PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - FAMÍLÍAS

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

            Algumas vezes já me questionei se escolhi a profissão certa, se de fato, dentre os caminhos possíveis, optei por trilhar aquele que mais se ajusta a meu modo de ser. Nos últimos tempos, contudo, com o passar dos anos, eu concluo que talvez nem me fosse possível escolher algo diferente do que o Direito.

            Embora eu goste de outras tantas áreas do conhecimento e tenha sonhado, enquanto criança, em me tornar veterinária, creio que dentro de mim muito mais alto fala o sentimento de que a Justiça é um ideal a ser buscado e pelo qual se deve lutar. Se a Justiça Suprema, Divina, é algo que quiçá não nos seja dado compreender, a Justiça humana, mesmo que falha, deve ser um norte, um horizonte a se buscar.

            Assim, quanto mais tempo eu vivo, mais percebo o quanto as injustiças se propagam e o quanto isso é nocivo à sociedade como um todo e às pessoas, individualmente consideradas. E dessa forma, tenho me tornado uma pessoa chata, pois me incomoda cada vez mais a percepção de que algumas pessoas simplesmente não se importam como o que sucede aos demais.

            Sinto-me particularmente incomodada com determinadas posturas, sobretudo aquelas baseadas em crenças particulares e em questões puramente religiosas e ainda mais aturdida ao perceber como muita gente se julga detentora única das verdades desse mundo, justificando posturas discriminatórias, xenofóbicas, homofóbicas, cruéis ou radicais de um modo geral.

            Ontem, ao ler uma notícia na internet, por exemplo, fiquei extremamente desgostosa em ver que a sociedade brasileira parece caminhar em direção ao retrocesso. Quando deputados votam no sentido de que família é a apenas a comunidade formada entre um homem e uma mulher ou qualquer um deles e seus filhos, eu lamento profundamente, mas não vou me restringir a isso.

            Por certo que não tenho poder, simples cidadã que sou, de alterar decisões legislativas, mas exatamente por ser cidadã e por desejar uma sociedade menos rancorosa e mais tolerante é que não vou me calar. Penso que família é muito mais do que a união entre homem e mulher e nem estou falando apenas da questão dos homossexuais. Pela definição que os nobres legisladores pretendem ver estabelecida, uma casa na qual morassem duas irmãs, dois primos, tio e sobrinho, por exemplo, não seria uma família...

            Pergunto-me se o Estado tem o direito de dizer quem devemos considerar como nossa família!?! Tantas questões prementes a serem discutidas e de competência e responsabilidade do Estado, que acho o cúmulo a ingerência sobre a vida particular das pessoas. Uma família se forma pelo amor, pelo afeto, pela afeição, sentimentos que transcendem ao que as pessoas pensam umas das outras e do que o Estado acha que as pessoas devem fazer ou sentir.

            Sou contra qualquer espécie de discriminação, de intolerância e de segregação. Esses sentimentos, inclusive, foram as causas de praticamente todas as grandes mazelas mundiais que esse mundo já vivenciou, mas parece que somos uma raça burra, incapaz de aprender com as lições do passado. Daí, voltando ao início desse texto, creio que eu não poderia ter seguido outra carreira que não o Direito. Acredito que a Justiça deva começar pelas iguais oportunidades, pela visão de que somos todos seres humanos e que não somos mais ou menos pela cor de nossa pele, pelo que vestimos, por onde moramos ou por quem amamos...

            As religiões, sejam elas quais forem, tem importante papel na condução de um mundo melhor, mas quando são usadas como pano de fundo para justificar barbáries, ódio, guerras ou divisões, não detém meu respeito.

            E se você, meu caro leitor, detentor de todo meu respeito, acredita em um mundo desigual, desagregador, eu sinto dizer que, então, não o represento...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.

          



publicado por Luso-brasileiro às 12:27
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links