PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 29 de Novembro de 2019
CINTHYA NUNES - O PÃO NOSSO DE CADA DIA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            Há alguns meses, convidada por uma amiga, eu me inscrevi em um workshop de focaccia. Nos últimos anos tenho feito alguns cursos de pães, a maior parte com fermentação natural e em um deles cheguei a fazer uma focaccia, uma espécie de pizza com massa grossa, que usualmente tem recheio de tomate cereja com alecrim e sal grosso ou de calabresa.

            Nunca tinha tentado fazer uma sozinha, em casa, mas até por isso resolvi fazer o curso, que começou às 9 e acabou às 16h. O professor era o Alex, da Padoca do Alex (@padocadoalex, no instagram), do Rio de Janeiro. Carioca bem-humorado e muito paciente para ensinar as quatorze mulheres e os três homens presentes, o Alex é uma simpatia. Embora eu tenha ficado meio cansada após tantas horas em pé, valeu muito a pena.

            Era emocionante ver as imensas bolhas que a massa da focaccia faz enquanto está terminando seu processo de fermentação. Parece uma superfície lunar, só que muito gostosa e crocante. No final do dia estávamos instruídas sobre os macetes para uma focaccia “bolhosa” e de certo com alguns quilos a mais depois de degustarmos vários pães artesanais e variadas focaccias.

            Diante de várias mesas repletas de guloseimas fiquei pensando em como ali todos éramos afortunados por termos tanto alimento à disposição. Alguns dias antes, no entanto, eu havia presenciado situações muito distintas. Não posso e nem quero expor aqui as pessoas envolvidas, mas fiquei muito triste por ver amigos em situação financeira bem ruim. Em um dos casos, o mais extremo, faltava até pão na mesa na qual cinco crianças deveriam comer.

            Cortou-me o coração imaginar armários e pratos vazios. Ajudei como pude, mas a fome se renova a cada dia e sei que, infelizmente, foi somente um paliativo, uma ajuda emergencial. Ninguém deveria passar por isso, principalmente crianças. Por óbvio e infelizmente há milhões de pessoas passando fome pelo mundo, mas a coisa toda é mais real quando envolve alguém que conhecemos, quando a miséria ganha nome, sobrenome e um rosto.

            Em outro caso uma amiga de longa data me confidenciou todos os cortes de despesas que precisou fazer para poder sustentar com o mínimo de dignidade os três filhos. Como o desemprego do marido tudo fica ainda pior. Eles lutam como podem, mas tudo é racionado para poder durar mais. Difícil não se deixar perturbar, não questionar, não se revoltar.

            Algumas semanas antes e cortavam a luz da casa de outro casal de amigos. Repletos de dívidas, sofrem também com a ausência de oportunidades para se recuperarem. Moram em um bom bairro e quem os vê não tem sequer ideia de quanto estão em situação difícil. Bem verdade que ninguém quer se expor e entendo isso perfeitamente, mas nesses três casos eu poderia ter ajudado mais ou mais cedo se soubesse o que se passava.

            Enquanto alguns se fartam de pão, outros sequer tem o farelo. Ao nosso redor há um tanto de gente que sofre calada, padecendo dos mais diversos males. Esse ano de 2019 foi um ano difícil para mim, em termos profissionais. Foram muitas mudanças, mas jamais passei qualquer necessidade, muito pelo contrário.

            Hoje entendo o conceito de desigualdade e muito me entristece saber que ainda há casos mais severos, de gente que mora na rua enquanto outros são donos de imensos latifúndios ou de bairros inteiros. Em um mundo justo nem todos desejariam fazer um curso de focaccia, mas a ninguém faltaria o pão nosso de cada dia. Cheiro de pão sempre me invocou lembranças especiais, porém agora me parecem mais como o aroma da esperança.

 

 

 

 

Cinthya Nunes é jornalista, professora universitária, advogada e nunca deixa de lamentar as ausências que a existência impõe – cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 12:07
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links