PAZ - Blogue luso-brasileiro
Sábado, 30 de Junho de 2018
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - FESTA ESTRANHA, COM GENTE ESQUISITA, EU NÃO "TÔ" LEGAL...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Essa semana que se passou eu me lembrei muito dessa música, lá dos meus idos de adolescência, da banda Legião Urbana. Fui convidada para uma festa na rua da minha casa. Há alguns anos uma dupla de rapazes instalou sua produtora de filmes na última casa da pequena rua de um único quarteirão em que vivo em São Paulo.

            Fazer amizade com os dois foi a coisa mais fácil desse mundo, eis que além de serem pessoas muito do bem, ainda são divertidos e excelente vizinhos. Esse ano estavam comemorando oito anos da produtora que tem em sociedade e convidaram a vizinhança para festa que fariam. O figurino sugerido era anos 80, com o exagero característico da época. Para prestigiá-los aceitei o convite e fiquei pensando no que iria vestir.

            Convidei duas vizinhas para me acompanhar, até para não ficar sozinha e como os respectivos maridos não estavam disponíveis na data, seria conveniente estarmos as três juntas em uma festa na qual só conhecíamos duas pessoas e que, segundo eu imaginei, teria uma faixa etária orbitando em 10 anos a menos, no mínimo, do que todas nós.

            Tudo combinado, não falamos sobre o figurino previamente, somente que iríamos à caráter. Como eu de fato já existia nos anos 80, ao contrário, muito provavelmente, dos demais convidados da festa de um modo geral, tentei lembrar do cabelo que usava e das roupas. Ajeitei um figurino colorido e um cabelo mais revolto, parecido com algo que eu usaria à época.

            Na hora marcada eu toquei a campainha das minhas vizinhas e fui surpreendida ao perceber que talvez nenhuma de nós entendera a proposta da festa. Eu estava de anos 80, uma estava vestida de um personagem dos anos 80, mais precisamente a viúva Porcina (só os mais velhos se lembrarão, rs) e a outra, que entendeu ser uma festa à fantasia, estava de odalisca. Juntas, éramos, no mínimo, um trio estranho. A vantagem de se ter mais de 40 anos, no entanto, é que a essa altura não se liga muito para o que os outros acham. Assim, lá fomos nós, muito mais pela preguiça de trocar de roupa...

            Quando entramos na festa eu simplesmente fiquei dividida entre voltar para casa fingindo uma urgência ou me enfiar em algum buraco e sumir. Ninguém estava vestido como sugeria o convite!! Confesso também que isso me surpreendeu, eis que uma festa de publicitários jovens seria um lugar mais natural para visuais extravagantes e arrojados. Quando vi um dos anfitriões vestido com um blazer prateado, relaxei um pouco, mas não deixei de me sentir um peixe fora do aquário. 

            A festa estava ótima, diga-se de passagem. Lugar lindo, delicado, atual e que faz você pensar na delícia que deve ser trabalhar lá. O som era ótimo e a escolha das músicas era atemporal. A bebida era composta por chope e drinks incríveis. Tudo de muito bom gosto. Só não tinha fantasia, rs. As pessoas, quase todas em torno dos 30 anos, um pouco para mais, um pouco para menos, dançavam alegres, como se faz entre amigos e companheiros.

            Ficamos as três por ali, olhando tudo, cada uma pensando sei lá o que, mas eu só dava conta de pensar: Por que raios bem dessa vez fiz questão de seguir o que estava no convite? Aliás, o que estava no convite mesmo? Certa hora olhei para o lado e notei dois rapazes olhando para nós, com ar curioso e foi aí que me lembrei da música que dá título a esse texto. Comecei a rir sozinha, porque a festa não era estranha, mas que tinha gente esquisita, isso tinha!

            E assim, quando o esquisito é você, quando você já fez o social e até ensaiou dançar um pouco, o melhor é sair de fininho, à francesa. Foi o que fizemos. Ou melhor, o que tentamos. Encontramos os nossos amigos na porta, um deles vestido de com asas de anjo.

            _ Mas vocês já vão embora?? Por quê???

            _Ah, tá tudo ótimo ( e estava mesmo!!), mas eu não “tô” legal...

            Ainda bem que não perguntaram o que eu tinha, pois eu não hesitaria em responder que estava só sofrendo de “ridiculice” mesmo...

 

 

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada,professora universitária, membro da Academia Linense de Letras e escritora.  São Paulo



publicado por Luso-brasileiro às 15:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links