PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 29 de Agosto de 2020
CINTHYA NUNES - AQUARELA DA VIDA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            Durante bastante tempo acalentei o desejo de aprender a pintar com tintas de aquarela. Transparente, fluida, colorida, a aquarela tem uma característica muito única: a maior parte de seus resultados é imprevisível. Solúvel em água, os pigmentos se deitam sobre o papel quase como se tivessem vida própria, seguindo um fluxo que resulta invariavelmente singular.

            Há alguns anos, em férias em Lins, cidade onde moram meus pais, fiz algumas aulas introdutórias com a talentosa professora Lígia Cavalli. No início, para uma pessoa que gostava de planejar e controlar quase tudo, foi bem complicado abrir mão das invisíveis amarras que insistiam em deixar meus traços aprisionados. Aos poucos fui compreendendo que as aquarelas são animais selvagens e indomáveis e, o mais importante, a aceitar isso.

            De lá até hoje fiz alguns outros cursos, presenciais e a distância. Evoluí na técnica, mas nunca deixei de sentir, antes das primeiras pinceladas, uma sensação de estar ingressando em território desconhecido. Aquele friozinho na barriga que se costuma sentir diante do novo é o mais perto de descrever como a aquarela me desafia. Ao começar um novo projeto, por mais simples que seja, sou tomada pela certeza de que não vou conseguir, de que não posso usar uma tinta que cisma em não me obedecer.

            Com a pandemia, no intuito de manter minha sanidade mental, passei a assistir alguns vídeos de artistas executando trabalhos e fazendo análise de materiais artísticos. O desejo de voltar a pegar nos pincéis foi mais forte e logo estava perdida novamente no meio do círculo cromático. Para quem gosta de pintura, a aquarela definitivamente é sedutora, mas sobretudo terapêutica.

                        Tenho tentado transpor algumas das coloridas lições da aquarela para esse momento gris. Assim, busco não prever o que o destino reserva para o restante desse ano ou mesmo para o próximo. A propósito, talvez nem mesmo o porvir esteja com seus planos definidos, à espera, quem sabe, de que a misericórdia lhe faça visita.

            Muitas vezes, quando olho para alguma referência que usarei, como foto ou outro desenho, penso na paleta de cores e, de acordo com meu humor ou inspiração, os matizes variam. E quantas foram as variações tonais desse ano! Se a humanidade pensasse em cores, teríamos refletido quase todas as cores existentes.

Na história recente do mundo poucos anos ou talvez nenhum tenha sido tão inesperado e sem controle, em termos mundiais, como 2020. Assim como na aquarela, ninguém ainda sabe como o curso dessas águas irá se comportar. No Brasil ao menos, há quase seis meses em quarentena, em isolamento social que aos poucos se dissolve – e não sei se corretamente – tudo ainda é incerto e experimental.

Aqui o problema é que as pinceladas não se dão todas com o mesmo propósito e muitas tintas são usadas no desejo de ocultar intenções não honestas. Como na aquarela, por sorte, a água marca como quer e, no fim das contas, o desenho se mostra como deve. Acredito que essa seja sempre a esperança.

            Na aquarela, usamos água para suavizar as cores e as misturamos entre si para que outras surjam. Bem assim temos feito com nossos sentimentos em 2020. Aprendi, contudo, que não adianta nos anteciparmos, já que o resultado será aquele que deve ser. Tenhamos confiança de que, em algum lugar, há um Pintor esparramando as melhores cores para cada um de nós, livrando-nos do fado das certezas previstas.

 

 

 

 

CINTHYA NUNES é jornalista, advogada e acredita que as melhores cores surgem das mais inesperadas misturas – cinthyanvs@gmail.com

           



publicado por Luso-brasileiro às 12:52
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links