PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 31 de Janeiro de 2016
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - REFORMA

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            A essa altura eu já fico me perguntando quando é que a ideia me surgiu e como foi que, num repente, eu estou em meio a entulho, sujeira, tinta e desespero. O fato é que resolvermos arrumar algumas coisas em casa, mas eram apenas alguns detalhes e tudo se resolveria muito rapidamente, ao menos na minha ilusão.

            Um belo dia alguém me indicou um excelente mestre de obras. O rapaz era um faz-tudo e de confiança. Vi fotos de trabalhos anteriores dele e acabei ficando empolgada. Após o orçamento, ficamos convencidos de que tudo caberia no nosso bolso e no nosso tempo de férias. Apenas não pensamos que não caberia na nossa paciência...

            Combinado o dia para início, o rapaz, de fato muito bom no que faz e de confiança, chegou logo cedo com a equipe e foi coisa de alguns minutos para eu me dar conta de onde tinha me enfiado. Olhei para os lados e comecei a ver meus móveis sendo levantados, coisas tiradas do lugar e muita, muita sujeira se materializando. Mas isso ainda estava longe de ser tudo.

            Para começo de conversa, eu não entendo, de coração, porque pedreiros e pintores precisam começar tão cedo. O relógio mal atingia as sete horas (madrugada para quem dorme depois da uma!) e a campainha já soava. Começamos a nos levantar às seis e meia e, ainda assim, ficamos vários dias sem conseguir chegar aos cômodos antes deles, prejudicando café da manhã e banho. Outra consequência disso foi passar os dias como sonâmbulos, caindo de sono...

            O material necessário para a reforma que, repito, consiste apenas em poucos ajustes espalhados pela casa, já estava devidamente comprado, mas a despeito disso passamos a frequentar o depósito de materiais de construção praticamente duas vezes por dia. Meu cartão de banco, inclusive, passou a ter medo de me ver e eu, medo de ouvir a frase: “Dona Cinthya, precisa comprar...” 

            A sujeira, inevitável quando se estoura parede e se mexe com gesso, no início não me incomodou tanto, mas depois de 6 dias fazendo faxinas homéricas e diárias, minhas costas, minhas mãos e minha paciência ficaram em estado deplorável. E quando achávamos que ia acabar, eu ouvia, no final do dia que, amanhã, sem falta, estaria tudo finalizado. Passei a ter um novo sentimento sobre o título de uma música do Garth Brooks que diz “E se o amanhã nunca chegar?”

            Para além de tudo isso, ainda some-se o fato de que temos dois cães e uma gata. Os cães, dois machos, fazendo xixi por todos os lugares, na tentativa vã de mostrar que ainda mandavam no lugar, coisa difícil enquanto outros cinco homens, quatro dos quais estranhos a eles, andavam por tudo. A gata, coitada, apavorada, tentou todos os esconderijos possíveis, sendo encontrada, depois de muito implorarmos que ela aparecesse, dentro da churrasqueira, em meio à fuligem, dando novo sentido ao termo “churrasquinho de gato”.

            O fato é que hoje, uma semana depois do início de tudo, temos a sensação de termos corrido uma maratona, pulando num pé só e de termos feito uma cara viagem ao purgatório. No meio de tudo isso houve descobertas de consertos necessários e mais alguns retoques estéticos. Hoje eles juraram que acabam, mas entre minha alegria esconde-se um fundo de dúvida desesperada. Estamos satisfeitos com o resultado, mas eu juro que amanhã, se eles aparecerem, vou fingir que não ouvi a campainha e, rebelde, transgressora, vou dormir como se ainda não fosse madrugada...

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 

           



publicado por Luso-brasileiro às 19:49
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links