PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 31 de Maio de 2019
CINTHYA NUNES - PAGANDO MICO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

            Em outro texto eu já escrevi sobre eles, mas não fui capaz de evitar compartilhar aqui nesse espaço a nova experiência que tive com os saguis. Por mais estranho que pareça, precisei mudar para São Paulo para ver bem de perto esses pequeninos e delicados macaquinhos.

            Há alguns anos eu fazia aulas de artesanato no ateliê de uma amiga, no bairro paulistano de Santo Amaro. Minhas aulas eram aos sábados, em um sobradinho próximo a pequenas ilhas verdes. Um dia a professora postou nas redes sociais uma foto de um pequeno sagui que vinha “visitando” o ateliê em busca de comida. Aos poucos foi se aproximando e ganhando coragem para buscar pedaços de frutas.

            Assim que eu soube da existência dos ilustres visitantes, fiquei ensandecida. Queria eu também alimentá-los ou ao menos ter o prazer de ver o improvável daqueles animais frágeis existindo em meio ao cinza que prevalece nessa gigantesca cidade. Durante uns seis meses, quase todos os sábado eu me colocava na janela esperando que eles aparecessem, mas isso não aconteceu. Minhas amigas até transformaram minha expectativa em piada, tamanha minha frustração.

            Há cerca de um ano comecei a trabalhar um dia por semana no bairro de Santo Amaro, lá pelas redondezas do antigo ateliê que, para minha tristeza, já não é mais no mesmo bairro. Agora, além de estar bem distante, não tenho tempo livre para me dedicar às delícias do patchwork. Mas esse tema pertence a outro departamento...

            No início desse ano, em uma manhã qualquer, enquanto eu seguia em um táxi, rumo ao trabalho, observando o bairro, notei que uma figura corria pelo fio e vi, maravilhada, que era um sagui. Depois de tanto tempo procurando por eles, tinha a chance de um pequeno vislumbre. Fiquei pensando em como é aquele serzinho, anima pertencente à natureza, conseguia sobreviver circulando pelos postes e fios de alta tensão.

            Nessa semana, em uma das faculdades em que trabalho, um pequeno grupo de funcionários conversava animadamente embaixo de uma árvore. Olhando para direção para a qual apontavam eu quase não pude acreditar quando vi que se tratava de um sagui. Logo me contaram que por ali, quase todos os dias, circula uma família de saguis, incluindo um pequeno filhote.

            Próximos às margens do Rio Pinheiros, um verdadeiro esgoto a céu aberto, esses pequenos sobrevivem sabe-se lá como. A natureza reúne suas forças, talvez as derradeiras, e num apelo silencioso, reproduz símios diminutos em meio à poluição, à violência e a degradação ambiental.

            Ofereci um pedaço de fruta a um deles e logo uns três estavam em volta da minha mão, buscando cada qual o seu pedaço. Um deles, um dos pequenos, segurou com as mãozinhas o meu dedo e eu me senti magicamente abraçada. O espírito da natureza se fazia anunciar entre nós ou ao menos no meu coração.

            Sei que há riscos nesse contato e não oriento ninguém a fazê-lo. São animais silvestres, ainda que aparentemente mansos. Para eles, no entanto, os riscos são muito maiores. Somos a praga da natureza e a convivência conosco, muitas vezes os escraviza das mais variadas formas. Sem dúvida, desde há muito, somos nós que pagamos o mico...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES   -   é jornalista, advogada e professora universitária – cinthyanvs@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 18:03
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links