PAZ - Blogue luso-brasileiro
Domingo, 26 de Março de 2017
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - SARJETAS DA VIDA

           

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

             Há algumas semanas saímos com um casal de amigos para comermos algo e também para prestigiarmos uma amiga que se apresentava cantando no mesmo local. Depois de comermos petiscos, bebericarmos um pouco, rirmos bastante e ouvirmos um suave som de barzinho entoado por uma voz delicada, saímos para pegar um táxi e voltarmos para casa. Na calçada, sentando, havia um senhor de idade que, ao nos ver passar, pediu uma ajuda para ir até o ponto de ônibus méis que não estava se sentindo bem.

            Indagamos o que ele sentia e ele nos contou que estava sentindo tonturas e um mal-estar que não sabia identificar. De início achei que ele estava bêbado, mas depois não tive mais tanta certeza, exceto a de que ele não era um mendigo, embora uma pessoa simples. Tirando do bolso um maço de papéis amassados, ele nos mostrou seus documentos e constatei que tinha o mesmo nome do meu pai. Foi inevitável sentir um aperto no coração, ainda mais depois que ele nos disse que morava sozinho, que não tinha quem olhasse por ele e que tomava vários remédios diariamente,

            Não dava para ouvir tudo isso e irmos embora, indiferentes. Ligamos para o SAMU e fizemos um pedido para que fossem até ele e prestassem socorro, mas depois de vinte minutos começamos a crer que talvez não aparecessem. Ligamos para polícia militar e depois de alguns minutos passou por nós uma viatura. Sinalizamos para que parassem e após explicarmos os fatos, os policiais nos informaram de que o levariam para ser atendido em um dos hospitais públicos da região.

            Enquanto a polícia fazia a checagem padrão dos documentos dele, senti um leve cheiro de bebida no ar e pensei que era mesmo bem provável que ele tivesse bebido algo e, se de fato tomava remédios, a mistura deveria ser uma das responsáveis pelo estado de saúde em que se encontrava. Em poucos minutos os policiais o convenceram a acompanhá-los para receber cuidados. Tão logo a viatura se afastou, rumo ao hospital, vimos que o SAMU se aproximava, lamentavelmente cerca de quase uma hora depois de ter sido acionado.

            Entendo que em uma cidade como São Paulo não devam faltar ocorrências a serem atendidas, inclusive muito mais sérias do que socorrer alguém que possa ter buscado na bebida a companhia para um fim de vida solitário, mas isso não muda a sensação de desalento que tivemos diante de um idoso pedindo por socorro, sentado na calçada, com ar de desamparo, tarde da noite em um fim de semana. Pensando agora, creio que talvez nos tenha faltado o entendimento de que ele buscava por outro tipo de socorro.

            Fico imaginando em todas as pessoas que estão pelas sarjetas da vida, perdidas, seja em seus pensamentos, seja nas ondas das drogas, as lícitas e as ilícitas. Embora seja razoável que se tenha receio diante de pessoas que pedem ajuda pelas ruas, até porque as estatísticas da violência legitimam tal sentimento, também é fato que são seres humanos, repletos eles também de toda gama de sentimentos e fragilidades que marcam a travessia humana por esse plano.

            Não sei o que se passou com o idoso depois que ele foi para o hospital. Não sei se de fato estava doente de corpo ou de alma, ou quiçá de ambos. Tudo o que sei é que naquele momento ele estava frágil e perdido, como, aliás, qualquer um de nós poderia estar. Sei ainda que, se fosse algo mais sério, pela demora do atendimento, ele poderia ter morrido à míngua, assim como também poderia ter ocorrido com qualquer outra pessoa que tivesse um mal súbito pelas ruas de São Paulo.

            Triste constatar que nesse país pagamos por tudo e para tudo, que aqueles homens e mulheres nos quais confiávamos (ou nos quais alguém confiou) se apropriaram do dinheiro público de forma deslavada, pornográfica e que ainda enchem a boca e estufam o peito para se dizerem inocentes ou para darem justificativas de suas vilanias. Difícil viver sem se dar conta da desigualdade que espanca os brasileiros, que nos torna, a todos, de algum modo, vitimas de um sistema cruel e vicioso que parece não ter solução.

            Ao menos a Polícia Militar, tão criticada por muitos, naquele dia apareceu e tratou o pobre senhor de forma digna, respeitosa, sem fazer diferença alguma. Talvez fosse disso que ele precisasse no fim das contas, mas, de toda forma, se o Estado padrasto não nos socorre adequadamente, ainda temos esperança, derradeira, de que algumas pessoas possam fazer diferença entre tanta indiferença.

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada, mestra em Direito, professora universitária e escritora - São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 



publicado por Luso-brasileiro às 16:46
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links