PAZ - Blogue luso-brasileiro
Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2016
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - DEIXEI MEU SAPATINHO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Sempre gostei de canções de Natal, sobretudo daquelas que escutava quando era criança e que me trazem de volta recordações de momentos especiais, felizes, do tempo em que a inocência era o tempero dos meus sentimentos. Acredito que assim como deve igualmente acontecer com tantas outras pessoas, as lembranças de uma boa infância deixam marcas indeléveis e, mesmo depois de décadas, fui capaz de me recordar completamente de várias dessas músicas.

            Enquanto participava de uma sessão de entrega de brinquedos para crianças de uma instituição, fui cercada por várias criancinhas, de idades entre 3 a 6 anos. Junto conosco fora também um Papai Noel especialmente convocado para essa nobre tarefa. Na presença do bom velhinho as crianças começaram a cantar em coro uma das músicas que eu, há muito tempo, também entoava com a certeza da verdade daqueles versos.

            O que especialmente tocou meu coração foi ouvi-los cantar, com os olhares firmes e confiantes a passagem que diz que “seja rico ou seja pobre, o velhinho sempre vem”. Se de um lado era triste saber que a canção poderia ser indiretamente a causadora de decepções, já que, na ausência da figura real de um doce senhor entregador de brinquedos e na situação de muita pobreza vivenciada por aquelas crianças e suas famílias, seria provável que nada ganhassem, de outro, era curioso pensar que, de alguma forma, o Papai Noel, naquele dia quente de verão, acabou comparecendo, mesmo sem as renas e sem trenó.

            Embora a situação toda em si levasse a reflexões de ordem social, sendo um tanto difícil não pensar em como é cruel a exposição ao consumismo e o quanto do básico muita gente no mundo não possui, fiquei pensando que, de uma forma ou de outra, além do Natal despertar em muitos o sentimento de caridade, também favorece a esperança. Adultos, sabemos que o Papai Noel manda a fatura do cartão de crédito, isso quando ele se lembra de passar pela nossa casa, mas, de uma forma inconsciente, nunca paramos de deixar o nosso “sapatinho na janela do quintal”, lançando ao mar os nossos sonhos e desejos secretos, nossa esperança de bons dias vindouros.

            Talvez esse seja o Espírito de Natal. Quiçá o retorno involuntário que fazemos à infância, ao viver das ilusões doces e, esquecidos, ainda que por segundos, do fato de sermos adultos e racionais, deixemo-nos levar pela esperança de que, em algum lugar por aí, o bom velhinho nos espreita, porque “não se esquece de ninguém” e haverá de saber qual sapatinho nos pertence entre todas as janelas desse mundo doido.

            Deixo eu, aqui também, meu sapatinho, nessa janela de papel, cuja cortina invisível não me permite ver ou conhecer quem lê o que escrevo, mas que, se o faz com certa constância, já me conhece em demasia. Largo aqui a minha esperança de que não me faltem palavras, não me falte inspiração, mas que, sobretudo, não me abandone o desejo de, vestida de tons “noéis”, fazer mais do que aquilo que somente a mim aproveita. Feliz Natal! Que a vida não nos deixe descalços por aí...

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com



publicado por Luso-brasileiro às 13:19
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links