PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sexta-feira, 26 de Julho de 2019
CINTHYA NUNES - POBRES GIGANTES

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

                Tenho estado bem confusa ultimamente com os rumos de várias coisas. Sempre estive ciente de que não compreendo vários fatos desse mundo e creio que isso seja normal, quase uma condição daqueles que deitem olhos atentos à existência. Isso tem se aplicado a quase todos os pontos de minha vida e nem conseguiria escrever sobre isso nesse singelo espaço.

                Um dos pontos, por exemplo, diz respeito à forma como passei a enxergar a existência das árvores e de tudo o que significam no contexto no qual estão inseridas. Ainda que sempre eu as tenha admirado, meu respeito por esses seres vivos só faz aumentar. Sei que pode parecer muito estranho ou até pitoresco para muitos, mas minha relação com as árvores é de fato muito particular.

                Por onde passo gosto de examinar suas formas variadas, suas cores, suas flores e seus frutos. Sejam pequenas, medianas, gigantes ou majestosas, cada uma delas é quase um universo. Cada árvore representa o sucesso e a  persistência das folhas e raízes. São a vitória de uma semente. Algumas fornecem alimento, abrigo e lar a pássaros. As flores de outras tantas servem néctar a beija-flores, morcegos e abelhas. Mesmo em cidades como São Paulo, em determinados bairros, são até refúgios para macaquinhos e pequenos roedores.

                Infelizmente, o meio ambiente nem de longe é respeitado como deveria. Não apenas as matas e florestas vem sendo devastadas impunemente, sob os argumentos mais sórdidos, mas até mesmo as árvores em meio urbano correm riscos constantes. Com raízes aprisionadas no concreto, muitas cedem após chuvas ou ventos mais fortes. Sem contar aquelas que são cortadas apenas porque suas folhas e flores “sujam” as calçadas de gente ignorante e fútil.

                Muitos terrenos nos quais ainda há várias árvores frondosas, com dezenas de anos, com copas imensas, vem sendo adquiridos pelas construtoras para que arranha-céus sejam levantados. Fico pensando, em paralelo, como, em meio à crise, há tanto dinheiro para isso e se há tanta gente comprando imóveis assim. Seja como for, a primeira providência que as construtoras tomam é derrubar todas as árvores existentes no local. Nada, absolutamente nada é feito para garantir ou preservar a vida que nelas há, própria ou agregada.

                Quando passo por espaços nos quais há anúncio de futuras obras, olho com profunda tristeza e impotência as árvores que ainda se encontram no local. Silenciosas e inertes, nada podem fazer a não ser aguardar o destino ao qual o bicho homem as condena. Acredito que se fosse feito algum estudo nesse sentido seria identificada uma perda considerável de verde nas cidades, até mesmo porque praticamente nada se replanta, à exceção de plantas ornamentais de pequeno porte.

                Se às árvores fossem dadas pernas, se lhe fosse dado correr de tudo que as viole e condene, por certo estaríamos cercados apenas por concreto. Antes de cortarmos uma só árvore que seja, deveríamos no mínimo observar se nela há ninhos, se é possível evitar essa perda ou mesmo o replante, já que não uma nova semente ou mudinha não se transformarão em outra árvore do dia para noite.

                A cada dia novas descobertas são feitas sobre a vida em todas as suas formas e acredito que haverá o momento no qual o ser humano conhecerá por completo as árvores e poderá se arrepender de tamanho descaso e violência. Só me resta torcer para que não seja tarde demais. Alguns países já se atentaram para esse fato e implantaram políticas voltadas a minimizar esses estragos. Pena não ser o caso do Brasil e da maior parte dos brasileiros. Nessa terra, hoje, mal temos palmeiras e pouco já canta o sabiá...

 

 

 

CINTHYA NUNES   -   é jornalista e advogada   - cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 11:39
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links