PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 28 de Outubro de 2021
CINTHYA NUNES - REVOLTA

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes.jpeg

 

 

 

 

 

            Alguns talvez considerem como alienação, outros, no entanto, podem entender meu ponto de vista, mas tenho evitado, desde o início da pandemia, assistir aos noticiários de televisão e, de forma geral, as notícias mais alarmantes. Não quero com isso afirmar que esteja alheia aos acontecimentos ou que não me importe com o que se passa. Em verdade é exatamente o contrário. Atualizo-me todos os dias, de modo rápido, mas não me sinto capaz de mais do que isso.

            Em 2020 era o terror pelo desconhecido, o medo e a tristeza das perdas. Quisera isso tivesse ficado no passado, entretanto. Nesse ano, além de tudo isso, permanecem as outras mazelas do mundo, acrescidas de mais e mais fatos horríveis. Claro que houve e há boas coisas também, pois sem elas seria impossível prosseguir, mas por vezes sinto que a maldade e a vilania ganham cada vez mais espaço, sufocando o bem que tenta sobreviver.

            Quem acompanha meus textos sabe que de forma geral evito assuntos desagregadores, como política por exemplo. Evito porque meus pensamentos e convicções não são o único lado possível de se ver as coisas, mas também porque há muita intolerância a distorcer tudo que se escreve ou diz. Só que as vezes ficar calada é uma omissão imperdoável.

            Tenho plena consciência de que minhas palavras nesse espaço não têm força para mudar nada. Entretanto, como cidadã que trabalha todos os dias, muito mais do que oito horas diárias, que não recebe nenhum tipo de auxílio governamental e nem nunca recebeu, que paga impostos e mantém, a duras penas, suas contas em dia, sinto-me autorizada ao menos a desabafar, eis que nada mais posso do que isso.

            Estamos vivendo um momento de caos econômico para o qual não vejo saída. E nem me venham dizer que a solução é colocar velhos e podres políticos de volta ou mesmo manter os que estão no poder. Aumentos de salários dos políticos e servidores, aumentos na conta de luz, de água, gás de cozinha nas alturas, criação de novos impostos, auxílio absorvente, auxílio isso e aquilo e nada se fala sobre cortes em verbas destinadas aos políticos e funcionários públicos de altos escalões.

            Há dias nos quais eu me sinto uma escrava que precisa trabalhar para sustentar os mil auxílios eleitoreiros e mais os outros que se prestam a manter o luxo de certos privilegiados cidadãos brasileiros. Para nós, classe trabalhadora, restam os impostos cada vez mais altos, a necessidade de cortar despesas que já nem podemos ter e a desesperança em um sistema que, com louváveis e mínimas exceções, existe para se autofavorecer.

            O triste é que quando a população realmente precisa de auxílio estatal, tem as portas fechadas na cara. Esmolas em forma de auxílios e vales não resolvem a vida de ninguém a médio prazo. Valem como medidas extremas e pontuais, por óbvio, como no início da pandemia, mas a longo prazo perdem o sentido. Mais valeria se todos os brasileiros, os que trabalham, tivesse direito a um salário digno, capaz de colocar comida e respeito na mesa.

            Cada vez que ligo a televisão em jornais matutinos, assim, sinto o estômago embrulhar e um imenso nariz de palhaço virtual se instala em meu rosto. Vivo com essa sensação de que os homens e mulheres de bem, acuados, não tem mais voz para mudar nada e que o mundo é um grande esquema operado por quem tem o vil metal nas mãos. O restante pouco parece importar.

            Nessa semana, para agravar a minha revolta, hoje indisfarçável, vi uma cena que me trucidou. Um cretino de um caçador e registro que se dependesse de mim TODOS OS CAÇADORES seriam transformados em amebas, matou uma onça preta no Maranhão. Esse ser humano lixo, feliz da vida, ainda posou em fotos e vídeos, gabando-se do feito de ter abatido um animal em risco de extinção. Sequer era algo destinado à alimentação, porque se fosse o caso, de abate para comer, por necessidade, eu seria capaz de compreender. Foi apenas pelo prazer de matar, mesmo prazer que eu sinto agora em sabê-lo preso e em desejar que tenha uma excelente estadia junto aos seus. Desejo a ele tudo de mau e que Deus me perdoe, se puder, por isso.

            Sei, por óbvio, que é um ser ignorante e que nem de longe é o único, porque nesse país, a proteção ao meio ambiente e o respeito pelos animais também é regido por interesses de outra monta.

            Então que me desculpem meus leitores ou aquele que, inadvertidamente ler esse texto. Hoje sou revolta.

 

 

CINTHYA NUNES é jornalista, advogada, professora universitária e, feita de carne, ossos e emoções, tem seus dias ruins tambémcinthyanvs@gmail.com/www.escriturices.com.br

 



publicado por Luso-brasileiro às 14:17
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links