PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - MEUS TIPOS INESQUECIVEIS - PARTE 4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Desde que comecei a escrever sobre pessoas que em minha vida se destacaram por alguma característica única ou por algum especial momento compartilhado, passei a ter uns lampejos bem interessantes de memória, com o resgate de lembranças que estavam entre aquelas que não consigo acessar facilmente, no momento em que as desejo.

            Sei que há pessoas que, embora sejam raríssimos os casos no mundo, que jamais se esquecem de cada minuto vivido. Ao contrário disso ser uma dádiva, ao que me parece, pelo que li, é quase um castigo, já que não se esquecer de nada não implica apenas lembrar do que se quer lembrar, mas nunca se esquecer daquilo que doeu, que magoou. Eu gostaria, apenas, de poder me lembrar de todas as pessoas interessantes que conheci e dos momentos felizes que vivi, eis que muitas lembranças, apenas minhas, não podem ser resgatadas por mais ninguém, mas a memória não funciona dessa forma.

            Creio inclusive que seja por isso que resolvi escrever sobre algumas dessas pessoas, mas até pela impossibilidade de prosseguir nesse tema eternamente, optei por fazer um “pout porri”, um apanhado, como uma singela recordação que meu coração e minha memória fazem a pessoas que conheci nessas minhas décadas de vida. Faço isso sem nenhuma ordem de importância ou mesmo cronológica, exceto pela forma que começam a me “visitar” nesse momento.

            Bate à porta, agora, Seu Sebastião. Vendedor de orquídeas, eu o conheci na cidade de Araras, apresentado por uma amiga em comum, Dona Therezinha, igualmente uma amante de flores. Comecei comprando uma e, quando vi, de tempos em tempos ele aparecia em casa com alguma flor especial, pela qual eu me derretia em segundos. Até parcelamento de flores eu fiz, rs... Estive na casa dele algumas vezes e nas visitas ao orquidário que ele mantinha, eu enchia meus olhos de cores e formas e ouvia atentamente sobre todas as dicas de cultivo. Lembro-me do sorriso tímido do Seu Sebastião e, quando ele se foi, senti a morte de um amigo. Perdi muitas das plantas que comprei dele, pois uma praga as atingiu e eu não tinha mais a quem perguntar como cuidar delas. Uma, entretanto, a Sebastiana, floriu esse ano e foi impossível deixar de me lembrar de um tempo agora já distante.

            Deixo seu Sebastião a contemplar as flores de minha memória e vejo o Seu Euclides, também um ararense. Um dia eu recebi uma ligação e era o Seu Euclides, que editava o jornal da Matriz, convidando-me a colaborar. De início eu fiquei sem saber se poderia escrever sobre temas religiosos, mas aceitei o desafio e, mês a mês ele me passava uma incumbência especifica. Seguimos assim durante uns dois ou três anos. Passei a frequentar a casa dele e logo eu era conhecida não apenas da esposa dele, Dona Terezinha, como também do cachorro deles, um “salsicha” muito louco. Cerca de uns quarenta nos separavam cronologicamente, mas isso não foi obstáculo para uma amizade que surgiu através da literatura. Mudei-me para São Paulo mas continuei visitando a família, até que um dia eu soube que ele morrera. Continuei em contato com a viúva, por telefone e pessoalmente, até que um dia, liguei e ela não foi capaz de me reconhecer ou escutar. Triste, entendi que um ponto se colocara à revelia das vontades e da amizade...

 

            Ainda de Araras, para ficar geograficamente no mesmo lugar, vejo uma mulher que se aproxima, com um sorriso no rosto, voltando das minhas memórias. Negra, gordinha, já passada, creio, dos sessenta anos, Dona Nega, como a chamávamos, fazia orações e benzia as pessoas. Muitas foram as vezes em que a fui visitar e lá fiquei, na varanda da casa dela, por horas, batendo papo sobre a vida e recebendo uma oração. Era reconfortante e ela parecia que adivinhava quando algo não estava bem, pois fazia a pergunta exata, assim como quem não quer nada ou pergunta sobre o tempo. A casa dela, humilde, sempre tinha aquele cheiro de café que marca inexplicável e maravilhosamente alguns lares. No pequeno quintal, havia plantas e flores e agora me recordo de um bulbo que ela me presenteou, dizendo que só nascia de vez em quando e que, se florescesse seria quase um milagre... Plantei o meu imediatamente e o namorei até que, uma única vez, ele floriu.

            Com minha alma cheia de lembranças, faço um aceno aos meus amigos e despeço-me deles novamente, até que, algum outro dia, a memória os chame para perto. Seu Sebastião, Seu Euclides e Dona Nega são mais alguns entre meus tipos inesquecíveis...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.

 



publicado por Luso-brasileiro às 10:53
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links