PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 25 de Janeiro de 2016
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - PENSAMENTOS SOLTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Há dias nos quais me coloco a frente do teclado e, enquanto me decido sobre o que escrever, acabo divagando por bastante tempo, sobre questões cuja coragem me falta para fazer chegar ao papel. Concluo que há ideias, pensamentos, que resistem em existir fora de mim, talvez porque eu  acredite que sejam meus demais ou porque eu não  os queira ver soltos pelo mundo.

Seja como for, hoje estou em um desses dias, cheia de pensamentos soltos, mas também estranhamente aprisionados. Daí começo uma linha, escrevo um parágrafo e na sequência apago três. Acordei com os parafusos soltos, como se diz por aí. Uma virada de pescoço e lá se vai a ideia que estava aqui, possuída por outra, igualmente volátil.

Conheço-me o suficiente pra saber que não fico assim à toa. Não me perco nas curvas do meu cérebro sem que haja uma razão para isso. Normalmente isso acontece porque estou com algo me perturbando, como um pensamento encravado, que incomoda com o simples piscar de olhos. E assim, fico evitando não apenas escrever sobre o que quer que seja, mas sobretudo sobre o que está me assombrando.

Tenho pensado muito sobre o caminhar do tempo e sobre o tempo que tenho depositado no banco na vida, cujo saldo não me é dado conhecer ou estimar com algum acerto. Fico pensando em como é possível ter certeza de que a maior parte das ocupações humanas é pura tolice e perda de tempo e, ainda assim, continuar sofrendo pelo que nada ou pouco importa.

Olho para trás e me dou conta de quanto tempo perdi com o que não deveria e o quanto desperdicei do tempo de pessoas que já não posso alcançar, exceto nas lembranças, eis que já habitam outro plano e sei que é outra perspectiva, projetada para o futuro, que vem tirando meu sossego e colocando uma lágrima escondida no canto dos meus olhos. Sei que faz parte da vida, mas não acho justo e tenho o direito, inútil, de sonhar que nunca houvessem despedidas.

O que tem me doído, mas que não quero escrever com todas as letras, porque preciso preservar meu coração e acreditar que algo que não exteriorizo, não torno concretamente exposto, pode ficar mais longe de acontecer, é o medo da saudade inevitável, do amor imenso que não aceito viver só em recordações.

Se eu fosse Deus, daria mais tempo de vida aos seres humanos. Já que nos deu o peso da consciência, deveria ter dado a nós um tempo para aprender a viver. Esse espetáculo ao vivo, sem chance para ensaios ou pausas, não nos deixa tempo de qualidade. E enquanto vamos correndo, bobos e sem rumo, o destino nos rouba aqueles que amamos. Para vermos crescer e florescer as gerações vindouras, temos que nos despedir de quem nos antecedeu, estejamos ou não prontos pra isso e eu acredito que nunca é possível estar.

Hoje, enquanto fui fazer a feira, hábito que cultivo há anos, fui até a barraca de um senhor do qual eu compro queijos há uns 7 anos. Hoje reparei que ele está mais frágil, movendo-se com alguma dificuldade. Perguntei sobre a mulher dele, também idosa, que sempre o acompanha e ele me disse que ela dormia no carro, cansada. Pensei em outro casal e meus olhos se encheram de lágrimas. A velhice não é justa, mas não pelas rugas e sim pelas ausências que projeta ou impõe.

Nesse momento, sou incapaz de escrever mais do que isso sobre essa dor que me come pelas beiradas da alma. Não aceito a morte e não aceito mais ainda o fato dela não se importar com meus sentimentos. Quando penso no futuro sem aqueles que amo, compreendo porque o hoje se chama presente. É aqui que quero morar, nesse lugar onde meu coração encontra par, enquanto há quem olhe por mim, enquanto tenho vários lugares para chamar de lar, enquanto sou filha, enquanto ainda tenho a ilusão de que a eternidade é logo ali...

Perdida nos pensamentos que não quero conectar, respiro e resolvo não apagar mais linha alguma desse texto. Hoje, dou-me ao direito de ter a nostalgia como inspiração, mesmo que possa não agradar...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 10:37
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links