PAZ - Blogue luso-brasileiro
Quinta-feira, 31 de Agosto de 2017
CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - JULGAMENTOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cinthya Nunes Vieira da Silva.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

            Aprendi, com o tempo, a dar ouvido às minhas intuições. Quase sempre, por mais que me fossem dolorosas suposições, revelaram-se verdades. Assim, posso escolher dar crédito ou rezar para estar errada, mas ignorar não se mostrou, na minha experiência, uma opção acertada.

            O mesmo não posso dizer de primeiras impressões, de pré-julgamentos. Eu os condeno e os abomino na grande maioria das vezes, sobretudo quando são fruto de ideias pré-concebidas, de conceitos equivocados. Entretanto, em muitos casos não sou capaz de evita-los e quase não há exceções para os meus desacertos nesse sentido.

            Tenho refletido bastante sobre isso e buscado me policiar para que, uma vez mais, diante de uma pessoa ou situação nova, eu já não vá me adiantando e julgamento de forma errada o que vejo. No mais das vezes sinto remorso ou tristeza pelos meus pensamentos. Ao menos, se me pode servir de consolo, sou capaz de reconhecer o erro e de buscar reparar qualquer efeito que isso possa ter provocado.

            Lembro-me uma vez em que era aluna de um curso preparatório para concursos públicos e notei um barulho que me atrapalhava. Olhei para o lado e vi um rapaz que, de óculos escuros, parecia batucar com um lápis em uma prancheta no meio da aula. Logo franzi o cenho ao pensar em como era estranho usar óculos escuros em uma sala de aula, bem como era desrespeitoso batucar deslavadamente.

            Passados alguns minutos, para minha vergonha, notei que o rapaz era cego e de forma alguma estava batucando. Estava escrevendo em braile. Nem sei dizer o quanto me senti idiota. Alguns meses depois e éramos muito amigos. Aprendi muito com ele sobre as dificuldades e a rotina de que não enxerga. Cega, de fato, era eu.

            No metrô, dia desses, um menino abordava as pessoas na bilheteria, pedindo trocados. O fato é que se eu for dar uma moeda a todos que me pedirem, rapidamente ficaria eu mesma sem qualquer tostão, mas corri com meu dinheiro para comprar passes, atrasada que estava e irritada com a chuva que já me molhara os sapatos.

            Assim que me aproximei da bilheteria, com dinheiro certo para comprar 6 bilhetes, eu nem cogitei dar alguma moeda ao garoto, coisa que vez ou outra eu faço. Além disso, armei uma carranca, capaz de afastar qualquer um. Eis que o menino me chama a atenção e eu, de malgrado, olho para ele pela primeira vez, para ver, consternada e desconcertada, que ele me estendia minha super sombrinha dobrável, que eu havia deixado cair sem perceber.

            Nem preciso dizer o quanto me senti mal, ainda mais quando notei que ele era só um menininho, uma vítima provável de um sistema falido e insensível. Meu ímpeto, diante da minha presunçosa indiferença era de pedir a ele uma esmola, uma pouco da sensibilidade que fui perdendo pelo meio do caminho e que a cada dia temo ser irrecuperável.

            Fico pensando que não gostaria de ser julgada por uma primeira impressão que tiver causado a alguém, mas ainda assim me surpreendo analisando as pessoas  desse modo eventualmente. A cada bordoada que levo da vida sempre que sou menos humana do que gostaria, aprendo, entretanto, que muitas vezes é imprescindível dedicarmos mais um olhar ao que está a nossa volta, até para que possamos receber do universo esse mesmo benefício.

 

 

 

 

 

CINTHYA NUNES VIEIRA DA SILVA - Advogada na Silva Nunes Advogados Associados, professora universitária, membro da Academia Linense de Letras e cronista.       São Paulo.  -  cinthyanvs@gmail.com

 

 

 

           



publicado por Luso-brasileiro às 11:35
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

pesquisar
 
links