PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2014
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - ESCREVER

 

 

 

 

 

 

 

            Não vivo sem livros. Ponto final. Não há vírgulas que alterem o sentido dessa afirmação. Não sei viajar sem levar um livro comigo. Não durmo sem ler umas dez páginas ao menos. Os livros me acompanham no banheiro. Os livros invadem meus pensamentos, norteiam minhas palavras. Reabastecem minha alma. Presenteiam-me com novas palavras, com novas ideias. Os livros até invadem meus sonhos, sobretudo aqueles que tenho quando estou acordada.

 

            Enquanto estou vivenciando uma história contida em um livro, habito realidades diferentes. Vivo a minha, real, e a de outros tantos personagens, enxergando-os por fora e por dentro. Viajo para terras distantes, para lugares que provavelmente nunca verei, mas de uma forma tão intensa que quase me confundo, perdida entre os meus pensamentos e os alheios.

 

            Da mesma forma que gosto de ler, gosto de escrever. Aqui, contudo, a perspectiva é outra. Diante da folha em branco, todo o Universo se faz possível. Posso até ser Deus. Senhora da vida e da morte das pessoas que inventar. Sou capaz de, em uma frase, criar e colocar fim ao mundo. Essa possibilidade, entretanto, é assustadora. Se ao ler eu ganho sentimentos, ao escrever eu preciso me despir de alguns, desprender-me de outros, identificar os que sequer sabia possuir e até apropriar-me de alheios. Se ler é uma vinda, escrever é uma ida...

 

            A escrita, por outro lado, desafia-me. A escolha de cada palavra, a estética delas, a delicadeza ou rudeza que ganham ao se juntarem a outras, os sentidos que podem expressar, tudo isso me preocupa muito mais do que a gramática, do que os erros que posso cometer de concordância. Tenho medo é de pontos mal colocados, criadores de discussões sem sentido. Apavoram-me as exclamações desnecessárias! Interrogações sempre me inquietam e as reticências me encantam...

 

            Li certa feita que a gente lê porque gosta, mas escreve porque é preciso, para dar sentido à vida. Concordo. Minhas primeiras incursões pelas letras, aqueles que saíram de mim para o outro, deram-se por conta de inquietações, da vontade de registrar sentimentos aos quais eu não sabia dar vazão de outra forma. Mesmo hoje, escrevo sobretudo quando algo me inquieta, faz-me sofrer ou encanta meus dias. Eu escrevo para que minha vida faça sentido. Descobri que não escrevo para o outro, mas sim para mim. Ainda que seja uma espécie de doação do que me pertence, é muito mais para desafogar a minha própria alma. Daí admira-me quando, nesse desejo, toco almas alheias.

 

            Li também que os escritores vivem muitas vidas. Acredito que os leitores as vivam, entretanto. Os escritores se consomem ao escrever. Para mim, escrever nunca foi um ato fácil. Sinto-me como alguém que, após participar de uma maratona, sente o cansaço e a endorfina do prazer pelos quilômetros corridos. Eu apenas corro por linhas, mas tenho a mesma exaustão. E o mesmo prazer...

 

            Engraçado que, enquanto aspirante a atleta, sempre tive explosão, mas nunca consegui correr longas distâncias. Como escritora, mais escrevo crônicas do que me aventuro pelo romance. Talvez eu tema, no fundo, que as páginas possam me roubar as forças, que possam me deixar sem palavras. Tenho, contudo, sentido vontade de puxar forte o fôlego e lançar-me, para minha completa perdição...

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA -  Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora   -  São Paulo.

 



publicado por Luso-brasileiro às 10:59
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links