo, que foi sem dúvida um movimento de protesto contra os excessos do academicismo e, mesmo, do realismo. O caráter impreciso e até certo ponto relativista dos impressionistas correspondeu a uma análoga tendência para o abandono das certezas absolutas em matéria científica e ideológica.

O impressionismo trouxe, a meu ver, um elemento novo, extraordinariamente enriquecedor para a Arte. O sistema de não pintar os objetos recortados e bem delineados, mas pintá-los meio esfumaçados, meio borrados, força a pessoa que contempla o quadro a não recebê-lo passivamente, mas a “recriá-lo” em sua ótica própria.

O contemplador de um quadro impressionista exercita, pois, sua imaginação ao ver e analisar um quadro. De mero admirador passivo, ascende, pois, à condição quase de “co-criador” do quadro.

Não foi só nas artes plásticas que a Revolução Industrial deixou sua marca. Na Literatura, essa marca é muito viva e fácil de notar. Em outra ocasião, voltaremos ao tema.

 

 

 

ARMANDO ALEXANDRE DOS SANTOS é historiador e jornalista profissional, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links