PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 28 de Setembro de 2019
CINTHYA NUNES - JANELA INDISCRETA

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            O dia estava cinzento e chuvoso. Já era fim de tarde e o trânsito estava meio parado sobre o “Minhocão”, o elevado Presidente João Goulart. Pela janela do carro, no banco de trás, eu ia observando a paisagem urbana. Para minha sorte o motorista que eu tinha chamado pelo aplicativo não era daqueles que ficam puxando assunto, pois há dias nos quais não queremos conversar.  O rádio ia sintonizado em alguma estação com repertório romântico e quando me dei conta já estava no modo cronista-observadora.

            Talvez seja minha impressão, mas parece-me que os prédios ao redor do Minhocão aos poucos vão sendo recuperados e ocupados. Embora ainda haja muitos em situação deplorável e aparentemente vazios ou vandalizados, outros apresentam cenários inusitados. Pelas janelas eu fui invadindo em olhar e pensamento, as casas alheias.

            Observando uma das janelas vi um gato e um cachorro sentados, como quem aprecia a paisagem. De início achei que eram estátuas, de tão imóveis que estavam. O cachorro era preto e o gato era frajola. Como se saídos de uma mesma paleta de cores, lado a lado, eram como pequenos guardiões ou meros contempladores atônitos diante de tanto cinza.

            Um pouco adiante vi uma ampla janela de vidro sem cortinas. Lá dentro, em um ambiente bem organizado, com paredes novas, um jovem homem manuseava um violino, como se o consertasse. Pelas paredes daquela sala havia dezenas de outros violinos pendurados, tudo muito bem arrumado. Nessa hora, embalada por uma música dos anos 90, a cena parecia cinematográfica e mil estórias começaram a surgir em minha imaginação. Talvez aquela fosse uma imagem refletida do passado, somente para lembrar as pessoas de que a música é repleta de tempos e de pausas.

            Alguns metros à frente e uma senhora muito idosa colocava água em numerosos vasos que mantinha em uma pequena sacada. Por uma fresta era possível ver o interior do apartamento e uma sensação meio opressiva se apoderou de mim. Era tudo meio escuro, triste de uma forma que não sei explicar. Quiçá fosse o modo dela se movimentar ou o fato de parecer que  estava em meio a uma pequena selva, mas tudo remetia à solidão e tristeza, daquela que causa frio e medo.

            Pelo caminho todo segui buscando pelo interior daquelas janelas que se tornaram quase públicas após a construção do Elevado, em 1970. Exibicionistas tem ali um palco perfeito. Desavisados, idem. Por sinal vi um rapaz que se examinava diante de um espelho no banheiro, admirado ou frustrado com o que via, pois isso não posso precisar, mas o curioso é que ele o fazia alheio a outros olhares curiosos. Ou será que estava consciente disso?

            O percurso de 3400 metros já acabando e eu ia chegando ao meu destino, mas ainda estava encantada com as dezenas de universos particulares que eram passíveis de serem vistos de onde eu estava. Foi quando meu olhar se encontrou com o de alguém que espiava detrás de uma persiana. Algo de segundos, mas inegável. Dei-me conta de que eu também era objeto da observação alheia. Não pude ver quem era meu observador, mas ele estava lá e disso estou certa. Escorreguei um pouco no banco do carro e abracei minha bolsa, procurando segurança. Morrendo de medo de virar a crônica de algum escritor maluco.

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes  é jornalista, advogada e professora universitáriacinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:21
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links