PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 27 de Março de 2020
CINTHYA NUNES - PÉTALAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Olho para a tela em branco e meu coração acelera. Não consigo pensar em outra coisa. Tenho buscado alguma leveza para essas horas infindáveis. Impossível assistir aos noticiários ou mesmo ler jornais. Notícias verdadeiras se misturando com falsas. Exageros disputando espaço com descaso. A sanidade mental das pessoas querendo se equilibrar a todo custo,  sobre um fio que balança o tempo todo, ora pelo vento, ora pela loucura dos demais.

            Começo o dia alimentando nossos animais de estimação. Até eles andam estranhos e, talvez pura loucura minha, mas tenho a sensação de que me olham sem nada (ou tudo) entenderem. Sem passear há mais de uma semana, as cachorras já desistiram de me convencer a sair. Nem mesmo me acompanham afoitas nas poucas vezes que vou até a porta de entrada. Aqui dentro tudo parece congelado, estático.

            A árvore do vizinho, uma quaresmeira, derruba todos os dias um tapete de pétalas roxas no meu pequeno quintal, que amanhece simplesmente forrado. Teria eu nunca reparado na quantidade absurda de flores ou nesse ano ela também achou um jeito de se lamentar? Em silêncio eu as varro, como um ritual, como para ter alguma coisa diferente em que pensar. Sei que é inútil, eis que logo mais tudo estará igual, mas tenho a sensação de que fazer isso tem algum propósito.

            Confiro os meus vasos e a despeito de tudo as orquídeas estão em flor. São muitas e de cores variadas. Nunca as achei tão belas e, em um paradoxo, jamais me pareceram tão insignificantes. Estranho demais a ausência dos beija-flores e cambacicas que viviam pelo quintal, deleitando-se com o néctar fresco que eu destinava a elas. Há semanas não aparece nenhuma. Não sei se há alguma explicação razoável, mas prefiro nem pesquisar. Ando vivendo em câmera lenta.

            No início pensei que a pandemia pudesse agregar as pessoas, permitindo o renascer de sentimentos já esquecidos, como a solidariedade. Embora algumas pessoas de fato tenham se unido em prol das outras, parece-me, no Brasil, que nunca se discutiu tanto sobre política. Podem me classificar de ingênua ou do que quiserem, mas tenho a sensação de que todos somente querem ter a última palavra. O que importa é ser o dono da verdade, mesmo que ela seja uma mentira.

            Muitos tem trocado ofensas e brigado tanto que amizades vem sendo perdidas, como se não estivéssemos correndo o risco de perder bem mais do que isso. Tudo parece ser uma disputa, um jogo idiota para ver quem fala mais bonito, quem conquista mais plateia. E enquanto alguns buscam louros públicos, outros se sacrificam, quase literalmente, em silêncio, para que os demais possam se salvar.

            Agora, mais do que nunca, talvez por me faltar no passado a real dimensão de tragédias como essa que vivenciamos, todos os profissionais da saúde tem o meu mais profundo respeito. Sem poderem parar, lutam todos os dias pelas vidas que estão sob seus cuidados, eles mesmos expostos e correndo riscos.  Eles e os profissionais que nos mantem vivos, alimentados e em segurança que merecem nossa atenção, nossas orações e nossa admiração.

            Faltam-me forças para escrever sobre amenidades. Por ora, elas deixaram os meus dias. Sigo observando as pétalas de cor roxa que cobrem meus minutos e não sei se serei capaz de voltar a vê-las com outros olhos, já que me parecem lágrimas. Não escrevo para desanimar ninguém, no entanto. Dias melhores virão, mas espero que eles nos possam redimir de alguma forma. Tem sido difícil não engrossar o cordão dos malucos.

 

 

 

 

CINTHYA NUNES é jornalista, advogada, professora universitária e anda triste por oracinthyanvs@gmail.com

 

 

 

 

 

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:56
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links