PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 4 de Agosto de 2014
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - COMO NASCEM AS BRUXAS

 

 

 

 

 

 


 
            Há alguns anos eu tenho uma teoria própria sobre bruxas. É aquela velha historio: não creio nelas, mas existem, infelizmente.Particularmente, no correr de minha vida, tive o desgosto de conhecer várias, para meu desgosto.

            Antes que alguém pense que estou falando sobre a existência de bruxos como Harry Potter, já aviso que não é sobre isso que escrevo, em absoluto. Sobre esses seres eu nada sei e apenas divirto-me com a ficção. Contudo, pensando com minhas caraminholas, eu acredito que de algum lugar deve ter saído o estereótipo da mulher encarquilhada, cheia de verrugas, que passa a vida a desejar e fazer o mal para os outros.

            Estou certa de que quase todos conhecem esse tipo de pessoa. É aquela criatura que é infeliz consigo, com a vida, que não sorri, que só sabe falar mal da vida alheia, que reclama de tudo e de todos. Penso que gente assim vai destilando um fel que, na mesma proporção que é colocado para fora, desce garganta abaixo, amargando e amargurando, ainda mais, suas miseráveis existências.

            Como se corroídas de dentro para fora, elas vão se encurvando, física ou psicologicamente, até que um dia apenas são capazes de enxergar seus próprios e inúteis umbigos. E eis que nasceu uma bruxa ou um bruxo! O problema de tudo é que esse processo é irreversível e essas pessoas jamais deixarão de ser aquilo no que se tornaram. Ao contrário, com o passar dos alunos, apenas terão essa condição agravada. Najuventude,enquanto a beleza e o vigor físico ajudam a camuflar algumas coisas, os bruxos até se misturam aos demais, mas na velhice, quando muitos ficam sozinhos com seu próprio mal, quase nada é capaz de ocultar o quanto fizeram de ruim a eles mesmos.

            Gente assim, nesse ponto da vida, tem ódio e inveja da risada alheia, até porque já nem mais sabe o que é isso. São criaturas que poderiam ir parar dentro de uma novela, de um livro, de uma peça de teatro, porque seriam cômicas, se não fossem tristes. A arte imita a vida e qualquer um que tiver olhos de ver será capaz de encontrar essa categoria de bruxos e bruxas por aí. A bruxaria da qual são capazes, no entanto, mais lhes atinge do que a qualquer outra pessoa. Traz a eles solidão e infelicidade. Infelizmente, entretanto, eles tem também o poder de atormentar a vida alheia, seja com fofocas, com reclamações, com condutas indesejadas e outras coisas mais.

            Não tenho qualquer dúvida de que muitas lendas sobre bruxas nascerão assim. Basta lembrarmos da madrasta da Branca de Neve. Linda, ela não podia viver sob a sombra da igual beleza alheia. Quando ela se transforma na bruxa verruguenta e feia, apenas se virou do avesso, nada mais. Aquilo era sua essência. O belo e o feio, o bem e o mal, todos podem vestir a mesma indumentária, o mesmo rosto, a mesma idade. A nossa essência, contudo, não ocultamos de todos, não o tempo todo, não para sempre. Talvez por isso a Bruxa Má quisesse o coração da Branca de Neve e não a sua cabeça, como prova da sua morte...

Dureza quando as bruxas estão mais perto do que podemos suportar, mas muito mais sério é encontrá-las no espelho. Se um dia eu me tornar assim, darei conta de providenciar minha própria maçã envenenada...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA -  Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora   -  São Paulo.


 



publicado por Luso-brasileiro às 19:38
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links